Pub

Orla Kebra Canela1

O Partido Popular (PP) acusou este domingo, 21 de julho, a Câmara Municipal da Praia por “má gestão de terrenos municipais”, apontando a venda de orlas marítimas e praças públicas entre os “principais negócios”.

Esta consideração foi feita pelo secretário-geral do PP, Juvenal Furtado, após a habitual reunião quinzenal que o partido realiza.

Conforme explicou, a gestão dos terrenos na capital configura-se como uma “autêntica negociata”, denunciando que a edilidade já fez um acordo com uma empresa portuguesa, para venda de terrenos nos arredores do bairro de Fonton, de 25 mil metros quadrados.

“Essa empresa fará a urbanização dessa zona, depois vender a área e o resultado da venda é repartido entre essa empresa e a CMP”, assegurou.

Segundo disse, o edil Óscar Santos havia prometido quatro mil lotes por ano para jovens, mas que este anúncio ficou somente na promessa.

Outra crítica centrou-se na gestão das praças, sobre a qual o partido referiu haver falta de sensibilidade da autarquia, que as tem privatizadas, deixando os munícipes sem lugares de lazer.

“O último negócio foi a venda da Praça Nova Apostólica, na qual garantem que não venderam, mas sabemos que não é verdade”, observou.

Por outro lado, ajuntou, a venda de grande parte da orla marítima na capital, “pondo de lado os interesses dos munícipes em segundo plano”.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar