Pub

Ulisses Correia e Silva

Ulisses Correia e Silva garantiu hoje, 6, que os manuais de matemática vão ser retirados do mercado. Posição que contradiz a da ministra da Educação que ainda ontem reconfirmava ao país que esses livros escolares iriam continuar, com a inclusão de erratas.

 

Afinal, o Governo decidiu recuar e mandar retirar do mercado os polémicos manuais de matemática com erros. A medida foi anunciada esta manhã, sexta-feira, 6, pelo primeiro-ministro durante uma visita ao Centro Educativo Miraflores, na Praia.

"O governo já tomou a iniciativa de fazer a reimpressão, tendo em conta que os erros já estão corrigidos", garantiu Ulisses Correia e Silva, acrescentando que “novos manuais vão ser disponibilizados para substituir” os actuais, sem que isso acarrete “encargos para aqueles que já adquiriram" os contestados livros escolares deste ano lectivo.

Segundo o chefe do Governo, a troca dos livros “será feita nos próximos meses, é uma questão de lançar o concurso”. "É fundamental que o projecto do novo programa educativo continue e esta alteração no sistema de ensino e aprendizagem de matemática é para tornar a disciplina mais apelativa, mais fácil e mais eficaz”, esclareceu, adiantando que os manuais vão ser reimpressos, mas levando em consideração as correcções efectuadas.

Este recuo do Executivo, que havia recusado retirar os manuais do mercado - Ulisses Correia e Silva chegou a desdramatizar o caso acusando o críticos de estarem a servir interesses "meramente politiqueiras" -, acaba por desautorizar a própria ministra da Educação, que ainda ontem à noite, durante o Jornal da TCV, onde esteve em directo, reafirmava a manutenção dos livros, tendo reforçado que essa seria a melhor solução. Incluive, Maritza Rosabal anunciou um acordo com a operadoras Unitel T+ e CVTelecom para facultarem via internet a versão corrigida dos manuais.

A governante também referira que estavam já prontas erratas para os manuais e que as mesmas eram destinadas aos professores. A continuidade de Maritza Roabal no Governo estará, nesta altura, por um fio.

