Pub

Amanda Lind

A nova ministra da Cultura e da Democracia da Suécia, Amanda Lind, de 38 anos, e líder do partido do meio ambiente Os Verdes, desde 2016, está a ser criticada por usar rastas, um penteado "que não representa a Suécia".

Apesar de ter prendido o longo cabelo num coque para a foto oficial do novo Governo, as críticas dispararam: "Como ministra, não se representa a si mesma. Mas à Suécia. E eu não acho que possamos usar tal penteado". Escreveu a política de direita Rebecca Weidmo Uve no Twitter.

Também não ajudou o facto de Amanda Lind ter admitido que já fumou cannabis - o consumo, quer recreativo quer para fins médicos, além do cultivo são ilegais na Suécia.

lin d

A polémica subiu de tom depois de Amanda Lind ter sido acusada de apropriação cultural num artigo publicado no jornal Aftonbladet. Nisrit Ghebil, um jovem artista negro, assinou o texto onde dizia que uma mulher branca, principalmente numa posição de poder, "não deveria usar um penteado afro-americano", especialmente quando jovens negros continuam a ser expulsos das escolas norte-americanas por usarem rastas.

Em entrevista à rádio P3, citada pelo Le Monde, Amanda Lind justificou-se dizendo que a apropriação cultural é "um importante tópico de discussão", mas que ela usa o mesmo penteado há vinte anos e não pretende cortar o cabelo. No futuro, quer continuar "a mostrar respeito, mesmo para com aqueles que acham que é um erro" usar rasas, não sendo africana.

 

Fonte: Diário de Notícias

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # roxana aguilera 25-03-2019 19:18
Concordo com essa mulher sueca , todo e' "discutível " igual que as africanas usarem extensões como cabelo chinês .Pra mim as pessoas podem usar o que quiserem em seu cabelo e se sentem orgulho de levar-lho melhor .
Responder