Pub

tacv

O contrato de compra e venda de 51% de ações da TACV Internacional já foi assinado entre o Governo e Loftleidir Cabo Verde, subsidiária da Loftleidir Icelandic. Tudo confidencial. Ninguém sabe por quanto foi vendido e nem os termos em que tal negócio foi feito. O governo não dá cavaco a ninguém, mas pede que o país festeja com ele. Assim, sem mais nem menos.

Nem os apelos dos partidos da oposição – UCID e PAICV – nem as críticas da sociedade civil tiveram forças suficientes para demover o Governo do seu propósito de esconder os meandros do contrato de compra e venda de 51% da companhia aérea cabo-verdiana - TACV internacional.

Aliás, o secretismo à volta deste negócio despoletou declarações políticas desses dois partidos da oposição durante os trabalhos parlamentares, na manhã desta sexta-feira, 1 de março, cada um se manifestando preocupado com a falta de informações sobre o contrato.

Acredita-se que o Governo esteja movido por razões que o comum dos mortais desconhece, para agir como está a agir. A lei de privatizações em vigor, acusa o PAICV, está sendo violada neste processo. O maior partido da oposição em Cabo Verde entende que o Governo tem o dever legal, institucional e ético de partilhar com os cabo-verdianos as informações essenciais sobre o negócio desta empresa, que constitui um dos maiores ativos estratégicos deste pequeno país arquipelágico.

Neste particular, avisa o partido liderado por Janira Hopffer Almada, a lei impõe inclusive a publicação de uma minuta do contrato no Boletim Oficial, como forma de garantir a transparência que atos desta natureza demandam.

O Governo, porém, teima na sua posição de esconder este negócio da aferição pública. Tanto assim é que, no ato da assinatura do contrato, - ocorrido na tarde desta sexta-feira, 1 de março, na cidade da Praia - à comunicação social foi vedado o acesso aos protagonistas do processo, a saber: o vice-primeiro ministro Olavo Correia, o ministro dos Transportes, José Gonçalves, para colocar questões que poderiam trazer alguma luz à sociedade cabo-verdiana, sobre o destino que se está a dar uma empresa pública estratégica na dinâmica do desenvolvimento do país.

De modo que, o país não conseguiu festejar com o Governo o desfecho do processo de privatização da TACV, como propôs o grupo parlamentar do MpD, partido da maioria, porque não sabe se o que está sobre a mesa é digno de ser festejado.

Entretanto, e apesar do secretismo que o envolve, este negócio está sendo visto como mais transparente do que a venda das linhas domésticas à Binter Cabo Verde. É que desta vez, ao menos, há contrato. Desconhecido sim, mas contrato. No caso do negócio com a Binter nem contrato há, conforme palavras de Ulisses Correia e Silva. Portanto, um negócio confidencial e sem papel.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

-1 # Di Longi 02-03-2019 04:52
Nao quero acreditar naquilo que acabo de ler.. CABOVERDEANAMENTE.
Responder
0 # Bia 02-03-2019 00:48
Por anda o ministério público...esta é uma terra das bananas. Está provado que o mpd não respeita as leis deste país, faz tábua raza a tudo quanto é lei e ainda espera que festejemos com eles.
Responder
0 # Piras 01-03-2019 23:16
Tudo vai para no Boletim Oficial por norma , mas um negócio dessa envergadura não vai parar no Boletim Oficial, pelos menos ali podemos todos tomar conhecimento. É tudo transparente!!!!!!!!!!!!!
Responder