Pub

 

Jovenal Fortado PP Inforpress

O Partido Popular (PP) exige a demissão do ministro de Saúde e acusou a Justiça cabo-verdiana de falta de imparcialidade, considerando “preocupante” a questão da segurança pública no país.

O fenómeno da falta de segurança está, segundo os populares, a “entender-se a novos bairros”, onde o PP prossegue com  a “recolha de assinaturas contra a corrupção”.

Este foi o teor da reunião quinzenal da direcção nacional do Partido Popular,  que esteve reunida esta manhã,  na sua sede, em Achada de Santo António, e tornado público pelo secretário-geral, Juvenal Furtado, que justificou o pedido de demissão do ministro da Saúde, Arlindo do Rosário, pelo “retrocesso no sistema”, com “perdas humanas”.

O PP responsabiliza o sistema de saúde por 24 mortes registados em 2018, por negligência médica, e, igualmente, pelo falecimento da criança sanvicentina Sharon Silva Lopes, um caso que nos últimos dias esteve no centro das atenções.

Os populares consideraram que houve “desencontro e total falta de sintonia” entre os serviços do Instituto Nacional de Providencia Social (INPS), o Hospital, de entre outras instituições do Estado responsáveis pela evacuação médica para o exterior.

Nesta lógica, classificou a Saúde como o “parente pobre do Estado de Cabo Verde”, exemplificando a “diminuição de regalias a pessoas que beneficiavam de isenção na cobrança da taxa moderadora e de internamento”, agora agravada com a cobrança da taxa de internamento hospitalar, razão pela qual o PP exige a demissão do ministro Arlindo do Rosário.

Em relação à Praça do Palmarejo, onde as obras foram retomadas, após um período de embargo, Juvenal Furtado critica o “Tribunal de Relação por ter recusado enviar o processo para o Tribunal Constitucional”, alegando tratar-se de uma questão de constitucionalidade, quando, a seu ver, “o Tribunal de Relação não é imparcial”.

Esta preocupação é extensiva à Praça da Nova Apostólica, na Fazenda, por considerar que “este bem público foi assaltado pela Câmara Municipal da Praia”, alegando que tem estado a fomentar conflitos entre população, com a atribuição um único lote de terrenos a várias pessoas.

Quanto à segurança pública, o PP diz ter constatado que, “contrariamente à propaganda governamental”, não houve melhoramentos, mesmo  com a introdução de câmaras de videovigilância ou melhoria de iluminação públicas, sublinhando que os crimes contra pessoas e bens foram transferidos aos novos bairros, como Jamaica, Ribeira Funda, Ponta d’Água, Eugénio Lima e Safende, onde se regista “fraca iluminação” e não existe m câmaras.

Em relação à recolha de assinaturas em curso, com vista à apresentação de uma proposta-de-lei contra o crime de corrupção de titulares de cargos públicos, o dirigente oposicionista disse que o PP já ultrapassou as 11 mil exigidas e que resta concluir o processo em locais como São Vicente, São Domingos e Maio.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # copyright 21-08-2019 15:01
esta noticia publicada no jornal Asemana me chocou a arrogância dos comentaristas próprio dos que detenta cargos na função publica mais nenhum evocava o ponto neurolalgico da denuncia : 90 dias para gestionar uma evacuação de urgência !!! Saibam que o Cancro mata mais nao e' sinônimo de morte .
Responder