Pub

 Julião Varela Conferência de empresa 01.

O secretário-geral do PAICV disse hoje que o maior partido da oposição cabo-verdiana não está dividido com a candidatura de José Sanches às próximas eleições internas para a presidência, onde vai concorrer com a atual líder Janira Hopffer Almada.

"De maneira nenhuma", respondeu Julião Varela, quando questionado pelos jornalistas em conferência de imprensa, na cidade da Praia, para se posicionar sobre as últimas decisões do Governo, em relação aos transportes marítimos e aéreos.

O deputado José Manuel Sanches, eleito pelo círculo eleitoral de Santiago Norte, vai anunciar na quinta-feira a sua disponibilidade para se candidatar à liderança do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), em eleições internas em que terá pelo menos concorrência da atual líder Janira Hopffer Almada.

"Quando há disputas internas significa sinal de vitalidade democrática. Significa que há várias alternativas também a nível interno. É com base nas ideias que uns e outros vão apresentar que os militantes irão escolher quem deverá liderar o partido nos próximos tempos", reforçou o responsável partidário.

O secretário-geral considerou igualmente que o partido não sairá fragilizado do processo eleitoral interno, dizendo que todo o embate será "com base nas ideias e alternativas que cada um tiver para a condução futura do partido".

"O partido não está fracionado. O que temos são pessoas com opções e ideias diferentes, que são discutidas nos diferentes órgãos no sentido de procurar os consensos. É absolutamente normal, que mesmo no seio do partido, hajam vozes discordantes em relação a esta ou aquela matéria", insistiu.

Para Julião Varela, o que é fundamental é que nas questões de governação o partido tenha uma "orientação única".

Questionado se há possibilidade da procura de consensos para uma única candidatura, o secretário-geral respondeu que "tudo é possível" e que "trabalhos irão ser feitos no sentido de haver aproximações".

"Podemos ter várias candidaturas, podemos chegar ao momento das eleições com apenas uma candidatura. É absolutamente normal que haja manifestações de vontade. Se possível haver uma única candidatura, melhor, mas se não houver não há nenhum problema porque nós temos todos os instrumentos do partido que permitam que haja uma concorrência saudável nas eleições internas" continuou Julião Varela.

De acordo com as orientações da última reunião do Conselho Nacional, as eleições diretas para a presidência do PAICV e o congresso do partido vão decorrer entre janeiro e fevereiro do próximo ano.

"Neste cenário, e tendo em conta o sistema democrático que temos internamente, é normal que neste momento começam a surgir candidaturas interessadas para concorrer aos órgãos do partido", acrescentou o responsável partidário, entendendo que isso mostra a "vitalidade" do partido.

"Qualquer militante em pleno gozo dos seus direitos pode apresentar candidaturas aos órgãos do partido, portanto, é neste quadro que vemos essa candidatura", mostrou Varela.

José Sanches, que também faz parte da Comissão Especializada de Relações Externas, Cooperação e Comunidades do parlamento, já tinha protagonizado uma candidatura à liderança do grupo parlamentar do PAICV, em eleições que decorreram em outubro último, tendo perdido para Rui Semedo, que sucedeu a Janira Hopffer Almada.

O deputado conta com apoio de uma plataforma de militantes, liderada pelo colega Felisberto Vieira, antigo presidente da Câmara Municipal da Praia e eleito pelo círculo eleitoral de Santiago Sul.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Venâncio 22-08-2019 08:25
Camarada, SG, não parece que o Partido está dividido na revelação da intenção de novas candidaturas dentro do Partido, neste momento. Mas, salve melhor in put, as consequências dessa aparição nas vésperas das eleições serão, indubitável mente, de carris aventureiro e anti-estégico, porque lesivos à necessidade interna de unidade e luta com lealdade institucional objectiva!
Responder