Pub

 Luis Filipe MNE

Cabo Verde vai incluir o exército de São Tomé nos exercícios militares nas suas águas territoriais, nos quais já participam forças de Portugal, Espanha, França, Brasil e Estados Unidos, anunciou o ministro da Defesa cabo-verdiano.

Luís Filipe Tavares fez este anúncio no final da assinatura de um acordo de cooperação no domínio da defesa entre os governos de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe.

Ao lado do ministro da Defesa e Administração Interna da República de São Tomé e Príncipe, Arlindo Ramos, que até domingo está em Cabo Verde em visita oficial, Luís Filipe Tavares sublinhou aos jornalistas a importância do acordo assinado entre os dois países.

“É um acordo importante que prevê a intensificação das nossas relações no domínio da formação e da participação dos exércitos de ambos os países e exercícios militares conjuntos nas nossas águas territoriais, de Cabo Verde e São Tomé”, disse.

O ministro cabo-verdiano recordou que São Tomé faz parte da zona marítima de proteção e vigilância marítima da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEO) e que existe uma parceria entre a CEDEO e os países do G7, organização que visa a estabilidade, segurança marítima e liberdade de navegação no Golfo da Guiné e é atualmente presidida por Cabo Verde.

Antes da assinatura do acordo, os dois ministros falaram sobre a cooperação entre os dois países no setor da formação dos oficiais, com Luís Filipe Tavares a defender um incremento desta colaboração.

O ministro cabo-verdiano anunciou que o exército de São Tomé será incluído nos exercícios militares conjuntos que atualmente são feitos nas águas territoriais de Cabo Verde, nos quais participam as forças de Portugal, Espanha, França, Brasil e Estados Unidos.

“O acordo de segurança é importante e vai reforçar os laços de cooperação entre os nossos dois países”, disse o governante, defendendo “mais segurança nesta região do Atlântico”.

“Sabemos que no ano passado houve mais de 400 atos de pirataria nesta sub-região do Golfo da Guiné. No quadro das nossas responsabilidades internacionais, temos que trabalhar juntos para contribuir para a segurança do Golfo da Guiné, que é uma zona com muitos problemas de natureza política, conflitos étnicos, políticos, uma grande instabilidade”, adiantou.

Por seu lado, o ministro da Defesa e Administração Interna de São Tomé e Príncipe, Arlindo Ramos, também destacou a importância do acordo, recordando que ambos os países estão em zonas de conflitos.

“A nossa ambição é reforçar a nossa capacidade de fiscalização marítima no Golfo da Guiné. Esta cooperação com Cabo Verde vai-nos permitir formar os nossos homens e adquirir maior capacidade para que essa fiscalização seja feita com maior eficácia possível”, disse.

Segundo Arlindo Ramos, Cabo Verde e São Tomé têm os mesmos parceiros, uma vez que colaboram com os Estados Unidos e Portugal na área da segurança marítima.

Por esta razão, “não vai ser muito difícil estabelecer essa relação de cooperação no âmbito da segurança marítima”, disse o ministro.

Arlindo Ramos encontrou-se depois com o primeiro-ministro de Cabo Verde, José Ulisses e Silva, antes de ser recebido com honras militares junto ao edifício do Estado-Maior das Forças Armadas e de visitar o Centro de Operações de Segurança Marítima – COSMAR.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # joão Gomes 02-08-2018 13:18
...aí está, envolvendo barcos-patrulha, barcos-inflável, corvetas, couraçados, cruzadores, fragatas...submarino está fora de questão.
Responder