Pub

E entende que Ulisses Correia e Silva traiu a confiança do povo de São Vicente e que Augusto Neves se esconde atrás de uma fidelidade canina ao seu partido.

Tudo aponta que ainda muita água vai correr em baixo da ponte relativamente à polémica sobre a construção do campus universitário em Santiago.

Depois das manifestações do ex-deputado do PAICV, Alexandre Novais, e do abaixo-assinado dirigido ao Embaixador da China em Cabo Verde, eis que surge agora o grupo de reflexão da diáspora a considerar, num comunicado, que “a exclusão de São Vicente do campus da universidade de Cabo Verde é uma afronta à ilha e ao seu povo”.

O documento, assinado por Arsénio Fermino de Pina, Adriano Miranda Lima, José Fortes Lopes, Fátima Ramos Lopes, Filomena Araújo Vieira, Luís Andrade Silva, Miguel Arcangelo Silva e Valdemar Pereira, vai um pouco mais longe e aponta o dedo directamente ao primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, acusando-o de “um comportamento político traiçoeiro, ardiloso e manobrista, ultrapassando o seu antecessor nas artes do ludíbrio e revelando-se afinal de contas um fiel executante das políticas que repudiamos, agindo contra o país integral e ameaçando perigosamente a coesão nacional”.

O grupo entende que Ulisses Correio e Silva traiu a confiança do povo de São Vicente, pois no seu entender desde que assumiu o poder tem estado a tomar decisões que colocam em causa as promessas eleitorais feitas para com a ilha, e lhe valeram maioria absoluta.

“É que retinem ainda nos ouvidos do povo de São Vicente, em particular, e dos cabo-verdianos, em geral, as promessas de Ulisses Correia e Silva de reabilitar o espírito de solidariedade nacional, promover a correcção dos desequilíbrios regionais e contribuir para a coesão entre os cabo-verdianos, mediante uma efectiva descentralização do poder e uma mais equânime distribuição dos recursos”, escreve o comunicado.

No entanto, o grupo diz não surpreender muito com esta sonegação de mais um investimento previsto para São Vicente e o norte do arquipélago, “porquanto desde a posse deste governo se vêm acumulando evidências a desmentir claramente a propaganda eleitoral com que o respectivo partido alcançou o poder”.

E traz exemplos como: a posição do Governo em “firmar um acordo com o PAICV para a aprovação do Estatuto Especial para a Praia, como se isso fosse a mais gritante prioridade nacional”; as declarações da ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Eunice Silva, segundo as quais “Cabo Verde não é só São Vicente e que se tem de partilhar os recursos para que todos tenham um pedaço justo”; “constantes anúncios e concretização de investimentos na ilha de Santiago e seus inúmeros municípios criados com pouco critério, ignorando-se o resto do país, entre outros”.

Nem o orçamento do estado escapou ao escrutínio do grupo, pois considera que este instrumento de gestão do Estado para o ano corrente “foi altamente penalizador para São Vicente, relegando-a para um plano secundário no arquipélago, não obstante tratar-se da segunda ilha do país em população e contribuição para o PIB”

Até os movimentos sociais de Santiago foram objecto de reclamação. Com efeito, o grupo afirma-se surpreendente com movimentos e organizações da sociedade civil surgidos em Santiago. “Surpreendentemente, e para repúdio dos cabo-verdianos, têm surgido movimentos de um doentio bairrismo ligados a Santiago − “pró Praia e pró ilha de Santiago”− como se a sociedade civil daquela ilha é que tivesse razões de agravo e não o resto da nação cabo-verdiana”, lê-se no referido comunicado.

E com base neste roteiro, o grupo aponta o dedo ao Governo, mas também aos políticos de São Vicente, no sentido de se levantarem para defender a ilha. E neste item o dedo é apontado directamente ao presidente da Câmara Municipal de São Vicente, Augusto Neves, “que devia ser o primeiro a vir a terreiro para honrar as prerrogativas do seu cargo em vez de fidelidade canina ao seu partido”.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # santa barbara 30-06-2017 12:55
Quando é que essa gente de S.Vicente deixam de manifestar publicamente o seu bairrismo e ódio aos santiaguenses.Nao me lembro de alguma vez ter lido ou ouvido da
parte de um "BADIO", como nos chamam, algo ou qualquer reclamação, quando o governo escolhe S.Vicente para levar a cabo qualquer empreendimento de vulto
O Governo escolheu a ilha se SANTIAGO para
albergar esse empreendimento por ser a ilha
mais populosa, com maior percentagem de estudantes, inclusive oriundos daquela ilha.
É se lamentar, ver pessoas que eram tidas como sensatas, levantarem o seu machado
contra a ilha de Santiago, pela simples razão de o Governo Chines ter suportado a construção Campus Universitario na cidade da PRAIA.
HAJA BOM SENSO!!!
Responder
0 # Cara 01-07-2017 21:24
Acredito que estejas a pensar que estás coberta de razão, nas baboseiras que escreveste?
Minha querida as coisas infelizmente não são como pensamos, pois a realidade às vezes é bem diferente.
Vejo também que o velhinho complexo ainda está latente.
Responder