Pub
Por: Luis Carlos Silva*

luis carlos silva

Um sentimento inexplicável, arrepio-me todo ao ver mais estes dois aviões parados na Pista do Aeroporto da Praia. Já são três! Em 2018 é esperado mais dois para completarmos a disponibilidade de 5 aviões para o negócio da distribuição aérea de passageiros no atlântico médio. Até 2021, temos a pretensão de chegar a 11 aviões.

Antes de mais, convêm pontificar um especto central: nunca conseguiríamos mobilizar um parceiro da dimensão da Icelandair para o negócio da TACV a pensar apenas no nosso mercado étnico. Mobilizar este player internacional - com a experiência de ter implementado e consolidado o hub do atlântico norte, só foi possível porque finalmente conseguimos "vender" o ativo estratégico - a nossa localização - e o papel que podemos desempenhar na movimentação de passageiros no atlântico médio: A Icelandair comprou a ideia para nos ajudar a criar o hub no atlântico médio, com os olhos postos no mercado da América do Sul e do Norte, na África e na Europa. São milhões de passageiros ao nosso dispor desde que sejamos capazes de os alcançar. Para isso contamos com o conhecimento, a robustez financeira e a organização que a Icelandair representa.

 

Não tenho dúvidas de que a decisão de centralizar o Hub na ilha do Sal seja a melhor. Sal tem fortes e evidentes vantagens comparativas e competitivas, Para além de aspetos que tenham a ver a infraestrutura, com todo um acumulado de conhecimento, temos também uma outra dimensão de disponibilidade hoteleiro, para finalizar (a cereja sobre o bolo) temos recursos naturais que viabilizam o surgimento de competitivas ofertas de “stop over” - implementado primeiramente na Islândia e, ultimamente, adotado por Portugal.

 

Da mesma forma que existe um mercado de milhões para o trafego Aéreo, também existe milhões no Mar, nomeadamente no Bunkering enquanto fornecedores de combustível para o trânsito de barcos, bem como a manutenção dos mesmos. Um mercado que neste momento é dominado pelas ilhas Canarias e Gibraltar. Segundo um estudo, de 2012, encomendado pelo governo de Cabo Verde à empresa BPP – Business and Projects Promotion - o mercado de abastecimento de combustível no atlântico médio, para navios que passam a menos de meio dia de Cabo Verde e aqueles que escalam os nossos Portos, é de 3,6 milhões de toneladas/ano, cerca de 40 vezes o nosso mercado.

Cabo Verde tem de ser prático, objetivo e sobretudo decidido na sua tomada de decisões. Temos os nossos principais concorrentes atentos e focados, pois tudo o que queremos, eles também os querem. Estou a falar principalmente do Senegal que está a terminar um extravagante aeroporto internacional e se prontifica para fazer precisamente o que queremos fazer: ser um centro de distribuição de passageiros em África, mas também de e para África. Mas podia também falar de Canárias, ou Marrocos.

Luis Carlos silva Deputado da Nação |Presidente da Comissão Especializada de Economia Ambiente e Ordenamento do Território da Assembleia Nacional de Cabo Verde
 
www.luiscarlossilva.com | twitter: luiscarlossilva | skype: luis.carlossiva


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # José Tavares 17-11-2017 15:26
Esta do HUB dos TACV é mais um disparate, sem pés nem cabeça, sem estudos e decididos por um conjunto de levianos. Se a maioria dos passageiros tem como destino final a Praia por qual razão localizar o HUB na ilha do Sal e fazer com que centenas de trabalhadores dos TACV tenham de mudar de residência.
Este Governo não tem ninguém com capacidade e eles nos sítios para dizer não a esse disparate.

Não espanta que este ex-PAICV defenda as soluções que o Zé Maria defendia na sua Agenda de Transformação de falar em HUB no Sal. Fez campanha contra o Carlos Veiga em 2006 e era o Chefe da Orquestra da fraude eleitoral e hoje dá cartas no MpD. Como pode?

Quem, no seu perfeito juízo, desloca-se de qualquer país da Africa Ocidental para apanhar voos no Sal para outros destinos quando tem as alternativas de Dakar, Abidjan e Lomé e para o Oriente a África do Sul e Adis Ababa.

Tomem juízo e estudem o país.

Jmpm
Responder
0 # Cristiano Mendes 15-11-2017 12:07
O "Ponto de Vista" escrito do jovem de[censurado]do torna-se incompreensível, às vezes, porquanto ele não consegue estabelecer a relação lógica entre o seu pensamento e a escrita da língua portuguesa. Ele escreve muito mal o português. Deveria experimentar a língua cabo-verdiana.
Responder
0 # Direccao 14-11-2017 14:03
Qual ė o serviço que pretende dirigir..... ... ... .
Responder
0 # Atento 14-11-2017 09:27
MPD, é um partido triste e de dirigentes mediocres. Modi k Binter ta tem monopólio na nôs terra e TACV, ta voa só a partir de sal?
KELI É RETROCESSO NA DESENVOLVIMENTO DE CABO VERDE MEUS SENHORES.
Ka mesteba tinha aeroporto internacional na Praia.
Nôs imigrantes ka merçe passa pa kel sufoco la.
Dja nhôs analisa pa nhôs sabi de reacção de imigrantes?
Ami é Caboverdiano, mas si nsta viaja goci pa Europa nta prefire TAP, pmd ami bai é di Praia directo.
Nhôs fica ku nhôs avion k nhôs ta viaja na el nhôs ku nhôs familias, membras, amigos e conhecidos, pmd na Cabo Verde se k stadu.
Ulisses, nhu fla ma nhu sta bem fazi midjor... Midjor de nhó tambi sa ta parci. É negócios feitos debaxo de tapete sem da satisfação e conhecimento pa povos, é subida e mais subidas de preço de produtos, é mau ano agrícola e ninguém pa djuda da resposta, é paludismo, ministro na féria, é despedimentos a torto e direito de directores e funcionários, é perseguirão politica na tudo classes, é deslocação e ajudas de custos exorbitantes, é aumento de pobreza, é uso exagerado de património de Estado, é Matimática Manual, é Dossier Chã das Calderas e estradas de Santo Antão, é assentamento na Boavista e ainda más, é desrespeito total pa tudo Caboverdianos, tanto nacionais como na Diás[censurado].
Senhor de[censurado]do Luis, é midjor nhu branda ku basofaria, pmd kela e más pior kusa k sta contiçe na Cabo Verde e k ka mereçi nem um pitadinha de basofaria. Nhu djobi oto kusa de basofia na el pmd cenário de nhó sta NEGRO.

Povo ta julga nhôs na hora certo.
Responder
0 # Luna 13-11-2017 18:37
Esse senhor deve bor na lua, por isso chama_se Lunatico.
Responder
+1 # mpdista 09-11-2017 20:22
bu sta fala serio luis? nhos sta na xuxadera ku alguem. mo ki nhos ta abri mon di um teritoriu arquipelagiku pa um empresa strangeru e nhos ta atchal normal? mo ki nem cidadi kapital ka teni voo di si kompainha di bandera?. bo ku bus familiaris sta cinseramenti kontenti di pa ter ki viaja pa strangeru na tacv nhos tem ki bai sal? nada kontra sal ma plo menus voo pa praia ku mindelo e sal tinha ki tem. poka burgonha. a nhos é um fraude. um sta xinti enganadu. pena di nhos ki ka podi pensa pa nhos mé. politikus fracos.
Responder
+1 # Elísio Semedo 09-11-2017 18:53
É preciso apresentar propostas de como podemos concorrer com o Senegal e as Canárias.
Responder
+1 # #Santiaguense 09-11-2017 18:05
Senhor De[censurado]do Luis Silva
Quanto à questão de HUB no Sal, julgo que Sócrates de Santiago lhe rebateu à medida.
Disse neste seu artigo que nunca a Tacv tinha conseguido um parceiro da dimensão da Icelandair. Para sua informação, o que a Icelandair anda a fazer aqui é ganhar dinheiro e muito, com aviões recauchutados com 28 anos de idade e que por estas alturas costumavam estar (stored) encostados em algum canto de algum aeroporto. Por acaso sabe quanto custa à Tacv e ao governo de Cabo Verde, cada hora de voo destes aviões?
Além do aluguer de aviões (wet leasing) o contrato de gestão assinado com Icelandair, tem um custo aproximado de 1 milhão de Euros por ano, pagos pela Tacv e governo de Cabo Verde. Sabe que até hoje a Icelandair não meteu um centavo na Tacv? Que raio de parceria é esta?
Disse também que existem milhões de passageiros na Africa, América do Norte e do Sul à espera da Tacv. Sabe o Senhor de[censurado]do quantas Companhias aéreas de renome já operam nestes mercados há anos e já com implantação garantida? Quando a Tacv lá for, irá competir com galos e a ver vamos. Portanto para terminar, o que a Icelandair anda a fazer aqui na Tacv é puro negócio e a ganhar muito dinheiro e a tirar postos de trabalho a muitos cabo-verdianos.
Responder
+1 # SÓCRATES DE SANTIAGO 09-11-2017 15:36
Um mau artigo, diga-se de passagem. Este texto de tão mau e absurdo que é não deveria ser escrito e nem mandado publicar. O senhor de[censurado]dinho Luís Carlos Silva nem parece "menino da Praia" e de Santiago. Meu Deus! Como é que o Poder transforma as pessoas desta maneira?! Tornando-as cegas e não pensantes, ignorantes e ridículas?! Acha justo o senhor de[censurado]dinho a deslocação da base dos TACV da Praia para o Sal, passando os passageiros na e da Praia a viajar para o estrangeiro a partir do Sal, com todos os constrangimentos que isto acarreta? Acha justo o senhor de[censurado]dinho que o obscuro e vil negócio feito entre o Governo da República, a BINTER e a ICELANDAIR seja custeado com o suor e o pouco dinheiro deste povo calado e sofredor da Praia, de Santiago, do Fogo, da Brava e do Maio? O senhor de[censurado]dinho não acha um grande retrocesso, depois de todo o investimento feito no AEROPORTO INTERNACIONAL DA PRAIA, para voos internacionais directos, ter agora de se os fazer, apanhando obrigatoriamente a BINTER para o Sal e depois ser transportado através da TACV/ICELANDAIR para o estrangeiro? O senhor de[censurado]dinho não acha feio e absurdo uma companhia de bandeira nacional de um País não voar para a Capital desse mesmo País, como escreveu e bem o articulista Francisco Carvalho neste jornal "on line"? O senhor está a imaginar a TAP a não voar para Lisboa o Air/Senegal a não voar para Dakar? Nesta incrível e inquietante saga de VENDER, VENDER, VENDER, os senhores do MPD já se esqueceram dos interesses nacionais e da dignidade nacional. Não me espanta um dia acordarmos com o País e nós todos cabo-verdianos vendidos. Nesse dia, então, nesse dia, eu e os meus manos verdianos passaremos tristemente a ser estrangeiros na nossa própria terra. E já será tarde demais!...
Responder
+2 # Gastao 09-11-2017 11:25
Quantas contradições! Qual é a mera: quantidade de aviões ou market Share? E disso ninguem fala! Market Share, Business, vendas, kumbu Oh cabeça vazia!!! Centralizar o Hub no Sal? Não a TACV decidiu ddclarar o AIAC o HUB das suas operações! Nem mais! Olha olha Sr. Economista de meia tigela que ter 3 Boeings, logo aviões, mais os que vinham em Wet Lease e não ter mercado é que conduziu a TACV à desgraça em que se encontra! 11 aviões, velhos e descontinuados, sem mercado, pode conduzir o país à falência, ouviu Sr. De[censurado]deco?
Responder
+2 # Lito 09-11-2017 11:13
!!! Chega de opiniões sobre este assunto. Precisamos de estudos que provem por A+B as consequências financeiras desta decisão para o país e sobretudo para os clientes.
Opinião todos têm e, muito sinceramente, valem muito pouco.
Responder