Pub
Por: Redacção

monica1

Acaba de falecer no hospital da Praia a jovem Mónica que ontem, sábado, foi incendiada pelo namorado, que também ateou fogo a si mesmo e morreu carbonizado.

Mónica tinha sido resgatada pelos bombeiros ainda com vida e chegou a ser dada como morta depois de chegar ao hospital. Voltou a reagir, mas manteve-se em estado muito crítico por causa da gravidade das queimaduras que lhe cobria todo o corpo e rosto, que particamente a desfigurou. 

Infelizmente, a jovem não conseguiu aguentar os ferimentos e morreu. Como Santiago Magazine relatou em primeira mão, trata-se de um caso de ciúmes com mais um final trágico. Aconteceu ontem na estrada que vai a Veneza (localidade do concelho de São Domingos, que fica depois do estádio nacional), onde um homem conhecido por Jorge, condutor de um camião-tanque da Firma Correia, despejou gasolina sobre si e sobre a namorada, Mónica, também funcionária da mesma empresa, e depois ateou fogo a ambos ainda dentro da viatura de trabalho. Foram pessoas que trabalham na horta da Firma Correia, em Veneza, que viram de longe o camião a pegar fogo e chamaram os bombeiros, sem saber do que se tratava.

Chegados ao local, conseguiram socorrer Mónica, que, segundo um dos bombeiros que a levou ao hospital, ainda teve forças para contar o que sucedeu. A jovem chegou a ser dada como morta, recuperou os sinais vitais mas acabou por falecer esta manhã no hospital central da Praia. O homem morreu ainda dentro do carro, completamente carbonizado e desfeito. Os dois namoravam há algum tempo. A Mónica deixa uma filha, com dois anos de idade, fruto de uma outra relação .



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Robin 14-07-2018 18:13
Atencao a todas as mulheres: Voces tem que ter muito cuidado com quem namoram. Ha muitos psicopatas e monstros por aqui.
Responder
+1 # Aldina 01-07-2018 12:51
Infelizmente no espaço de menos 24h perdeu-se duas mulheres(uma no Sal e outra na Praia) por causa de dois homens ignorantes, incompreenssiveis, sem capacidade de diálago.
Infelizmente a nossa sociedade tem tido grandes perdas devido a falta de compreenção e de diálogo entre os homens.
Imagina a trauma que o menor, que assistiu a morte da mãe cá no Sal, irá carregar para o resto da vida.
Paz às vossas almas e um abraço de conforto aos familiares.
Responder
+2 # Perverso Fortes 04-07-2018 10:54
Embora nada justifica a violencia, mas as mulheres de cabo verde estão sem valores, todas interesseiras, adulteras, gananciosas e de vida fácil. é preciso os homens também aprenderem a não respeitar estas mulheres e ter a própria vida e não ligar para os cornos.
Responder