Pub

Gala Turismo Sal

No mesmo dia que confirma a demissão do director-geral do Turismo, o Governo anuncia, em comunicado, a abertura de um inquérito em relação à 1ª Gala dos Cabo Verde Tourism Awards.

O ministro da economia e Emprego, José Gonçalves, que tem a tutela do Turismo, mandou abrir um inquérito à organização da 1ª Gala Cabo-Verde Tourism Awards, evento que visava premiar os melhores no sector a nível nacional.

De acordo com um comunicado enviado hoje à imprensa pelo Gabinete de Comunicação e Imagem do Governo, o inquérito tem como objecto a forma de contratação da organização do evento e de execução das despesas ordenadas pela director-geral do Turismo e Transportes como objectivo de se “apurar irregularidades e assacar responsabilidades”.

A 1ª Gala Cabo Verde Tourism Awards teve lugar na ilha do Sal, no dia 30 de Setembro, e foi realizada pela Direcção-geral do Turismo em parceria com a Televisão Independente de Cabo Verde (TIVER).

Momentos antes um outro comunicado com a mesma proveniência dava conta do pedido de demissão do director-geral do Turismo e Transportes, Carlos Jorge Anjos, alegando razões de foro pessoal. No mesmo documento, o Governo adiantava que o pedido de Carlos Jorge Anjos foi aceite e que o ministro José Gonçalves já tinha encetado contacto, no país, para o vazio deixado com esta decisão repentina.

Tudo indica que essa demissão está relacionada com a realização dessa Gala e com o inquérito aberto pelo Governo para apurar irregularidades e assacar responsabilidades.

Este diário online avançou que havia informações de que Carlos Jorge dos Anjos terá sido “forçado” a pedir demissão. Isto porque o seu desempenho à frente do Turismo e Transportes estava a ser bastante criticado dentro e fora do Ministério da Economia. E que caiu mal a forma como foi organizada a cerimónia dos prémios aos operadores turísticos, com suspeitas de resultados concertados e predefinidos.

 

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Ciará 10-10-2017 12:35
Cá se faz, cá se paga.
Responder
0 # CHIQUINHO 10-10-2017 09:15
Será que é oportuno este inquérito quando todos sabemos que há graves indícios de corrupção na elaboração dos manuais escolares com a implicação de um familiar do PM. Os técnicos da IGAE estão sendo perseguidos todos os dias quando querem fazer os seus trabalhos, fiscalizando empresas dos amigos do próprio Ministro da Economia. Este Governo tem a Cultura da Humiliação Pública dos quadros caboverdianos, com atitutes arrogantes do “Eu posso e Mando”, com declarações ou comunicados de imprensas bombásticos para pôr naturalmente e simplismente fim às comissões de serviço. Como combater a violência em Cabo Verde se ela nasce das ações diárias dos governantes. A RUA VAI FALAR.
Responder