Pub
Por: Redacção

EHTCV 800x444

As escolas de formação profissional vão passar a leccionar uma disciplina denominada "Igualdade do Género". Um Memorando de Entendimento nesse sentido vai ser assinado esta sexta-feira, 15, entre o Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e a Equidade de Género, (ICIEG) e cinco instituições ligadas à formação profissional e ao combate contra as desigualdades de género no país.

Neste momento, segundo uma nota do ICIEG, já aceitaram este desafio de incluir uma disciplina de Igualdade do Género durante os cursos, o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), o Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI), a Escola de Hotelaria e Turismo, a ONU MULHERES e o Centro de Investigação em Género e Família.

Esta parceria técnica tem ainda o apoio da Cooperação Luxemburguesa, que também apoia a causa do ICIEG no combate às desigualdades de género no país.

Doravante, além de palestras e campanhas de sensibilização, o tema Igualdade de Género passará a ser leccionado nos cursos de Formação Profissional do IEFP, CERMI e a Escola de Hotelaria e Turismo.

A Assinatura do Memorando de Entendimento entre o ICIEG e mais cinco instituições acontece esta sexta-feira, 15, no Auditório do Instituto de Emprego e Formação Profissional da Praia, e será testemunhada pelo Secretário de Estado Adjunto para a Inovação e Formação Profissional, Pedro Lopes.

Este acordo, segundo o ICIEG, faz parte do Plano Nacional de Igualdade 2015-2018, que prevê a necessidade de se fazer a transversalização do género com o intuito de se ter maior integração da igualdade de género nas práticas educativas nos vários níveis de ensino. Além disso, o Memorando de Entendimento está também inserido na Estratégia setorial do Programa Emprego e Empregabilidade financiado e promovido pela Cooperação Luxemburguesa.

A pesquisa que resultou no documento Estratégia de Igualdade de Género no Sector da Educação, Formação e Emprego será também socializada durante a cerimónia.

“O MdE tem o foco na questão da empregabilidade e inserção profissional das mulheres e meninas visa reforçar a cooperação, a colaboração e parceria entre as partes criando maior complementaridade entre as ações dessas organizações com o intuito de também aumentar a autonomia financeira das mulheres e meninas. Na efetivação deste acordo vai-se trabalhar para: Reforçar as capacidades dos atores da formação profissional em matéria de igualdade de género; Desenvolver ferramentas para a integração do género na formação profissional, que sejam adaptadas à realidade de Cabo Verde; Elaboração do Manual de apoio aos formadores e do Manual curricular”, explica o ICIEG.

A instituição dirigida por Rosana Almeida lembra ainda que a formação profissional tem um peso importante na qualificação e empoderamento dos jovens e adultos no país, com os dados de 2014 a afirmar que cerca de 70% dos formandos estavam empregados. “Dados de 2016 (último inquérito) sobre o emprego diz-nos que entre os jovens, a faixa etária entre 20-24 anos regista uma taxa de desemprego de 38,1% (28,2% em 2015) enquanto a faixa dos 25-29 anos atinge os 19,3% (17,5% em 2015). O aumento do desemprego é mais expressivo entre as mulheres (de 11,2% para 17,4%) e nos meios urbanos (14,2% para 16,9%)”, completa.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar