Pub

 joseluislivramento1

O actual presidente do Conselho de Administração da Cabo Verde Telecom, José Luís Livramento, e deputado do MpD pelo círculo eleitoral de Santiago Sul, acaba de manifestar o seu desejo de regressar ao Parlamento, sem, contudo, deixar o cargo que ocupa nesta que é a maior empresa de telecomunicações do país.

Em carta dirigida ao presidente da Assembleia Nacional, cuja cópia Santiago Magazine teve acesso, este dirigente máximo da Cabo Verde Telecom, e deputado nacional do MpD com mandato suspenso, pede para retomar as suas funções de deputado a partir do dia 1 de Julho.

Na sua missiva, datada de 30 de Maio, Livramento defende que o desempenho de funções de presidente do Conselho de Administração da Cabo Verde Telecom, não é incompatível com as funções de deputado nacional.

A suspensão do mantado de deputado de José Luís Livramento materializou-se com a resolução nº 6/ix/2016, da Comissão Permanente da Assembleia Nacional.

“Tal pedido de suspensão teve como suporte o facto de ter concluído, na altura, que o início de funções como presidente do Conselho de Administração da Cabo Verde Telecom impunha o assumir de uma actividade que me iria ocupar grande parte do tempo disponível”, relembra Livramento, no seu pedido, remarcando que “passado esse tempo sobre o diferimento do pedido de suspensão do mandato, sinto-me em condições de retomar a minha condição de deputado”.

O deputado do MpD, e membro da Comissão Política do partido ventoinha até o dia em que foi chamado para dirigir o Conselho de Administração da Cabo Verde Telecom, há dois anos, entendeu na ocasião em que pediu a suspensão do mandato, e ainda entende, que a missão empresarial que ora cumpre “não é incompatível com a condição de deputado nacional, pois a dita empresa tem uma participação de 42% de capitais públicos”.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Delenda Óbice Treva 14-07-2018 19:39
Este senhor desiludiu-me bastante. Já não sei em quem confiar em Cabo Verde. Tinha-o por um patriota, altruísta e justo, mas ao que parece é mesmo um desbastado, do tipo que come tudo e não deixa nada para ninguém. Contudo, é bom não esquecer que outros agiotas e glutões no parlamento. Acumulam salários e reformas, enquanto que os jovens formados ficam a ver navios e festivais a passar, para o consolo dos descamisados. Paciência, José Luís Livramento!
Responder
0 # Daniel Carvalho 12-07-2018 10:08
É que está provado que o PCA da CVTlecom não tem sorte nas presidenciais. Portanto, é perfeitamente compreensível o desconforto do homem, que já provou ser um bom politico.
Responder
0 # Djon Caba Fum 09-07-2018 11:53
Deixem o Catchupa sossegado. Ele est'a a fazer o CRESCIMENTO economico que o GUVERNO do mpd preconiza.
Responder
0 # H2SO4 04-07-2018 14:51
O Sr. Éé descarado. Poē máscara de Reinaldo Rodrigues e escreve a seu proprio favor.... os PDDistas são especialistas nessa matéria....
Responder
+1 # Carlos 30-06-2018 09:30
Espertalhao Ze Luis.
Queres reformar com dois salarios? A CV telecom e tao facil de gerir que agora ser PCA part-time. Os novos donos de CV. Eu li a sua uma entrevista num Jornal sobre a entrada da CV telecom na Bolsa. Pelas suas repostas percebi que es uma nulidade em Gestao.
Os milhares de jovens desempregados nao reagem?
Responder
+2 # Zeca 30-06-2018 09:26
Não sei o que diz a Lei. Mas, creio por mim que, independentemente da compatibilidade ou incompatibilidade LEGAL, é preciso a ETICA, ou ATITUDE, como dizem os empedistas. Como que o gajo quer ser (não escrevi porque vai ser censurado) e ao mesmo tempo Gestor? E quando assunto a discutir no Parlamento é Telecomunicação, como é que fica? haja vergonha, pa! e deixas quem está lá no seu lugar a comer também, não é?
Responder
+2 # Reinaldo Rodriguinho 29-06-2018 16:46
Mas esse Reinaldo Rodrigues nada mais é do que o próprio CATCHUPA a dar o pontapé de saída nos comentários. É uma tristesa ver um homem que se encontra às portas da morte a querer tudo só para ele. Quanta ganância! Até onde pretende ir esse homem?!
Responder
+2 # Arnaldo Belchior da 29-06-2018 15:32
Eu não concordo com a acumulação de funções de De[censurado]do com Presidente do CA da CVT. 1º porque o povo quer de[censurado]dos de facto, não para marcar presença na AN, 2º porque o Cargo que ora o Engº Livramento ocupa é de grande responsabilidade, principalmente neste momento que o sector passa por uma reestruturação de extrema importância para o País.
Responder
-6 # Reinaldo Rodrigues 29-06-2018 14:31
A mim me dá muito gosto ter o Engº José Luis Livramento como parlamentar ativo, pelas qualidades das suas intervenções. É um profissional com muita competência nas areas em que exerceu as suas atividades e como político também não foge a regra. O nosso parlamento sairia a ganhar com o regresso desse político. Caso não haja incompatibilidades e uma vez assumido que as funções que está a exercer não o impede de regressar para exercer os seu mandato de de[censurado]do, seria um ganho inequívoco para a AN, salvo devido respeito pelas opiniões contrárias. Espero vê-lo e ouvi-lo na próxima sessão de julho.
Responder