Pub

mario centeno

Fórum de ministros das Finanças da zona euro elegeu nesta tarde de segunda-feira, 4, em Bruxelas, o ministro português das Finanças, Mário Centeno, como presidente do Eurogrupo.

Os 19 membros da área do euro escolheram esta tarde o sucessor do holandês Jeroen Dijsselbloem, tendo quatro ministros apresentado na semana passada as suas candidaturas: Mário Centeno, o luxemburguês Pierre Gramegna, o eslovaco Peter Kazimir e a letã Dana Reizniece-Ozola.

O processo de eleição previa a realização de quantas voltas forem necessárias até um dos quatro candidatos alcançar uma maioria simples (ou seja, pelo menos 10 votos entre os 19 membros da área do euro).

Em 20 de Novembro, tanto a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA) -- à qual concorria o Porto -- como a da Autoridade Bancária Europeia (EBA) acabaram por ser atribuídas a Amesterdão e Paris, respetivamente, por sorteio.

Em ambos os casos verificaram-se igualdades a 13 votos na terceira e derradeira volta (Amesterdão enfrentava Milão; Paris era finalista com Dublin), já que, entre os 27, um Estado-membro votou nulo nos dois casos, tendo então os vencedores sido encontrados por sorteio.

O Conselho precisa que "se nenhum dos candidatos recolher pelo menos 10 dos 19 votos dos membros do Eurogrupo no final da primeira volta da votação, cada candidato será informado individualmente do número de votos que ele/ela recebeu".

"Os candidatos terão então a oportunidade de retirar a sua candidatura. A votação prosseguirá até ser alcançada a maioria simples em torno de uma das candidaturas", explicam os serviços do Conselho da UE.

O novo presidente sucede a Jeroen Dijsselbloem em janeiro, mais precisamente no dia 14 - pois o segundo mandato do holandês que presidiu ao fórum de ministros das Finanças nos últimos cinco anos termina a 13 -, iniciando então um mandato de dois anos e meio.

Com JN



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar