Pub
Por: Redacção

belita 1

O Ministério Público deteve uma mulher, de 42 anos, por suspeitas de furto qualificado e falsificações no âmbito da investigação à gestão do Fundo do Ambiente. Até este momento dezenas de associações beneficiadas já foram ouvidas e ainda há mais a prestar depoimento, com destaque para as câmaras municipais.

"No âmbito da investigação de alegadas ilegalidades cometidas na gestão do Fundo Nacional do Ambiente (...) o Ministério Público ordenou a detenção, fora de flagrante delito, de um indivíduo identificado, do sexo feminino, de 42 anos de idade, residente no concelho do Tarrafal e presidente de uma das associações beneficiárias do financiamento do referido fundo", adianta, em comunicado, a Procuradoria-Geral da República.

A mulher, de nome Edna Barreto, e que também é influente elemento do PAICV no concelho do Tarrafal, está acusada de factos suscetíveis de "integrarem a prática dos crimes de furto qualificado e falsificações".

Entretanto, o seu actual advogado de defesa José Manuel Andrade – antes era Gilson Cardoso que, depois de pedir o adiamento da audição por duas vezes, falhou novamente esta última em que a sua constituinte acabaria detida, por impedimento, já que ficou retido em São Vicente à espera de um voo para Praia – garantiu ao Santiago Magazine que o MP pediu “a detenção de Edna Barreto para acautelar a conservação de provas”, tendo o causídico argumentado que há outras formas menos duras de garantir a preservação dessas provas.

O juiz acabou então por aplicar como medida de coação o termo de identidade e residência, apresentação periódica às autoridades, interdição de saída do país e proibição de contacto com as testemunhas.

Além de Edna Barreto, que preside uma associação no Tarrafal de Santiago beneficiada com as verbas do polémico Fundo do Ambiente, dezenas de outras organizações da sociedade civil por todo o país que receberam dinheiro do FA estão também sob investigação, tendo o Ministério Público já ouvido grande parte delas. Também envolvidas no processo estão as Câmaras Municipais, entidades públicas que chegaram a receber dinheiro do Fundo do Ambiente, pelo que terão também de justificar a sua aplicação. De acordo com o MP, a investigação "encontra-se em fase bastante avançada" e em "segredo de justiça".

A Procuradoria-Geral da República tinha estabelecido 31 de maio "como prazo limite para a realização das diligências processuais que estão ainda por executar", considerando a possibilidade de prorrogação do prazo, "apenas por razões excecionais e devidamente fundamentadas".

Na mesma altura, o Ministério Público estipulou a data de 04 de junho para a apresentação de um novo relatório sobre a investigação "onde deve constar a informação sobre a evolução e o resultado das investigações" bem como "a indicação do prazo necessário para a elaboração do despacho de encerramento da instrução".

Recorde-se que o processo sobre o Fundo do Ambiente foi despoletado ainda durante a governação do PAICV, tendo como pano de fundo acusações sobre eventuais desvios de recursos financeiros, financiamentos indevidos, entre outros actos lesivos ao interesse público.

Corria o ano de 2015, quando o presidente da Associação Nacional dos Municípios de Cabo Verde, Manuel de Pina, entrou com uma acção judicial sobre a gestão do fundo do ambiente. Na ocasião, aquele responsável máximo da ANMCV garantiu, à saída da Procuradoria Geral da República, que o fundo estava a ser desviado e que isto era um caso de corrupção.

Pina chegou a acusar directamente o então ministro do Ambiente, Antero Veiga, de estar “unilateralmente a fazer uma gestão danosa, vergonhosa e promíscua e com total falta de transparência na gestão deste fundo".

Desde então, o processo encontra-se na alçada da justiça. Em Janeiro deste ano, o Ministério Público pede o levantamento da imunidade parlamentar do também deputado do PAICV, José Maria Veiga (Zé Black), para depor como testemunho no processo, e o parlamento aceita. É a primeira vez na que um deputado vê a sua imundidade parlamentar levantada em Cabo Verde.

E no dia 15 de Março deste ano, a PJ, munida de um mandato de busca emitido pelo 3º Juízo Crime do Tribunal da Comarca da Praia, efectuou buscas à casa de Moisés Borges, ex-director do FA e actual deputado do PAICV por Santiago Norte. 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # calisse 08-06-2018 10:34
Acho bom e oportuno investigar logo que hajam suspeitas de que as coisas nao vao bem. Mas por favor investiguem e façam um trabalho justo do principio ao fim e com consequencias publicadas. Investiguem a Cruz Vermelha de Cabo9 Verde.é Investiguem por favor a gerência do antigo Presidente desta Instituiçao que terminou o mandato hà bem pouco tempo. Investiguem o Màrio Luis. O povo agradeceria muito!!!!!
Responder
+1 # Matide 07-06-2018 23:56
Ainda ha muita coisa por investigar
Foram investigados as Associaçoes Camara Municipais falta so functionarios da DNA e ONGs
Responder
+3 # Cecilio Cabral 07-06-2018 22:42
A
Redaccao
Meus cumprimentos.
Nao e verdade que "É a primeira vez na que um de[censurado]do vê a sua imundidade parlamentar levantada em Cabo Verde". A primeira vez que um de[censurado]do ve a sua imunidade parlamentar levantada em Cabo Verde fora na metade dos anos 90 em que o de[censurado]do por incrivel que pareca tambem do PAICV Julio Correia escrevera artigo "Supremo e Super" aquando da prisao do tenete Coronel Carlos Andrade...
Responder
0 # Cecilio Cabral 07-06-2018 22:52
A
Redaccao
Meus cumprimentos.
Nao e verdade que "É a primeira vez na que um de[censurado]do vê a sua imundidade parlamentar levantada em Cabo Verde". A primeira vez que um de[censurado]do ve a sua imunidade parlamentar levantada em Cabo Verde fora na metade dos anos 90 em que o de[censurado]do por incrivel que pareca tambem do PAICV Julio Correia escrevera artigo "Supremo e Super" aquando da prisao do tenente Coronel Carlos Andrade...
Responder
0 # Antônio 07-06-2018 21:24
O PAICV borrou-se todo. Como é que aparece o Vice-presidente Rui Semedo, a mando da Janira a escoltar a Presidente da Associação comunitária do Tarrafal ? Por acaso o Partido tem algo a ver com as suspeitas de desvio de dinheiro público ? Porque esse nervosismo ?
Responder
0 # Manuel Miranda 07-06-2018 20:50
Um bom sinal. Quem nāo deve, nāo teme. Atė prova em contrario, prevalece a inocencia.
Responder
0 # John Imbembi 07-06-2018 18:42
Já quanto ao de[censurado]do Moisés Borges não me repugnava nada que colocassem a foto dele, por ser de[censurado]do da nação e desde logo figura pública de grande relevância, que recebe compensação do Estado para ver seu nome e sua imagem nos jornais.
Responder
0 # John Imbembi 07-06-2018 18:39
Bem, meus caros amigos jornalistas, esta de colocar fotografias de pessoas suspeitas de crime não me agrada, porque viola o princípio de de dignidade da pessoa humana numa das suas dimensões que é a presunção de inocência. Isto só se admite quando determinada pessoa seja uma figura pública. Ka nhos atcxa mal, ok?
Responder
0 # Djonsinho 08-06-2018 13:35
Figura públika twn ki kompatua ku sê statuto, por isso ê ka dibi furta. Pa poi kara di td envolventis na jornais e na ekran di TV.
Fundo fou dustribuido so pa kamaradas , por más inkrivel quu parexa, pa diputdus di naxon, moda kel maneta la di Brasil di Txada Santantini(Papachinho), Ferbandi di Maio, e otus dirigentis di Associaxon kamaradas.
Pa obis tudo, pa toma bens adkiridos ilegalmenti
Responder