Pub

 cidade da praia

O Estatuto Especial (EE) da Praia prevê que o município tenha direito a uma participação na permilagem de 0,005% nas receitas tributárias do Estado não consignadas para fazer face aos custos da capitalidade.

Em declarações à Inforpress, a partir de Dacar (Senegal), onde participou na terceira sessão da gala “Cabo Verde Sucesso”, o primeiro-ministro disse que o EE prevê também o financiamento excepcional de “projectos estruturantes” para a adequação da Cidade da Praia à sua função de capital com a qualidade.

Perguntado sobre o que espera dos deputados, já que a proposta precisa de dois terços para passar no Parlamento, Ulisses Correia e Silva confia que haja um entendimento entre os parlamentares dos três partidos, a saber: o Movimento para a Democracia (MpD-poder), o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) e a União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), ambos da oposição.

“Espero que os deputados votem favoravelmente a proposta de lei”, desejou Correia e Silva.

Para o chefe do Governo, no que tange a cedências e avanços, estes, segundo ele, “serão feitos desde que contribuam para a melhoria da proposta de lei”.

Assegurou ainda que dotar a capital de um estatuto especial, conforme prevê a Constituição desde 1999, depende do Parlamento e da “vontade política” dos partidos representados para se conseguir a maioria qualificada exigida.

O foco do Estatuto Administrativo Especial, afirmou o primeiro-ministro, centra-se em matérias e medidas que integram o regime de capitalidade e permitam ao município da Praia “assumir plenamente as responsabilidades específicas decorrentes do facto de albergar no seu território a capital política do Estado” e, consequentemente, partilhar com o Governo os custos de capitalidade, nomeadamente no que se refere à segurança de pessoas derivada da condição de capital da República de Cabo Verde.

Lembrou, por outro lado, que a Praia tem a responsabilidade de partilhar com o executivo a coordenação na organização e realização de actos oficiais de carácter estatal ou de cariz internacional.

O EE destaca também a adopção de “medidas excepcionais” a nível do território do município da Praia para garantir a qualidade urbana, sanitária e ambiental compatível com as exigências da capital.

O Estatuto Especial da Praia prevê ainda “relações especiais” de cooperação e articulação entre o Governo e o município no planeamento, prevenção e acção nos domínios da segurança urbana, protecção da saúde pública e protecção do ambiente.

Estabelece igualmente o cumprimento das normas urbanísticas de construção, normas de licenciamento e funcionamento de actividades comerciais formais e informais e de licenciamento e controlo de transportes públicos rodoviários.

O EE preconiza a criação de uma Comissão de Capitalidade, um órgão de cooperação e articulação, ao mais alto nível, entre o Governo e o município da Praia, em todas as matérias incluídas no regime de capitalidade.

A proposta de lei que cria o Estatuto Especial Administrativo para a Capital já se encontra no Parlamento desde o dia 5 de Dezembro.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Txibisko 22-12-2019 22:01
O que quer dizer esses 0,005% dos impostos? O Orçamento do Estado para o ano económico de 2019 tinha a previsão da receita em impostos em 44.406.520.140$00. Portanto 0,005% perfazem 2.220.326$00. Por outro lado, em 2019 o orçamento do Município da Praia cifrava-se em 2,8 milhões de contos. O Estatuto Especial traria aos cofres do município uns quase insignificantes 0,08% de aumento da receita! É certo de que se trata de uma renda perpétua ao Município da Praia, verba essa com tendência a aumentar.
Se a argumentação for o aumento de receitas para a capital, os 0,005% quase nada trazem à nossa capital, penso que cai por terra o monstro da receita. Venha já o Estatuto Especial!
Responder
0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 09-12-2019 15:23
Como dizia o Dico, nos seus empolgantes discursos, DESBES LI KI E BES. Espero que seja desta que se aprove o ESTATUTO ADMINISTRATIVO ESPECIAL PARA PRAIA. Nada de joguinho sujo e de sabotagem. PRAIA MARIA É A CIDADE QUE NOS UNE, É A NOSSA CAPITAL, O ROSTO DE CABO VERDE. Votemos, pois, todos, favoravelmente ao ESTATUTO ADMINISTRATIVO ESPECIAL PARA PRAIA, CUMPRINDO ESTE IMPERATIVO CONSTITUCIONAL.
Responder
0 # JJ Costa Pina 09-12-2019 14:23
Até que enfim! depois de algumas tentativas de mais de década e meio! Espero que os políticos, desta vez, sem politiquices, aprovem alguma coisa a favor desta cidade e da capitalidade. Por favor, atentem no facto de não querermos os dinheiros dos outros (0,005%!) mas sim uma nova estrutura de governação administrativa e de impostos próprios da cidade que sirvam para equipar a cidade naquilo que necessita basicamente como cidade e como capital! Estaremos atentos para decidir em quem votar já proximamente!
Responder