Pub
Por: Anilton Monteiro de Carvalho

 dipala

Reprodução fiel de uma realidade interpretada e vivenciada por outrem, seguimos visão de outros, acolhemos opções delineadas e não duvidamos; acreditamos que em última instância temos a liberdade de escolher dentre as várias opções: acorde! Quando as opções são dadas, os resultados serão fugazmente forjados. Podemos acordar com mil opções, mas mantemos as mesmas de sempre, porque nos é cômodo, confortável, desnaturalizamos a vida e tornámo-nos máquinas especialistas.

As regras sociais são claras, fugir delas é o mesmo que se desviar de um ciclo vicioso do 'certo'; quem reproduz tem uma vida plena de paz, os duros de espírito são afugentados, apelidados e jamais serão 'normais'.

Temos uma sociedade de iguais, aplaudidos de pé quem souber melhor imitar, onde a diferença é abominação e o familiar isso sim é sinal de sapiência; esquece-se que o sucesso se encontra embutido num diferencial de pensamento á atitude. Pessoas iguais, penteados iguais, corpos iguais; uma sociedade de iguais, comendo iguais, respirando de igual modo e lamentado a mesma má sorte, mas como fazer as mesmas coisas e esperar resultados diferentes?

Há uma tendência exagerada de classificação, de rotulagem: o belo foi substituído agressivamente pelo bonito; o razoável pelo certo. As pessoas correm atrás de uma realidade forjada pelas Mídias, esquecendo delas mesmas. As Mídias criam tendências e modelos e nós os bichos humanos vivemos em função dessa criação e questionamos a felicidade:

...mas como ser feliz, se não existimos, se enterramos o nosso 'eu' e mascaramos vidas alheia?

Ser nós mesmos é uma dura tarefa num mundo habituado a corroborar com esquemas premeditadas, não há espaço decerto para criar, mas há sempre um buraco para desenvolver as nossas aptidões, delinear o nosso destino e quiçá viver uma vida pensada, planeada e executada ao nosso bel prazer: ainda assim vivemos em opções forjadas.

Por acaso será fácil encontrarmos maçã em uma garrafa de óleo? Somos internos de um mesmo box, o que esperar de nós?



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # elsa furtado 09-01-2019 20:12
Bom reparo! Essa ideia de imitação muito aliada ao comodismo é um mal que leva à inércia e ao esquecimento do EU!
Parabéns pelo texto, curto, de fácil leitura, mas de grande profundidade. Abraços
Responder
0 # Anilton Carvalho 10-01-2019 15:49
Obrigado Elsa. Precisamos amar a nos mesmos e acreditar em nós mesmos e nas nossas loucuras, e tentar a criativodade e reproduzir menos
Responder