Pub
Por: Manuel Faustino

Manuel faustino 1

Continua a repercutir-se muito negativamente a utilização de uma publicidade agressiva de uma marca de bebida alcoólica que procura aliciar crianças e jovens para o consumo desse produto.

O fato das pessoas reagirem a esta situação é muito positivo, pois demonstra que estão atentas, que consideram que o estímulo ao uso de bebidas alcoólicas é um atentado à saúde pública, à estabilidade da família e à coesão social.

Na verdade o uso abusivo de bebidas alcoólicas continua, entre nós, a ter consequências nefastas, figurando entre as principais causas de morte e de doença e a estar envolvido nas diversa formas de violência, incluindo o abuso sexual de menores.

A agressividade da referida publicidade, que, eventualmente, poderá ser objeto de procedimento judicial, contem dois aspetos que convém destacar. Por um lado, traduz a crença segundo a qual essa atividade é um importante instrumento indutor de comportamentos propiciadores de lucros, independentemente dos males que possam causar e por outro a obsessão de aproveitar da forma mais agressiva possível, o tempo que resta até a entrada em vigor da lei que interdita todo o tipo de publicidade de bebidas alcoólicas, a cinco de outubro próximo.

A propósito da nova lei do álcool, não duvidamos que a fiscalização da sua aplicação é um dos seus aspetos centrais e, por isso, a este aspeto deve-se conceder a maior importância, mas para além do inadiável reforço técnico e institucional da fiscalização, há que ter em conta que o principal fiscal deve ser o cidadão, uma vez que o objetivo central da lei é a proteção da saúde do cabo-verdiano.

Este deve auxiliar o sistema de fiscalização, criticá-lo, quando necessário, mas sempre numa base realista e informada. Nesse quadro, não consideramos adequado criticar os fiscais pela existência da publicidade em apreço. Na realidade, uma vez que a nova lei ainda não entrou em vigor, a publicidade de bebidas alcoólicas não pode ser proibida, o que não impede a analise de possíveis infrações, nela contidas, à luz da lei ainda em vigor, o que está a ser feito.

De qualquer modo importa realçar que as pessoas estão atentas e que os espaços para manobras inadequadas de condicionamento das pessoas para consumos inadequados estão a ficar cada vez mais restritos.

A Coordenação da “Campanha Menos Álcool Mais Vida”  



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Torres 27-08-2019 09:12
Sou favor a campanha menos álcool, e é desejo de muitos que tivesse impacto positivo, todavia é necessário sintonia na linguagem entre Presidência, governos central, local e sociedade Civil.
As figuras públicas não tem dado bom exemplo, há um desfasamento muito grande entre o discurso e a prática. Temos que ser coerentes.
Responder
0 # CiA 29-08-2019 23:17
Mas kenha qui e mas gateiro qui Manuel Faustino kkkkkkkk é só trosa kkkkk
Responder