Pub

cidadela

O Tribunal da Praia decretou prisão preventiva para três dos quatro militares detidos na terça-feira a assaltar uma casa, tal como uma mulher que se fazia passar por empregada doméstica, informou ontem, dia 15, fonte policial.

Os três soldados vão ficar presos na cadeia militar, enquanto o quatro elemento, que ficara de vigia, vai aguardar o desenrolar do processo sob Termo de Identidade e Residência (TIR).

Uma mulher que terá passado por empregada doméstica e ajudado os militares a entrar na casa também foi detida e vai aguardar o desenrolar do processo em prisão preventiva na cadeia civil da Praia.

A Polícia Nacional (PN) de Cabo Verde informou na quarta-feira que deteve uma quadrilha em flagrante delito por assalto à mão armada a uma residência no bairro da Cidadela, na cidade da Praia, ilha de Santiago.

A mesma fonte avançou que a quadrilha estava armada e encapuzada, tendo amarrado os donos da residência.

"No entanto, através de uma denúncia anónima, a Esquadra de Piquete foi alertada e agiu com extrema rapidez, tendo impedido que o assalto acontecesse", prosseguiu a PN.

A polícia cabo-verdiana informou que na posse dos assaltantes apreendeu uma quantia considerável em dinheiro, joias, telemóveis e computadores.

As autoridades apreenderam ainda duas armas de fogo de fabrico artesanal, munições, punhais, luvas, gás pimenta e droga.

Na quarta-feira, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (CEMFA) cabo-verdianas, Anildo Morais, disse que o caso "mancha a imagem" da instituição e vai ser instaurado um processo disciplinar aos militares.

Anildo Morais indicou que os assaltantes são soldados da última incorporação na tropa cabo-verdiana e que praticaram o crime no seu período de folga, mas não utilizaram qualquer material militar.

O CEMFA explicou ainda que os soldados serão julgados por um tribunal civil, porque não se trata de um crime militar.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar