Pub

incendio santo antao

O ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva admitiu que a floresta do Planalto Leste, devastada pelo incêndio de grandes dimensões na sexta-feira, levará mais de cinco anos de trabalho para a sua recuperação.

A mais recente avaliação aponta para uma área ardida de 200 hectares, equivalente a 200 campos de futebol, o que representa “um grande estrago” que levará mais de cinco anos a ser recuperado, declarou o ministro da Agricultura e Ambiente, no arranque de uma visita de quatro dias a Santo Antão.

“Estamos a falar de 200 hectares, que representam 13% de toda a área florestal. Vamos levar mais de cinco anos de trabalho para a recuperação desta floresta”, notou o governante, para quem, além de replantação, será necessário ainda recuperar os dispositivos anti-erosivos danificados pelas chamas, o que representa “recursos financeiros avultados”.

Ainda do ponto vista ambiental, o Ministério da Agricultura e Ambiente vai trabalhar no sentido de recuperar as 25 espécies de plantas endémicas destruídas pelo incêndio, cujas causas vão ser apuradas pelas autoridades competentes, avançou.

“É preciso apurar bem as causas do incêndio que deflagrou em várias frentes”, adiantou Gilberto Silva que, nesta primeira visita, se faz acompanhar do ministro da Administração Interna, Paulo Rocha.

Para Paulo Rocha, se trata de uma primeira visita para conhecer o impacto do incêndio, conhecer a extensão dos danos e definir as respostas, inteirar-se do trabalho que se está a ser feito na fase pós-rescaldo, mas também mostrar a solidariedade do Governo para com Santo Antão.

O incêndio destrui ainda as canalizações feitas no âmbito do projecto e abastecimento de água ao Planalto Leste, estando os técnicos a avaliarem a situação para propor medidas, segundo os governantes.

O perímetro florestal do Planalto Leste tem uma área estimada em 200 mil hectares.

Com Inforpress

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar