Pub

Julio Herbert

O ministro Adjunto do Primeiro-Ministro para Integração Regional, Júlio Herbert, foi encontrado sem vida no seu gabinete no Palácio do Governo, no início da noite de ontem, segunda-feira. Suspeita-se de ataque cardíaco.

Segundo a Inforpress, que cita fonte do Palácio da Várzea, o corpo de Júlio Herbert foi encontrado no final da tarde desta segunda-feira, 21 de outubro, mas ainda não estão apuradas as causas da morte. Mas suspeita-se que pode ser ataque cardíaco.

Júlio Herbert, de 65 anos de idade, era formado em Diplomacia pelo Instituto Rio Branco, de Brasília, e em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Entre outros cargos, desempenhou o de cônsul-geral adjunto de Cabo Verde em Boston, Estados Unidos, assessor político-diplomático da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), conselheiro do Presidente da República e conselheiro político e diplomático do primeiro-ministro. Na primeira e, até agora única mexida feita no Governo, Ulisses Correia e Silva chamou-o para ministro Adjunto do PM para a Integração Regional, em Novembro de 2017.

"Nesta hora de dor, o Governo de Cabo Verde endereça à família enlutada as mais profundas condolências", diz uma nota enviada pelo Governo às redacções.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Rui Pereira 22-10-2019 00:53
Perdi um Amigo. Perdi mesmo, Alguém com quem partilhava ideias e sentimentos, de forma elegante e com superior espírito heurístico.

Perdi um Amigo: pelos livros e seus autores, pelos momentos de busca de argumentos e explicações amiudes em cima de diversos temas - todas as vezes que tínhamos encontros.

Pois, perdi um Amigo talentoso no trato, pela experiente formação diplomática que sempre lhe levou a cultivar proximidades, sem descartar
nada, nem ninguém.

Sim, perdi um Bom Amigo pelo elogiu à persistente busca de ideias com sentido estratégico para a Questão Africana de Cabo Verde.

Nisso, estou em condições dum merecido louvor pelo trabalho que levou tempo (e não era para menos tempo, dado o rigor dos exercícios interpretativos em redor dum assunto de exigência laboratorial) a respeito da integração africana do arquipélago. É que estivemos juntos na tarde da passada sexta-feira, por um convite para lhe visitar no seu gabinete, em que deu-me conta das linhas metódicas duma Visão para a CEDEAO que já teria acabado de elaborar.

Mas como perdi um Amigo que trago desde adolescente-jovem do meu primeiro ano dos Liceus, quando tivera Dr Júlio Herbert como meu Professor de História.

Ficam recordações de um trato de pura amizade e solicitado para a vigorosa conversa sobre Temas nacionais e Questões Globais, hoje.

Presto-lhe a minha inclinação pela reconhecida simpatia e consideração mútuas.

Os meus pêsames à família.
Responder