Pub

 energiaeolica 174

Tecnologias ditas limpas para o fornecimento de electricidade estão "mais dependentes de matérias-primas" do que os sistemas de abastecimento de combustíveis fósseis.

Um relatório do Banco Mundial alerta que a transição na exploração de combustíveis fósseis para energias ‘limpas’, numa tentativa de minimizar o impacto das alterações climáticas, pode vir a causar novos desafios ambientais para a humanidade. O Banco Mundial sustenta que a dependência de matérias-primas por parte das energias renováveis pode causar uma saturação na exploração e extracção de metais e elementos raros da crosta terrestre.

As tecnologias necessárias para o fornecimento de electricidade, através da energia solar e eólica, estão “mais dependentes de matérias-primas” do que os sistemas de abastecimento de combustíveis fósseis, explica o Banco Mundial no relatório. A instituição financeira internacional indica que para dar cumprimento ao Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, os materiais usados, como o lítio, essencial para alimentar as baterias das turbinas eólicas, painéis solares e carros eléctricos, podem vir a pôr em risco, teriam de ser melhor geridos.

“Se não forem geridos correctamente os minerais utilizados pelas energias renováveis para combater o aquecimento global poderemos sofrer um bloqueio face às políticas tomadas sobre o aquecimento global”, afirma Riccardo Puliti, responsável do Banco Mundial pelas pastas da energia e práticas de extracção ao jornal britânico ‘Financial Times’.

Riccardo Puliti vai mais longe e diz mesmo que os Governos deveriam olhar para o desenvolvimento da indústria de utilização de minerais como “um complemento e não um concorrente na luta por um futuro mais verde e sustentável” e focar-se em desenvolver “políticas climáticas e de desenvolvimento sustentável coerentes”.

Com Jornal de Negócios



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar