Pub

 olavvo

O vice-primeiro-ministro de Cabo Verde, Olavo Correia, afirmou esta sexta-feira, 6 de dezembro, que o recorrente pedido de aumento salarial na função pública em 2020 é um “discurso popular” e “perigoso” para o país, que não consegue comportar uma decisão dessas.

“Gostava que as pessoas tivessem mais rendimentos? Sim. Mas para que as pessoas ganhem mais temos de ter mais impostos para pagar. Estamos disponíveis para aumentar os impostos para pagar isto? Vamos pagar mais aumento de massa salarial com recurso a endividamento? Não. Há aqui um equilíbrio que tem de ser gerido”, disse Olavo Correia, perante os parceiros sociais.

A posição foi assumida pelo governante, que é também ministro das Finanças, na reunião da Concertação Social, realizada esta sexta-feira, 6 de dezembro, na Praia, juntando representantes dos trabalhadores, do patronato e do Governo para analisar várias propostas governamentais com reformas, nomeadamente na administração pública.

Em causa está a proposta de lei do Orçamento do Estado para 2020, que não contempla qualquer aumento salarial na função pública, depois dos 2,2% aplicados em 2019, ano em que o país regista uma inflação de 1,9%.

“Nós, independentemente daquilo que é a nossa preocupação particular, somos líderes e temos um país para gerir. Não podemos olhar apenas para uma variável e fazer um discurso apenas com base nisso. Por isso é que nós somos líderes e outros são trabalhadores e funcionários”, disse, conforme intervenção em vídeo divulgada no final da reunião (à porta fechada) pelo gabinete de Olavo Correia.

O vice-primeiro-ministro insiste que, nesta fase, defender aumentos salariais é um “discurso perigoso para o futuro de Cabo Verde”: “Qualquer desequilíbrio orçamental, nas finanças públicas, quem primeiro vai pagar com isso são os trabalhadores: aumento da inflação, incapacidade do Estado em pagar os salários atempadamente, etc.”.

Ainda assim, assegurou que o Governo está a “reformar o quadro remuneratório na administração pública” cabo-verdiana e que nos últimos três anos as despesas com a função pública aumentaram em mais de 5.000 milhões de escudos (45,1 milhões de euros), “sem qualquer derrapagem orçamental”.

“Um aumento de quase 40% da massa salarial na administração pública”, afirmou, justificando esse crescimento com a realização de promoções, reclassificações, reenquadramentos, aumentos salariais e novos recrutamentos.

“Tudo isso com impacto no aumento salarial. Isto é histórico para aqueles que estão a trabalhar na esfera pública”, enfatizou.

Com Lusa

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Mario 08-12-2019 21:11
Baixar as despesas de viagens e estadia , neste momento estão todos no Senegal
Responder
+2 # Manuel Pedro Fortes 07-12-2019 17:15
Não tem nada que preste neste desgoverno fútil e incompetente, patético, vingativo, irresponsável. Não vê que está aumentando a pobreza no país, a níveis nunca visto?

Se este palhaço fosse preso pelas mentiras que fala, já estava em prisão perpétua.

Até quando vamos ter que conviver com essa espécie de governo? Esse aí e sua turma já passaram todas as expectativas negativas e vergonhosas que um país pode ver e conviver.

Mais vergonhoso ainda é o gado da função pública passando fome, porque gosta mesmo de levar no rabo. Há muito tempo que devíamos ter posto uma basta nisso!

Nova política velha, mas essa é feita especialmente para massacrar o trabalhador. Enganou muita gente e está aí gozando com a cara dos funcionários públicos, a maioria deles arrependidos de terem votado pela mudança do sistema. Nós já avisamos: pusemos e vamos tirar de novo! Palavra de mnin d’soncent!

Desde quando pedir aumento salarial na função é perigoso, senhor Ministro? Perigoso para quem? Para a vossa família real terem mais e mais? Melhores comidas, melhores escolas, segurança, saúde, proteção? Muito bom isso. Parabéns!

Eu não tenho vergonha de confessar que vivo em situação de penúria. Há 15 anos que recebo o mesmo vencimento (de um quadro médio), sem progressão, nem promoção. Não vou falar, digo, escrever, das despesas que tenho com 3 filhos (1 na universidade e 2 no chamado ensino secundário). Não falo, digo, não escrevo quanto a despesas domésticas do dia-a-dia, para a sobrevivência. Não sou dado a bebidas alcoólicas, pratico ginástica de manutenção física, mas ultimamente diagnosticado com hipertensão, fruto deste viver apreensivo, mas sempre de cara levantada.

Passar bem, senhor Ministro!

Manel de Pirique
Responder
0 # toto 08-12-2019 16:25
Tem muito funcionário publico que fica abusar da posição como todos esses inferiores hierárquicos do ministro e outros que ficam calados ante as arbitrariedades . O Sr Manuel Pedro Fortes faz bem em desabafar na mídia pq terá solidariedade .
Responder
+8 # Lurdes 07-12-2019 02:21
Porque não reduzir as gorduras do estado? Porque não reduzir as ajudas de custo e passeatas? Porque não reduzir as conferencias? Os work shops? Festivais? Porque não reduzir os benesse dos politicos? Como sejam a vergonha do subsidio de reentegracao, as passeatas para o exterior? Porque não diminuir as frotas de viaturas do estado? Mas alguém compreende que um país a crescer a 6% e ter dinheiro que nunca acaba e não ter disponibilidade de aumentar o salário de miséria que se pratica na administração publica?
Responder
+2 # toto 07-12-2019 20:58
excelente comentário .
Responder