Pub

UlissesCorreia Silva

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, garantiu ontem que o Governo está a negociar a compra de um novo avião para evacuações de doentes de uma ilha para outra e que o processo de privatização da TACV “ficará concluído” até ao final do ano.

“A alternativa seria liquidar. Não liquidámos, colocámos a TACV a voar, estamos a operacionalizar o conceito de hub [plataforma aérea] e não tenho dúvidas de que vai ser um sucesso”, declarou o chefe do Governo durante uma conversa aberta com jornalistas e representantes da sociedade civil esta quinta-feira, 23, para assinalar os primeiros dois anos da sua governação.

Questionado sobre várias queixas dos trabalhadores e dos sindicatos que os representam em relação à forma como está a ser conduzido o processo TACV, Correia e Silva reconheceu a existência de “dificuldades”, e afirmou que hoje a transportadora podia estar “morta e enterrada”, mandando “todo o mundo para o desemprego” e o país ficar sem a sua companhia aérea. “É este o ponto de partida em 2016, quando assumimos o Governo”, indicou, acrescentando que hoje há “ganhos” e a Cabo Verde Airlines está a voar.

Relativamente ao transporte de doentes de uma ilha para outra, reiterou que o seu executivo está a trabalhar no sentido de resolver este problema. “Até ao final deste ano, teremos, seguramente, um aparelho da Guarda Costeira, que servirá não só para fazer a vigilância marítima e costeira que Cabo Verde precisa, como também para situações de emergência médica”, garantiu.

A seguir reconheceu que os aviões comerciais não estão vocacionados para prestar serviço no transporte dos doentes, uma vez que, aludiu, seriam obrigados a “desviarem-se do seu roteiro normal, da sua actividade comercial para responderem a uma necessidade de evacuação”.

Enquanto não se resolver o problema com o avião da Guarda Costeira, disse o primeiro-ministro, está a ser “contratualizado” um serviço com a nova transportadora aérea nacional (Binter-Cabo Verde) para ir suprimindo as necessidades pontuais que vão aparecendo.

“Reconheço que este problema (de transporte de doentes) é complexo, mas é uma situação que se arrasta há vários anos e que agora queremos dar uma resposta estruturante”, sublinhou o primeiro-ministro.

Instado se há transparência no processo de negociações com a Binter e a Icelandair, empresa que está a gerir a TACV, respondeu que sim e afiançou que quando tudo estiver concluído, a “sociedade saberá”.

“As condições negociais não podem ser feitas na praça pública” alegou, adiantando que, neste momento, o Governo tem um contrato de gestão assinado com a Icelandair e que o processo de privatização da TACV será feito de acordo com a lei.

Relativamente à Binter, assegurou que não há nenhuma exclusividade no transporte inter-ilhas.

“Não há nenhuma medida legislativa do Governo no sentido de fechar o mercado”, precisou o chefe do Governo, que considerou que qualquer companhia aérea que queira operar no mercado doméstico pode fazê-lo, “desde que cumpra as condições de regulação” que são estabelecidas pela Agência de Avião Civil.

Segundo ele, o Estado tem a intenção de entrar no capital social da Binter, ainda que seja transitoriamente, porque não é intenção deste dispor de “participações em empresas”.

Sobre a presença de Cabo Verde na Comunidade Económica para o Desenvolvimento da África Ocidental (CEDEAO) explicou que o comprometimento do país com a comunidade é “muito claro”. “Pela primeira vez Cabo Verde tem um ministro com a responsabilidades exclusivas sobre a integração regional”, declarou, adiantando que o arquipélago vai abrir uma embaixada em Abuja, capital da Nigéria, e uma representação junto da União Africana, em Addis-Abeba (Etiópia).

“Mais do que discursos africanistas, temos estado a mostrar que, efectivamente, queremos estar na CEDEAO para defendermos os interesses de Cabo Verde dentro da comunidade do espaço da África Ocidental”, conclui.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Daniel Carvalho 27-05-2018 08:43
Concordo que os jornalistas estiveram muito mal. Mas também da forma como essa conversa foi formatada, não dava chance a um debate. Não sei se foi uma estratégia do Medina ou um artifício político.
O que eu gostaria de ver, seria um verdadeiro debate entre todos os líderes partidários da actualidade e uma ou duas representações da sociedade civil.
Responder
0 # Jorna Lista 26-05-2018 09:42
Outra vez os aviões da Guarda Costeira, os helicópteros, as soluções. E outra vez teremos o mesmo desfecho: falta de regulamento para esse tipo de "aviação", falta de logística e principalmente falta de dinheiro para suportar estas operações; ou seja vai continuar tudo pior: vamos gastar dinheiro outra vez, para nada!
Responder
+1 # Jose Santos 25-05-2018 20:48
O aviao do Ulisses vem juntar-se ao helicoptero do Jose Maria negociado com a China. Bem haja...
Responder
0 # Nho Nacho 25-05-2018 16:32
Não é por nada, mas os jornalistas que vi ontem não passam de umas minhocas. Falam mal o Português, não sabem nada de economia (tal como eu não sei do jornalismo), executam raciocínios truncados, gaguejam, cacarejam (...) enfim. Deve ser muito difícil a ciência do jornalismo. Vi uma correspondente da RTPA a destratar a língua de Camões, vi (quem diria?) como o Nuno a não domina as noções básicas da economia, das dinâmicas do mercado...enfim pareceu-me mais um dirigente do PCP ou do Bloco de Esquerda, tal a falta de afinidade com as noções de concorrência. Oh Nuno, de si, especificamente esperava outra noção dos racionalidade econômica, ou então ficasse calado. Luis Carvalho, mal trajado e mal preparado, parecia um tribuno militante do que um jornalista.
Responder
0 # Apartidário 25-05-2018 15:10
Este "Rei" Odisseu, com a sua cambada de séquitos desorientados, está a conduzir o "barco" para coordenadas que nada têm a ver com a "prometida e amada ilha Ítaca"

A ver vamos para onde fundearemos.

Tenho dito!
Responder
0 # Atento di Picos 25-05-2018 11:43
Deus oiça, pq deste governo de promessas a nossa garantia e quando chegar mesmo.
Responder