Curioso é que este anúncio de retirada dos manuais acontece no mesmo dia que o Ministério da Educação confirma a demissão da directora nacional de Educação, Adriana Mendonça, e de já estar programada para hoje uma manifestação a reclamar precisamente a saída destes livro do mercado. A marcha estava agendada para as 16 horas, mas com esta posição do PM poderá não acontecer.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # ARAP 10-10-2017 22:49
Já que se ficou a saber que a ARAP não foi nem toda nem achada no processo em causa, o que mais se espera deste misterioso caso. Isto cheira negócios escusos. Muita falta de respeito pela gestão da coisa (causa) pública.
Responder
0 # Sabichão 08-10-2017 15:44
Senhora Carminha Miranda a senhora pode esperar deitada. Onde já se viu investigação a recobrir isso. Então não ouviu a Maritza na TCV a falar que vai se abrir um inquérito, neste caso não para descobrir que ela é culpada mas sim para se encontrar bodes expiatórios e colocar a carapuça. Para mim nesta matéria (e porque o país é democrático) só há 4 culpados: 1) o povo (que sufragou o projecto) mas que logo que deu conta chamou conta a Ulisses e logo veio a decisão de tirar os manuais de circulação; 2) DNE que já começou a pagar pela sua incúria, a começar pela sua demissao, faltando-lhe ainda explicar tamanho e grosseiro amadorismo no tratamento desta questão tão sensivel, bem como a sonegação da falha dos manuais à Ministra que confessou perante quase um milhão de cabo-verdianos (no país e na Diás[censurado]) que até ao primeiro post não tinha conhecimento que qualquer, mesmo o da visível capa. Uma autêntica miséria intelectual, de capacidade de gestão e e liderança; 3) Maritza, por ter aceite aturar todos os puxa-sacos que lhe terão sido impostos pelos correligionarios. Ela própria deve demitir-se se ainda nutre alguma dignidade e auto-estima pessoal. Ou está no elenco a receber algum tributo para o qual já havia pago ou descontado ou doado grátis; 4) Ulisses, o responsável por tudo isso. Homem de visão estratégica mas que tem contratado ou permitido contratação de imprestaveis que se não forem encabrestados dão o país na pedra em três tempos. Pena é que o Ulisses também irá no cabouco. Para quem entende meia palavra basta.
Responder
0 # Povo 08-10-2017 11:49
O comentarista que me antecedeu disse "coitado do Ulisses". Coitados somos nós cidadãos e eleitores que fomos enganados e estamos a ser roubados por um bando de parasitas. Já viu o que vem acontecendo com as viaturas do Estado? O caso exemplar foi com este tal Aquilino. Mas há outros tantos. Já viram o que aconteceu com os manuais? O PM diz que não haverá custos para os pais e para a sociedade. Como não? Não serão usados recursos públicos para a nova elaboração e a nova impressão? Donde vêm esses recursos públicos? Não somos nós o povo que estamos a suportar a burrice e aldrabice desses gajos do poder?
Responder
0 # Rabentola 08-10-2017 10:53
Eu durante muito tempo acreditei que Ulisses tinha como se catapultar ao Primeiro Ministro caso concorresse. Dito e feito. O meu pensamento confirmou-se e eu mesmo votei Ulisses. O que me faz confusão é o facto de o Governo que elegeu o slogan não ao job for the boys e for de friends, acto contínuo passou a actuar como que amadores do poder, colocando em sectores nevrálgicos, como a educação básica e superior, pessoas sem nenhuma qualidade e preparação técnica, a começar pela própria Ministra da (des)educação, ainda por cima superintendo a pasta de ensino superior inferiorizado. Sim porque nem aparece como uma pasta. E como um azar nunca vem só, nesse sector de ministra aos assessores, directores-gerais, um verdadeiro bando de zumbis a andarem ao sabor do vento. Esperem para ver o que ainda vai acontecer dentro do ME com essa equipa míope à frente. Coitado do Ulisses e do seu projecto. Em 2021 pensarei duas vezes antes de hipotecar o meu voto.
Responder
0 # Carminha Miranda 08-10-2017 08:59
Falta investigar a razão que levou o Sr. PM e a sra. Ministra de Educação a mandar elaborar e imprimir os manuais sem recurso a concurso público e socorrendo-se de empresa de supostos familiares. Muito estranho, muito estranho!
Responder
+1 # Jose 07-10-2017 16:17
Senghor PM, tem ki sabii ma se tem povo sé traz ninguém ca podi nada cu el. Portanto, el podi mexe na Governo, quem não está a dar resposta às atribuições que lhe são confiadas, é para cair fora. O povo agradece. Eu pessoalmente, votei na Ulisses não no MPD. Coragem, precisa-se Senhor PM, não deixe ninguém estragar a sua imagem. Dou-lhe o benefício da dúvida, se em 2018, não houver resultados que esperamos de si, não haverá salvação.
Responder
0 # Luiz Nunes 07-10-2017 15:11
Com licença...
Será que para evitar o gasto de fazer todo o Manual, imprimir as páginas erradas e substituir as mesmas seria uma alternativa aceita pelos académicos? É uma pergunta honesta, pensando em evitar mais gastos...
Responder
0 # António Mendes 07-10-2017 11:39
Não peçam à Mariza para se demitir pq senão o marido cai em depressão. Essa gente tem paixão lep poder e não pode viver sem ele.
Responder
+1 # daniel carvalho 07-10-2017 10:23
E agora, Senhora Ministra, há condições psicológicas e políticas para a Senhora manter no Governo? Demita.se minha senhora, para o seu orgulho.
Responder
+1 # Cornélio Gonçalves 07-10-2017 09:36
A Maritza está a pagar pelo seu descuido na escolha de colaboradores. Onde já se viu vagabundos a assumir cargos como de Director-Geral, de assessor, etc? Ela não teve pulso para resistir à pressão, barganha e tráfico de influências. Em consequência, agora está sem pulso no governo. Refém desses vagabundos, ela está condenada a cair.
Responder
+1 # SÓCRATES DE SANTIAGO 06-10-2017 17:14
Mais tarde do que nunca. Aconselhado pelo Senhor Presidente da República que, diga-se de passagem, anda angustiado com os frequentes e crassos erros do Governo, e temendo a força da manisfestação dos pais/encarregados de educação da Praia, marcada para hoje, às 17 horas, à frente do Palácio de Governo, o Senhor Primeiro Ministro deu o dito por não dito, resolve mandar retirar os manuais do mercado, uma medida que deveria ser tomada no início, evitando, assim, um forte desgaste do MPD e do governo que o mesmo sustenta. Esta tomada de posição do Drº Ulisses Silva é, a nosso ver, um grande puxão de orelhas à Senhora Ministra da Educação, abrindo, assim, caminho para a sua demissão. Não basta apenas a demissão da Senhora Directora Nacional do Ensino, Professora Adriana Mendonça dos Santos, quem responde pela parte técnica do problema. Há que também sacar a responsabilidade política à Senhora Ministra da Educação cuja gestão da "coisa educativa" há muito tem vindo a ser contestada pelos professores, sindicatos, pais/encarregados da educação, partidos da oposição e por um grande número de militantes do próprio partido no poder, MPD.
Responder
+1 # josé Realista 06-10-2017 16:44
Nossa ! o quê que esta a passar com essa gente! Senhor Primeiro Ministro, por amor de deus. concentre-se . não seja precipitado na suas afirmações, essa do dito por não dito está a ficar muito mal para si e para o País. Aguente porque daqui em frente, coisas vão piorar , a começar pelo Ministério da Agricultura e Ambiente que também não bem. E a propósito disso , já sentou com os senhores Gestor do Fundo do Ambiente e Ministro da Agricultura e Ambiente? Homi! falando a sério nhu sta cu costa quente. Inda nhu ca rapende? SEM JOVER PA LADU...
Responder
+1 # ATENTO 06-10-2017 15:35
Ah! dja nhu bem na nhó... kel manual la si contuinuaba, era mas um penedo na caminho de nhó, pmd pedra dja sta a vontade... És medida era pa ser tomada na primeira hora, antes de nhú bem ku defesa de incompetência de ministra e Directora nacional de nhó... Caboverdianos ka mereci um educação frágil sima nhôs kre dano....
Parabéns até k enfim dja nhu começa ta governa, pmd anhô sta parci ma nhú sta serba governado pa comparsas de nhó...
Solução é keli mesmo... nhu finka pé na más kusas mariados k nhu teni medo de mete mó na el....
Responder
+1 # Frutuoso Landim 06-10-2017 15:01
Que Governo desarticulado? Cada um fala por si. Que pena. Só resta demitir a Ministra da Educação pela teimosia e agregação das despesas na produção das erratas dos manuais falaciosos.
Responder
+1 # Sinceridade 06-10-2017 14:27
Se Ulisses teve a sensatez de desautorizar a.Maritza, ao menos que use a prerrogativa de um Primeiro Ministro e faça demitir aquela senhora. Não é de bom tom isto continuar neste ritmo pois caso contrário mais ou mais tarde as coisas darão para o torto e seguramente que darão. O amadorismo e o senso comum da práxis dos nossos pseudo gestores públicos é a preocupação só com a pré-regulação e pós-regulação, descurando a co-regulação. Eu sugiro a Ulisses que crie um Ministério só de Família, Género e Inclusão Social e o afecte à Maritza. Agora por amor de Deus desagregue a Educação e o Ensino Superior e entrega esses sectores a quadros mais competentes nessas áreas. Ulisses se não seguir o meu conselho não conseguirá mais do um triste mandato. Que vá por mim e abre o seu olho.
Responder
-1 # djambó 06-10-2017 14:13
Agora sim Sr. Primeiro Ministro. Esta é uma atitude de grandeza. Assim funciona a teoria do gigante. Parabéns.

Todos nós cometemos erros, mas sempre corrigi-las quando forem detectadas.

Mostrou que é um homem sensato, que é humano e sujeito de errar mas sempre a crescer e para melhor.

Bem aja a si.
Responder
+1 # Helena Fontes 06-10-2017 13:51
Só os manuais de matemática?????
E os de português, e os demais????
Não Sr PM UCS mande retirar todos esses manuais sueco-italianos pois estão todos com erros de palmatória e crassos!
Ora bolas!
Responder
+1 # Goncalo Amarante 06-10-2017 13:49
Ou se manda ou se fica em casa dormindo. O Senhor Primeiro Ministro, mesmo que sob pressao, tomou em conta o nosso deacontentamento e tomou medidas cuja repercursao se seria catastrofica, beliscando a honaranilidade de Cabo Verde, nacional e internacionalmente. Tenho uma vaga impressao que ME foi induzida em erro expressando coisas que uma boa assessoria daria o seu devido trato antes de serem consumidas pela sociedade.
Responder