Pub

 suicídio

Um em cada três jovens e adolescentes da ilha de Santiago inquiridos para uma tese de mestrado afirmou já ter pensado em suicídio pelo menos uma vez, tendo como principais causas a depressão e a desesperança.

A conclusão é de uma tese de mestrado defendida na semana passada pela cabo-verdiana Janilsa Gonçalves, no Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida de Portugal.

No estudo, para obtenção do grau de mestre em Psicologia Clínica, a cabo-verdiana entrevistou 315 jovens e adolescentes em escolas da ilha de Santiago, com idades compreendidas entre os 14 e os 20 anos de idade.

E chegou a conclusão que mais de um terço (34,28%) dos entrevistados já teve ideias suicidas pelo menos uma vez na sua vida.

Perante a "média bastante elevada da ideação suicida", Janilsa Gonçalves disse ser "necessário e fundamental pensar na gravidade da problemática", visto ser sobretudo uma população não-clínica.

"É uma percentagem muito elevada e merece uma especial atenção e reflexão por todos os elementos da sociedade, uma vez que esses dados vieram confirmar aquilo que a literatura diz, que os casos de suicídio e/ou a sua ideação têm aumentado drasticamente em todo o mundo e Cabo Verde pelos vistos não é exceção (antes pelo contrário)", analisou a investigadora, em declarações à agência Lusa.

No histórico da ideação suicida, 65,4% dos inquiridos referiram nunca ter qualquer pensamento relacionado com acabar com a sua vida, enquanto 14,9% afirmou ter pensado uma única vez, 3,5% referiu já ter pensado duas vezes e 16,2% mais de que duas vezes.

No que diz respeito às tentativas de suicídio, 87,3% afirmaram não ter tentado nenhuma vez, 8,3% disse já ter tentado uma vez, 1,3% garantiu já terem tentado por duas vezes e 3,2% mencionou já ter tentado mais de que duas vezes acabar com a sua própria vida.

"Estes adolescentes e jovens podem estar expressando algo que vai muito além das características próprias dessa fase, ou seja, podem estar demonstrando sofrimento decorrente de um conflito interno, vislumbrando a possibilidade de morte como alternativa", sustentou.

A dissertação de mestrado, orientada por António Pazo Pires e que está em preparação para ser publicada, concluiu que a depressão é a principal causa para as ideias de suicídios dos jovens e adolescentes, a par da desesperança.

"No nosso estudo constatamos que a existência de sintomatologia depressiva está intimamente ligada ao aparecimento da ideação suicida, isto porque, sujeitos com depressão expressam desejo de morrer e de terminar com a sua vida como sendo algo inevitável para terminar com todo o seu sofrimento", completou.

Para enfrentar o problema, Janilsa Gonçalves considerou que é necessária uma "divulgação adequada" de informações e consciencialização da população em geral para que esta possa ter um conhecimento aprofundado sobre este fenómeno.

"Como se sabe, apesar do suicídio ser uma ação pessoal, provoca danos psicológicos, sociais e económicos para a comunidade em geral, maximizando dessa forma o papel ativo de todos nós na prevenção desse problema de saúde pública", mostrou.

A psicóloga considerou também ser necessário o envolvimento da família e do Estado nas estratégias de proteção dos jovens e de prevenção.

"No âmbito da prevenção é imperativo levar em consideração as variações culturais, idade e género para que a prevenção surta o efeito mais almejado possível", prosseguiu a investigadora, entendendo ser necessário a existência de mais estudos sobre o fenómeno na camada juvenil.

"Com intuito de perceber e clarificar qual o verdadeiro papel tanto da depressão como da desesperança na predição da ideação suicida, e perceber também o porque desses aumentos de casos de suicídio na adolescência", referiu.

Para estudos futuros, entendeu ser pertinente a replicação desta investigação a nível nacional e com uma amostra mais alargada, bem como que haja uma abordagem que permita identificar outras variáveis também associadas à ideação suicida.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar