Pub

 Carlos Veiga MpD

O antigo primeiro-ministro cabo-verdiano Carlos Veiga admitiu à Lusa repetir a candidatura a Presidente da República, em 2021, mas apostando na “ligação estratégica” com os emigrantes, quando está a cessar as funções de embaixador nos Estados Unidos.

“Eu penso que hoje conheço muito mais [a diáspora] e estaria em posição de advogar para soluções para uma comunidade que já está muito ligada a Cabo Verde, mas que precisa de estar ligada estrategicamente”, afirmou Carlos Veiga, quando questionado se o serviço como embaixador podia fazer diferença numa eventual candidatura às eleições presidenciais de 2021.

Candidato em 2001, em que teve 49,95% dos votos e em 2006, quando obteve 49,02%, Carlos Veiga perdeu as duas eleições presidenciais contra Pedro Pires, com dados a mostrarem que o círculo eleitoral de estrangeiro marcou uma importante diferença, em favor do antigo Presidente.

“A questão é se os emigrantes vão votar”, defendeu o cabo-verdiano, fundador do partido Movimento para a Democracia (MpD), que terminou o serviço como embaixador nos Estados Unidos em 31 de janeiro.

Primeiro-ministro de Cabo Verde entre 1991 e 2001, Carlos Veiga não fez comentários acerca de outros possíveis concorrentes que poderá vir a enfrentar, como José Maria Neves, que lhe sucedeu como chefe de Governo em 2001, pelo partido PAICV e também tem sido indicado como possível candidato.

“Cabo Verde tem muita gente com capacidade para ser Presidente da República, é normal que haja candidatos e eu respeito a todos. (…) Não quero ser o único candidato, quero que haja outros candidatos e o povo que decida”, disse.

O cabo-verdiano explicou que nos últimos três anos, a fortalecer as relações com os Estados Unidos, passou a “conhecer muito melhor” a comunidade de emigrantes e “estar muito mais consciente dos problemas que essa comunidade tem, mas também aquilo que é necessário fazer para aproveitar o potencial”.

“Penso que adquiri esse conhecimento e isso vai poder ajudar a estabelecer as minhas ideias e a fazer as minhas propostas”, afirmou à Lusa.

O advogado e político também é, desde fim de 2018, embaixador não permanente em Israel e recordou que em Cabo Verde existe uma “comunidade de judeus muito importante, bem colocada e muito considerada” num país insular com uma “importante herança judaica” e que tem “muito a aprender de Israel”.

Já aposentado, Carlos Veiga admitiu que tem “muito a dar ao país” e que está “bem de saúde”, mas a decisão “ainda está em suspenso”.

O advogado considerou que “é normal” que se criem expectativas sobre a sua possível candidatura: “Há muita gente em Cabo Verde que pensa que sim e eu digo que não rejeito a hipótese. Considero que posso ainda dar a Cabo Verde muito do que o país me deu”, afirmou.

O que deu por certo, quando voltar ao país de origem, é voltar à advocacia e dedicar-se mais ao serviço privado, como consultor jurídico.

Carlos Veiga não referiu uma data para tomar uma decisão sobre uma terceira candidatura a Presidente da República, porque considera que “ainda falta muito tempo”, mas referiu ainda a sua “capacidade de ver os problemas e de ajudar a encontrar soluções” para chegar a esse cargo.

Com Lusa

 

Comentários  

+2 # SÓCRATES DE SANTIAGO 10-02-2020 15:02
Ó Tchaplan, já não é altura de pendurares as botas? Olha que está mais que certo que o nosso JOSÉ MARIA NEVES te vai dar, de novo, uma grande KO, à semelhança daquele KAPOTON nas Legislativas de 2011.
Responder
+3 # Filomeno Rodrigues 10-02-2020 11:01
Em 1995 fomos vítimas deste vampiro na sua estratégia de reeleição a todo o custo, não se importando com a honra, dignidade e o bom nome das pessoas. Recorreu a profanações de templos católicos para atingir os seus fins e agora seguramente, inventará outros métodos maquiavélicos e criminosos para tentar levar a agua ao seu moinho. Nós, do grupo de S. Domingos, estaremos presentes como sempre para lhe entornar o caldo.
Responder
-1 # Fantonelli Mariah 10-02-2020 10:29
Pelo curriculum, formação e experiências profissionais, Cabo Verde só sairia a ganhar com a sua investidura como PR.
Conquiste a Diás[censurado] e prepare a investidura porque em Cabo Verde nunca o senhor perdeu as eleições presidenciais.
Conte sempre com o meu inequívoco apoio.
FOOOORÇA!
Responder
+3 # Terra-terra 09-02-2020 10:19
Como se o premio de embaixador de CV nos EUA nao bastasse! Agora quer o premio de PR. Que ganancia em estar no poder! E os outros caboverdianos nao tem nada a dar CV? So Carlis Veiga? Que se aposente de vez, credo! Ja fez muito por CV, mas tambem ja lhe causou muitos problemas e, agora, aposentado, com choruda reforma, e melhor cuidar da sua saude e descansar em paz, porra!
Responder