Pub

 Maria do Rosário Gonçalves 01

A presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Maria do Rosário Gonçalves, considera que a introdução da votação electrónica no país dará “mais transparência, celeridade e confiança” ao processo eleitoral.

O Código Eleitoral (CE) cabo-verdiano de 1999 prevê a votação electrónica, assim como a identificação biométrica, mas até hoje os cidadãos não puderam ainda usufruir destas tecnologias no processo eleitoral.

“O legislador eleitoral cabo-verdiano foi um visionário em relação àquilo que deverá ser a administração e organização das eleições e, desde 99, propôs que se fizesse uma experiência de votação electrónica para se decidir se se vai adoptar ou não”, disse a responsável da CNE, que lamenta o facto de ainda não ter sido feito nenhum ensaio nesse sentido.

Maria do Rosário Gonçalves, que falava à imprensa à margem da audição na primeira Comissão Especializada da Assembleia Nacional, citou a Namíbia como um exemplo em África como “país 100 por cento electrónico no que concerne à organização e gestão das eleições”.

Para a presidente da CNE, a votação electrónica exige uma estrutura que o país ainda não dispõe, mas, disse ela, Cabo Verde está a caminhar nesta direcção e precisa de dar “passos seguros” para que as novas tecnologias contribuam para um processo eleitoral “transparente e confiável”.

No dizer daquela responsável do órgão máximo de gestão d processo eleitoral, para um país arquipelágico, como Cabo Verde e com uma grande diáspora, a votação electrónica se reveste de “grande importância” e podia ser uma “solução boa” porque com este processo ter-se-ia o “resultado centralizado” e a nível da diáspora e não seria necessário esperar dois ou três dias para ver os boletins de votos, fazer a contagem e depois pronunciar os resultados.

“Traria um conjunto de benefícios e celeridade e menos gastos para as eleições”, indicou Maria do Rosário Gonçalves, referindo-se à introdução da votação electrónica que, na sua opinião, não se trata de uma insuficiência legal, mas sim uma “insuficiência da administração eleitoral”.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar