Pub
Por: Janira Hopffer Almada

janira ponto de vista

Sua Excelência, o Senhor Presidente da Republica, no seu Discurso proferido na Sessão Solene de 13 de Janeiro, fez uma grande chamada de atenção para práticas populistas e perigos inerentes à demagogia.

O Presidente da República tem toda a razão quando emite esse alerta que, aliás, deve ter sido impulsionado pela insatisfação reinante na sociedade e que terá sido motivada, em grande medida, pela experiência vivenciada (sentida, lida e auscultada), nestes últimos 4 anos!

De facto, só por puro populismo um Partido pode dizer que apoia o mérito e a competência, e a sua primeira medida, depois das eleições, ser a revogação da Lei dos Concursos Públicos e o fim dos concursos públicos nos cargos de chefia no Estado.

Só por mero populismo, se pode prometer, nas campanhas e no Programa do Governo, Taxa “0” para as PME’s, para depois se arquivar essa promessa, consciente de que mais de 90% do tecido empresarial cabo-verdiano é composto por micro, pequenas e médias empresas.

Só por demagogia, se pode prometer, nas Campanhas Eleitorais, acabar com toda a criminalidade e garantir a segurança máxima, sobretudo quando NÃO se pretende investir em políticas sociais (como está ficando evidente), para reduzir as desigualdades e combater a pobreza.

Só por puro populismo se pode prometer isenção da taxa moderadora na saúde, e, depois, se oferecer aos cidadãos uma redução de 20% no orçamento de investimento na saúde, reduzindo consideravelmente as respostas no sector da saúde.

Só por demagogia um Ministro das Finanças, que também é Vice-Primeiro-Ministro, vai a Paris anunciar a mobilização de 850 milhões, num Fórum de Investimento, para, depois, ser apanhado em contra-mão e se concluir que, afinal, o valor mobilizado tinha sido de 39 milhões e muito antes da sua ida a Paris.

Só por populismo, se anunciam “ecossistemas de financiamento”, para depois Cabo Verde perder 10 posições no Doing Business e os Empresários continuarem “sufocados” e a enfrentar sérios problemas de financiamento.

Só por demagogia se pode dizer que “Há dinheiro que nunca mais acaba” e os Funcionários Públicos, a quem se prometeu uma actualização anual dos salários, não verem a “cor desse dinheiro”, depois de 5 Orçamentos de Estado aprovados.

Só pelo mais profundo exercício de populismo, uma Maioria pode dizer que resolveu o problema de transportes aéreos, quando o que fez foi vender a Companhia de Bandeira, sem publicar uma única folha de papel e a preço de rifa (por 48 mil contos, dos quais não recebeu ainda nem um tostão), ficar com todas as dívidas para pagar, excluir o segundo maior centro populacional do País (a Ilha de São Vicente) das ligações internacionais da CVA e, “sem mandar nada”, continuar a insistir que as ligações estão melhores.

Só por demagogia, um Governo pode entender que resolveu o problema dos transportes marítimos, quando acantonou os Armadores Cabo-verdianos, passando-lhes um atestado de incompetência e menoridade, num concurso totalmente intransparente, entregar a concessão a uma Empresa Estrangeira, menosprezando toda a experiência e know-how dos nacionais, e, ainda não satisfeito, conceder um aval de 518 mil contos a essa Empresa, só para mostrar aos cabo-verdianos que não podem ser os protagonistas do desenvolvimento do seu País.

De facto, a demagogia e o populismo exacerbados desta actual Maioria representam um verdadeiro perigo para o País!

Tem razão o Senhor Presidente da República, quando alerta os cabo-verdianos desse perigo, pois, desde 2016, que este País tem sido assolado por uma demagogia sem precedentes e por um populismo que espantaria até os mais conhecidos populistas da história da Humanidade.

E, também concordando com o Presidente da Republica, é possível governar Cabo Verde melhor!
Nós diríamos, até, muito melhor!

Bastaria que o Governo deixasse de ser populista e demagogo e, ao invés de anúncios, apresentasse e implementasse medidas, pensando em TODOS os Cabo-verdianos e não apenas num pequeno grupo.
Bastaria que o Governo colocasse, em primeiro lugar, os interesses do País, e governasse para TODOS os cabo-verdianos.

Artigo publicado pela autora no facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # copyright 14-01-2020 21:33
bom artigo e em tempo útil .
Responder
+1 # Kulundjulu575 14-01-2020 19:00
Ó Ja, o sr Pr da República é o cgefe e comandante de Pelotao. Ele e o Ti Léla sao professores Mor dessa disciplina desde 1972....
Nao deixem nada enganar-vos eles estao juntos como unha e carne.....
O Zona é que é o chefe da esquadrilha...
Responder