Pub

Luís Silva 768x426

O deputado do MpD, Luís Carlos Silva, afirma que a questão do Fundo do Ambiente está na origem do confronto físico entre os deputados Emanuel Barbosa e Moisés Borges, ocorrido esta manhã na Assembleia Nacional. Borges conta outra versão.

Luís Carlos Silva, que prestou esclarecimentos à imprensa, fia que foi o deputado do PAICV, Moisés Borges, quem agrediu Emanuel Barbosa, num acto que considerou ser “covarde”.

“Isso vem na sequência de várias denúncias que o deputado Emanuel Barbosa vem efectuando e também na sequência de ameaças que foram efectuadas e que Emanuel Barbosa denunciou na plenária”, disse, sublinhado que o que está na origem desta alegada agressão são “actos ilegais praticados no mandato anterior pelo PAICV, nomeadamente a questão do Fundo de Ambiente”.

Isa Costa, deputada do MpD para o círculo eleitoral de São Domingos, disse à imprensa que não estava directamente envolvida no confronto e que apenas testemunhou o ocorrido quando saía do seu gabinete.

Informou ainda que não houve qualquer discussão ou briga entre o deputado Moisés Borges e Emanuel Barbosa, mas apenas “agressão por parte do deputado Moisés Borges” para com Emanuel Barbosa.

“Foi traição, porque Emanuel estava de costas e quando vi Moisés a aproximar-se do Emanuel com um objecto, gritei ao Emanuel e quando este virou a cara foi agredido com um objecto na testa”, relatou, acrescentando que não sabe que objecto atingiu a cabeça do seu colega de partido.

Questionada sobre o que poderá ter provocado essa alegada agressão por parte do deputado Moisés Borges, esta disse que Moisés tem vindo “a ameaçar” as pessoas durante as sessões da Assembleia Nacional.

Ao Santiago Magazine, Moisés Borges apresentou outra vcersão dos acontecimentos de hoje. Segundo ele, foi Emanuel Barbosa quem o atacou primeiro, pelo que se limitou a reagir. "Encontrámo-nos na escada, ele a descer e eu a subir. Do nada, atirou-se a mim e reagi de imediato, como qualquer homem no meu lugar faria em sua legítima defesa. Não usei nenhum objecto como se diz por aí, ele feriu-se provavelmente na queda depois do soco que lhe dei na cara", afirma Borges.

Santiago Magazine está a tentar desde manhã estabelecer contacto com Emanuel Barbosa para dizer da sua justiça e contar a sua versão dos facto, mas até agora tem sido impossível. 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Fantonnelli Mariah 12-11-2018 12:24
Feio e muito feio o que aconteceu, mas nada de estranhar, se levarmos em conta o extremar das intervenções desses de[censurado]dos nas sessões anteriores. Importa agora saber quem é o principal culpado. Se foi de facto uma briga, ou uma agressão. O que é certo, após a noticia na televisão, pode-se constatar que as versões da bancada do PAICV e do de[censurado]do Moisés Borges não batem. Se não vejamos: a bancada do PAICV condenou e demarcou da violência em todas as suas linhas e disse que contactou o colega Moisés Borges e este disse que foi empurrado pelo de[censurado]do Emanuel Barbosa. Já o de[censurado]do Moisés Borges justificou o ocorrido como sendo uma defesa legítima, na medida em que ao cruzar-se com o de[censurado]do Emanuel Barbosa, este colocou as pertenças que trazia e dirigiu para ele com posição de briga com punhos serrados.
Não pretendo com esta minha conclusão fazer o papel de advogado do diabo mas, a versão da bancada do PAICV e do de[censurado]do Moisés Borges não batem.
De qualquer das formas, por mais que as pessoas querem acusar o de[censurado]do Emanuel Barbosa de estar a falar de mais, ele está a fazer o seu papel de de[censurado]do. Se a acusação matasse, o Dr Gualberto de Rosário já teria sido sepultado há muito tempo. Um bom de[censurado]do deve possuir ou arranjar estofo para aguentar as acusações das outras bancadas sem chegar a vias de facto. O caso Fundo de Ambiente encontra-se nas instâncias judiciais e todos esperamos ansiosamente para o desfecho do caso, sem agressões físicas porque, este assunto ainda vai dar muito que falar.
Responder
0 # Terralonge 11-11-2018 13:46
Não. Não é o fundo do ambiente, mas sim a forma agressiva e violenta como o Emanuel anda a agir no Parlamento. Por favor, vejam a coisa como ela é porque, caso contrário, não vão aconselhá-lo a mudar a atitude. E não é somente ele. Fiquem atentos aos discursos de mais alguns. A política faz-se com elevação e amor, porque é por amor ao bem-servir que se deve fazer a política. Não há razão para aqueles discursos com laivos de ódio, revanchismo e violência.
Responder
0 # Cecilio Cabral 11-11-2018 09:07
“Quatro coisas caracterizam todo o juiz digno desse nome: ouvir com cortesia, responder com sabedoria, ponderar com sobriedade e decidir com imparcialidade”.
SOCRATES
Responder
0 # biadeluxuxa 11-11-2018 00:41
Kala boka ta fikou midjor palhasso.
Responder
0 # Carlos Dias 09-11-2018 15:53
Ainda não foi ouvido nenhum de[censurado]do do PAICV.
Responder
0 # Cristiano mendes 09-11-2018 14:57
A sra. De[censurado]da Isa Costa,nesta briga em que se envoveu o Sr. De[censurado]do Emanuel Barbosa, não devia ser chamada a testemunhar, pq o seu depoimento nunca seria isento de sentimentos de profunda amizade para com o seu par.
Responder
+1 # O quê?! 09-11-2018 14:13
MAS, NÃO É O MPD QUE ESTÁ A GOVERNAR? POR QUE AINDA NÃO FORAM TOMADAS MEDIDAS COM O FUNDO DE AMBIENTE? É nessa hora que dá aquela vontade de mandar todos os de[censurado]dos e depitadas para P.K.P.! O caraças, pá!
Responder