Pub

Amandio Barbosa

O Partido Popular (PP) pediu este domingo, 23 de junho, a anulação do concurso de transportes marítimos interilhas, por entender que o mesmo “prejudicou claramente” empresários e armadores nacionais, com “muitas batotas” orquestradas para favorecer a empresa vencedora.

Esta posição foi manifestada pelo presidente do PP, Amândio Barbosa Vicente, após a reunião quinzenal da Direcção Nacional do partido, realizada este domingo para abordar temas da actualidade política nacional e internacional.

Foram destaques desta reunião, disse, os transportes marítimos, a questão da Praça do Palmarejo, o Código de Ética e Conduta da RTC e o caso Justino Lopes, em Santa Cruz.

Aquele dirigente partidário afirmou que, apesar de haver uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para os transportes marítimos, o PP acredita que o recente concurso de transportes interilhas deve ser anulado porque “prejudica claramente” empresários e armadores nacionais, que foram preteridos por conta de “muitas batotas orquestradas” para favorecer a empresa vencedora.

Quanto ao caso do Palmarejo, reafirmou Amândio Barbosa Vicente que o PP vai recorrer ao Supremo Tribunal por não estar de acordo com a última decisão do Tribunal da Relação do Sotavento (TRS), que ordenou a retoma das obras.

No entender do PP o TRS, ao dizer que “o Tribunal da Praia não é competente para julgar este caso”, não entrou no mérito do caso e nem procurou saber como é que foi feito este negócio e o que está por detrás do mesmo.

“Apelamos ao Ministério Público e a Polícia Judiciária que vão atrás dos motivos deste negócio”, acrescentou o presidente deste partido que não tem assento parlamentar, argumentando que ninguém faz a transformação de um espaço público em um espaço privado e não tiver “outros objectivos obscuros por detrás”.

Ainda sobre a Praça do Palmarejo, o PP deixou um alerta ao investidor para o facto de ver a obra a ser demolida, a mando de um tribunal, após ter investido grandes montantes. Isto porque, afirmou, o PP irá esgotar todas as vias, no sentido de conseguir que no espaço seja construído uma praça pública.

Quanto ao Código de Ética e Conduta da Radio de Televisão Cabo-verdiana (RTC), o PP alertou ao Governo para esta situação, porque, entende, que se os jornalistas ficarem manietados por um código ilegal, cuja própria Autoridade Reguladora para a Comunicação Social (ARC) já se manifestou contra, quem irá sofrer é o interesse público de informar.

Já em relação à Unidade Justino Lopes, Amândio Barbosa Vicente referiu que o seu partido não entende que desempenho tem o actual ministro da Agricultura neste campo. Isto porque, completou, Santa Cruz é daqueles lugares “mais ricos” da ilha de Santiago, com potencialidades na agricultura e na pesca, mas que, mesmo assim, a unidade se encontra sem nenhuma dinâmica.

Aquele dirigente criticou ainda o facto de ter surgido um grupo de jovens que, ao verem o terreno abandonado, começaram a cultivar, mas que acabaram por ser expulsos porque o terreno não lhes pertencia.

“No mínimo, achamos que lhes deveria ser concedido um tempo para colherem os seus produtos que ali estão a ser cultivados”, manifestou Amândio Barbosa Vicente, para quem “se o actual ministro da Agricultura fosse um ministro à serio, Santa Cruz, em três anos de governação, deveria ter uma reformatação da agricultura”.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Pedro Sousa 24-06-2019 20:08
Eu tenho acompanhado as posições do PP, inicialmente ela começou a agradar-me, só que hoje não. O PP não pode ser contra tudo, este papel é do PAICV, que se tem mostrado um contra, e ponto final. Aconselho o PP a não ir por esta via, é aliciante a ação do PP para tentar "comer" algum eleitorado do PAI, mas, o PP tem que começar a apresentar soluções e também compreender que certas decisões são importantes, tendo em conta o que o país anda a viver.

Caso Praça Palmarejo:

1. O espaço é e será público. Ninguém vai ser impedido de andar na praça até por que é uma praça.
2. Para o promotor da obra, o desejo é que mais pessoas vão lá andar, por que eles vão construir lá lojas, bares e restaurantes.
3. Tanto no início com trabalho de construção, quando na sua exploração a praça irá ser rentável: mais emprego e mais riqueza produzida. E o Senhor sabe que o país precisa criar empregos.

Como o senhor pode ver, este projeto é bom,em todos os aspetos. Estamos a falar de requalificação se uma praça abandonada há quase 25 anos.
Responder