Pub
Por: DRC

Foram dois dias de actividades – 29 e 30 de Janeiro - e 20 municípios participaram. É o regabofe de sempre. Tudo pago. Fazer o quê? É o luxo do poder a falar a sua linguagem natural! Consta que o presidente da Câmara Municipal de São Miguel, Herménio Fernandes, viajou uns dias antes, e deixou o seu BWN fechado, o vereador que o substitui durante as suas ausências que ande a pé, ou nas carroças. Pudera! O luxo é dele e só dele!

Já devem estar de regresso ao país os autarcas cabo-verdianos que se deslocaram a Portugal no dia 28 de Janeiro a fim de participarem nos 35 anos de vida do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), que aconteceu a 29 de Janeiro, data comemorativa do dia do IPB.

Dos 22 municípios cabo-verdianos apenas 2 não responderam sim ao convite do IPB – Santa Cruz e Mosteiros – em que o mote é participar na cerimónia de atribuição da medalha de honra à nação cabo-verdiana, conforme decisão do Conselho Geral do IPB, de 11 de Dezembro de 2017.

Termos em que, o Poder Local cabo-verdiano esteve ausente em Portugal para assistir a este evento, que o IPB decidiu atribuir à nação cabo-verdiana “pela excepcional contribuição para o progresso, bom nome e prestígio internacional do IPB, através de uma ampla colaboração interinstitucional no domínio da formação superior”.

Do programa, constavam as seguintes actividades: dia 28, recepção e alojamento no hotel Tulipa, às 18h, e às 20h jantar no restaurante A Porta.

Dia 29, manhã livre. Às 13h, almoço volante nos Serviços de Acção Social do IPB, e logo a seguir, ou seja, às 14h30mn, cerimónia comemorativa dos 35 anos do IPB, no Teatro Municipal de Bragança. Às 18h, inauguração da exposição Cabo Verde, da pintora Graça Morais, no Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, a que se segue Porto de Honra com jantar volante na sala de actos da Câmara Municipal de Bragança. Para fechar a noite, a partir das 21h30mn, um concerto comemorativo dos 35 anos do IPB, no Teatro Municipal de Bragança.

No dia 30, pelas 10h, reunião com o Presidente do IPB, seguida de reunião com os alunos de cada uma das autarquias representadas, pelas 10h45mn. Uma hora depois, ou seja, às 11h45mn visitas à exposição de arte africana - memórias da escultura mãe/peças africanas de culto, a que se segue uma reunião na Câmara Municipal de Bragança e Almoço.

Assim, termina a missão que fez descolar 20 Câmaras Municipais de Cabo Verde a Portugal.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Porfírio Mendes 02-02-2018 17:11
este instituto politecnico de bragança, é mais um que faz negocios com alunos do terceiro mundo. pode fechar a qualquer momento, porque os portugueses não estudam nessas escolas. se estudam, ficam sem trabalho. mais não digo.
Responder
0 # Palácio do Agês 31-01-2018 19:21
20 autarcas, mais o PM e a sua comitiva, quanto custou ao país, num ano de seca como este? Quantas famílias passam por dificuldades sérias em assegurar os três vezes dia? Que DESONRA para o país? Paciência, sinto vergonha de ser caboverdiano.
É preciso compreender que muitas vezes somos USADOS e, nós, todo babado, vamos lá com o sentimento de honra, quando na verdade estamos a ser usados! Há algumas instituições, como essa de Bragança, que por desertificação do interior de Portugal, vivem situações de penúrias em termos de falta de alunos. Essas, para além de propinas que pagam aos cofres dessas instituições, permitem-nas assegurar fundos da União Europeia. É nessa perspetiva que organizam esses eventos, como o que fazem com o nosso PM, estando cientes de que somos importantes para a sobrevivência deles e nós, tolamente, lá vamos com todos esses DESAJUIZADOS fazer a REGABOFE, fazendo TROÇA dos caboverdianos.
Responder
+1 # Fidju tera 31-01-2018 17:58
E Clemente Garcia levou seu "anjo da guarda" o emigrante Martan, di Txada Santantoni. E alguns desses Presidentes de Kanbra que enganam as menininhas com um vistozinho para estudarem nesses longínquos institutos. E a Embaixada fecha as portas a quem, de facto, precisa desse visto para estudar.
Responder
+1 # dimukrata 31-01-2018 17:43
é kualidadi di pulitikus ki nu akredita na ez e ki nu daz nus votus. Uma tristeza.
Responder
0 # Bino 31-01-2018 17:16
Espero que esses ilustre autarcas foram formar n a melhor forma de enriquecer, Portugal tem melhor escola do mundo sobre a macacolológia e robalogia do mundo nestes dias estamos assistir vários casos de robalogia envolvendo políticos dirigentes de futebol; líder religioso etc
Responder
0 # Marino 31-01-2018 15:55
Assim vai a nossa democracia o povo escolhe e os escolhidos mamam, existe muito regabofes nos municípios agora que estão com mais dinheiro do povo vão participar mais nos regabofes; não há nenhuma infraestruturas estruturantes nos municípios vimos apenas pequenos calcetamentos de ruas; reboques e pinturas de algumas casas; pracetas; e outras coisinhas do tipo; mas temos rios de dinheiro a circular nos cofres dos municípios endividamento descontrolado e regabofes e festivais para todos os gostos; Parabéns aos presidentes das câmaras de Santa Cruz e Mosteiros mostraram que são defensores do povo
Responder
0 # Artur Ribeiro 31-01-2018 14:47
Caboverdeano. É triste a novela dos poderes. Muitos caboverdeanos com gana de por ao lume enquanto os nossos poderosos a esbanjarem. Dois dias do bom e melhor para um grupinho enquanto que muitos nao tem um dia de emprego. Quero saber se custos das deslocações estadias foram da responsabilidade desses politicos pessoalmente ou do dos fundos publicos?
Responder