Pub
Por: José Carlos Brito

 Jose Carlos Brito

Tratar-se-ia de um incidente caso algo anormal ou alheio às previsões que se constam de todas as obras públicas de natureza hidráulica, o que não é o caso. Deu no que deu em resultado de teimosia, casmurrice, persistência e total ignorância a variadíssimas chamadas de atenção que pelo simples imperar de bira política substituiu o bom senso dos subsídios contributivos a uma maior qualidade das obras (públicas). Nos dias que correm, existem variadíssimas opções construtivas a se recorrer/consultar antes de se arquear em películas cosméticas eleitoralistas que por fim acabam sempre desgraçando o erário publico, no caso municipal que a nós todos pertence. É de uma incompetência autárquica/técnico terrível ter que intervir num povoado e sob narrativa duma “REQUALIFICAÇÃO FARSÁRIA”, sem ter em conta os elementos topográficos básicos, no caso, o declive local e a sua inserção numa enseada de natureza que se conhece.

Qualquer um que tivesse levado em seriedade a responsabilidade sobre coisa pública devia saber das necessidades básicas omitidas em tais obras tais como: TALUDES, DRENAGENS, VALETAS, SUMIDOUROS, PH's, sem falar em dipositivos de contenção da encosta adjacente, isso tudo numa demonstra da ligeireza e caracter sub amadorista com que se encarou a dita 'requalificação'. De resto, em nenhuma organização que preze pelo bem comum e sobretudo de NATUREZA PÚBLICA, tais acções não se devem levar a cabo de forma aleatória sob pena de se comprometer a qualidade e sobretudo a FUNÇÃO das obras. E nisto certamente, não serão os assessores de comunicação, nem comissários de serviço nem os avençados pelo presidente que nos fazem CALAR. As contas só se fazem em 2020.

PAICV Santa Catarina

18/10/2019



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # De Ribeira da Barca 20-10-2019 13:39
Kuzé Ki PAICV fazi na Ribera da barca durante 15ano de mandato? PAICV de Somada debi xinti burgonha di papia di des zona ki nunka es fazi nada.Si nhós Ka dexa di kes puliticka di tera kemada li , nhôs ta kastigadu senpri. Nhôs kontinua ta inpara mel na kalman sem fundu, nhôs ta odja rispota Ki mundu ta da nhôs.
Responder