Pub

Maritza Rosabal

A ministra da Educação, Maritza Rosabal, desvalorizou a declaração política do PAICV, feita quinta-feira no Parlamento, durante a qual o deputado José Sanches pediu a sua responsabilização política pelos erros detectados nas provas nacionais.

Instada a reagir pela Inforpress, a governante adiantou que este é um assunto pouco relevante e esclareceu que as provas nacionais de Língua Portuguesa e Matemática aplicadas aos alunos do 12º ano de escolaridade não continham erros.

Erros sim, foram detectados na grelha de correção, que foi imediatamente corrigida, e não teve nenhum efeito conforme garantiu.

Maritza Rosabal afirmou que classificar um “erro processual” como um “escândalo nacional” é um jogo político que não faz sentido.

“Eu não tenho adjectivo para qualificar. É um jogo político que realmente não faz sentido e que acho que só desassossega as pessoas, e que é nocivo para o país. Às vezes temos de ter sentido do que é o país e do que é a seriedade e a ética profissional”, disse a ministra.

“O que leva esta filiação política a ir ao Parlamento levar um processo puramente administrativo que já tinha sido resolvido”, questionou adiantando que o mais grave é que o assunto foi levado por um deputado que é docente e que sabe muito bem como é que as coisas se processam.

Durante a declaração política o deputado José Sanches realçou tratar-se de mais um escândalo a nível nacional que afecta o sistema educativo nacional, situação, na sua perspectiva o “Governo quer normalizar e fingir que não entendeu”.

Segundo ele, a responsabilidade é do Governo e do Ministério da Educação que permitiu que a sua equipa nacional enviasse provas e grelhas de correcção com erros. Por isso, pediu que o grupo parlamentar do (MpD-poder) tome uma posição crítica sobre esta questão e que os culpados sejam responsabilizados.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Preocupado 18-06-2019 18:28
Se por algum motivo um aluno destrair e escrever mal a resposta durante um exame, ele fica penalizado, pois nao recebe a cotacao da pergunta errada. Agora pergunto, poque razao os responsaveis por que errarao nao serao penalizados?
Responder
+2 # PB 17-06-2019 22:00
Oh, Sr. Siordumundo, hahahaha, o senhor também escreve "Maul" hahahahaha. E ainda tenta dar show com o seu "agora-como", hahahah. Não se escreve now-how, é KNOW-HOW.
Responder
0 # Siordumundo 17-06-2019 09:52
Por favor, Senhora Ministra. É uma vergonha para sua cara (se a tenha). Já são duas vezes e isto não são falhas, é pura burrice da vossa parte. Querem ignorar pessoas dentro do Ministério por ser de cor partidário diferente, mas que são pessoas com vasta experiência e now-how, a troco de compatriotas partidários "nabos" de conhecimento nesta matéria e andam apenas a denegrir a nossa educação.
Por bem de Cabo verde e dos nossos alunos podem demiti-se em bloco que agradecemos, porque de estrago neste pais estamos fartos.
Haja paciência.
Responder
+5 # PB 16-06-2019 17:33
Oh, ministra, que desculpa?!!! Uma ministra de Educação nunca deveria "desculpar-se" nestes casos. O certo é puxar orelhas, assumir o erro e arcar com as responsabilidades. Ao desculpar-se, está e legitimar o erro, que é um erro, ainda maior.
E, sobre o "proveito político do PAICV", não é nada além do devido. Hoje o PAICV, está na oposição, justamente porque cometeu erros e o povo disse basta e com isso, a senhora está no poder. This is it! Quando um governo falha, a oposição deverá sempre "aproveitar-se" disso para engrandecer e solicitar ao povo, a mudança, já que a situação, está a governar mal. E para isso que a oposição existe. A senhora quer aplausos? Governe bem.
Responder
+1 # Martins 16-06-2019 11:59
Ministra desculpa fede. Nos e ke pai e encarregado de wducacao nu ca pode seta erros atras de erros.
Se dexado keto é um desastre
Responder
+1 # Olávu 16-06-2019 07:32
Ó Dios, nhu lebanu so ci. Assi nu ta bira disenvolvidu, más ki portugal
Responder
+1 # Migueis 15-06-2019 10:20
Um ministério carregadinho de erros processuais. O pior desempenho de sempre. O barco está abarrotado de erros.
Responder