Pub

Inoweze Dias Ferreira Diretor Geral da UNITEL T

O director-geral da Unitel T+ defendeu esta sexta-feira, 17 de maio, a necessidade de se apostar na conectividade e acessibilidade para desenvolver a Sociedade da Informação (SI), e garantiu que a empresa quer alavancar projetos que promovam a inclusão digital no país.

Inowese Ferreira fez estas considerações em entrevista à Inforpress, a propósito do Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade de Informação, que se assinala esta sexta-feira, 17, sob o lema “Preenchendo as lacunas de padronização”.

Para este responsável, a Sociedade da Informação constitui um “grande desafio” para a construção de uma sociedade de conhecimento e informação e representa uma oportunidade para promover um “salto qualitativo” no plano da educação e formação dos cidadãos.

As Tecnologias de Informação e Comunicação, segundo o director-geral da Unitel T +, são reconhecidas como um dos motores do desenvolvimento económico e social das sociedades modernas, frisando, no entanto, que as tecnologias, por si só, não transformam as sociedades.

Reconheceu, neste quadro, os avanços de Cabo Verde que há vários anos tem vindo a realizar uma “aposta contínua e estruturada” no desenvolvimento da Sociedade da Informação, indicando, que a elaboração do Programa Estratégico para a Sociedade da Informação (PESI) representou o culminar de um conjunto de ações que sistematizou a estratégia do país nessa matéria.

No mercado cabo-verdiano há 10 anos, a Unitel T+, de acordo com Inowese Ferreira, tem crescido e trazido valores para a sociedade cabo-verdiana nestes últimos anos, com uma aposta forte nos segmentos de serviço móvel, voip e internet e investimentos na infraestrutura da empresa e rede de revendedores dos serviços.

“Sempre procuramos chegar primeiro a todas as ilhas e oferecer serviços móveis em primeira mão. Naturalmente, encontramos em todas elas desafios que se colocam às operadoras. A empresa tem gerado empregos diretos e indiretos e tem contribuído, também, para o aprimoramento da formação de quadros cabo-verdianos na área das telecomunicações e áreas afins”, afirmou.

Com o intuito de contribuir na melhoria da qualidade das telecomunicações e das novas tecnologias de informação, prosseguiu, a empresa tem desenvolvido vários projectos, destacando, neste sentido, o lançamento do projecto “Ilhas Digitais”, a ser realizado brevemente com vista a garantir a promoção da inclusão digital em Cabo Verde.

“A Unitel T+ tem um projecto que os pode ligar através das tecnologias criando assim o conceito de Smart Islands que tem por objectivo tornar as ilhas mais inteligentes. Estamos muito comprometidos com a implementação deste projecto em Cabo Verde que vai culminar com o lançamento da quarta geração de tecnologia- 4G”, realçou.

Defendeu, por outro lado, a necessidade de se apostar cada vez mais na conetividade e acessibilidade para o processo de transformação da sociedade cabo-verdiana, ajuntando que a operadora está comprometida em contribuir na melhoria das condições de vida dos cabo-verdianos e do desenvolvimento económico do país.

“A Unitel T+, comprometida com os cabo-verdianos, já realizou cerca de 75% do comprometido para com a Sociedade de Informação, o que ronda um investimento de 500 Mil contos cabo-verdianos”, asseverou, lembrando que os 5% do PIB em Cabo Verde advém do sector das telecomunicações, no qual a Unitel T+ contribui com 30%.

O Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade de Informação, foi criado pela União Internacional das Telecomunicações (UIT), a 17 de Maio de 1865. Porém, em 2005 a Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu, ‘adicionar’ o Dia da Sociedade da Informação, também conhecido como o dia da Internet.

Trata-se, pois, de uma ocasião para estimular os países membros da UIT aos grandes reptos das comunicações a nível mundial.

O Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação tem como objectivo chamar atenção para as mudanças que ocorreram na sociedade e nas outras formas de telecomunicação, com a chegada da internet.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar