Pub
Por: Redacção

edvanea

A Polícia Judiciária afirma que as ossadas encontradas em Janeiro deste ao em Ponta Bicuda, Achada Grande Trás, pertencem, afinal, a Edvanea Gonçalves, a menina de 10 anos que desaparecera da casa dos pais em Eugénio Lima, desde o dia 14 de Novembro do ano passado. Antes, a própria PJ rejeitara essa possibilidade.

“Na sequência de investigações desencadeadas pela equipa conjunta criada pela Procuradoria Geral da República, visando o esclarecimento dos casos de desaparecimentos de pessoas ocorridas, num passado recente, na cidade da Praia, a Polícia Judiciária comunica aos órgãos de comunicação social, e ao público em geral, que as ossadas encontradas no passado dia 18 de janeiro, na localidade de Ponta Bicuda, em Achada Grande Trás, pertencem à menor Edvânea Gonçalves, desaparecida a 14 de novembro de 2017, no bairro de Eugénio Lima, na cidade da Praia”, diz a Polícia Judiciária num comunicado divulgado esta manhã.

A PJ explica que “após submeter o material extraído das ossadas encontrada aos exames de DNA, após comparação com material genético dos progenitores dos desaparecidos até a data da descoberta das ossadas (Edine Soares, Maurício Soares e Edvânea Gonçalves), estes apresentaram uma probabilidade de 99,9999 por centos (%) de chances de pertencerem a menor Edvânea Gonçalves”.

E por esse motivo, a polícia científica afirma estar perante um caso de homicídio, pelo que já direcionou as investigações nesse sentido, a fim de descobrir o autor e as motivações por detrás desse infanticídio. Os outros desaparecidos continuam a ser investigados.

cadaver

Note-se que em Janeiro deste ano, quando um grupo de pescadores encontrou ossos humanos debaixo dum arbusto em Ponta Bicuda, Achada Grande Trás, a primeira informação de testemunhas era de que se tratava de uma criança do sexo feminino (devido ao traje, embora o estado de decomposição não ajudasse na identificação), mas a PJ foi logo descartando essa possibilidade tendo na altura emitido um comunicado a dizer que essas ossadas pertenciam a mulher adulta. Seis meses depois, e depois de testes de ADN, a polícia científica admite que o esqueleto é de Edvânea Gonçalves. E que ela foi assassinada.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Robin 14-07-2018 18:04
Uma dor muito grande. Peco ao ministro Paulo Rocha que tenha isto em primeiro plano da sua agenda em vez da perseguicao a elementos da policia.
Responder
0 # Sócrates de Santiago 13-07-2018 17:41
Trágico e muito trágico! Isto é que deveria ser motivo de preocupação do Governo e do Senhor Paulo Rocha, em particular, em vez de estar por aí a perseguir os polícias. À família enlutada, mais uma vez, os meus pêsames.
Responder