Pub
Por: Adalberto Teixeira Varela

 adalberto teixeira

Nos últimos dias tem-se discutido muito em alguns órgãos da comunicação, sobretudo, nas redes sociais, a problemática do ensino gratuito, uma vez que algumas escolas tentam cobrar taxas de matrículas e emolumentos, contrariando claramente a nova Lei de Bases do Sistema Educativo e as diretrizes do Governo. Entretanto o ME já veio acalmar os ânimos, reafirmando publicamente que, na verdade, as escolas estão proibidas de cobrar qualquer taxa aos alunos e os responsáveis que ‘prevaricarem’ serão alvo de inquérito e arcar com as consequências.

Efetivamente, o Decreto-legislativo nº 13/2018, de 7 de dezembro, estipula que o ensino básico em Cabo Verde é universal, obrigatório e gratuito, do 1º ao 8 º anos de escolaridade.

Significa que os estudantes do Ensino Básico Obrigatório estão isentos de pagarem propinas, taxas e emolumentos relacionados com a matrícula, bem como as inscrições e pedidos de certificados de aproveitamento.

E em relação ao ensino secundário a gratuitidade será efetivada de forma faseada e progressiva até o ano letivo 2020-2021.

Conceito de Gratuito

“Nada que o Estado fornece é gratuito, o indivíduo é o único criador de riquezas.”

(Margarete Thatcher)

É sabido que gratuito significa de graça, ou seja, que não se paga. Assim, tendo em conta o significado, os pais e ou encarregados de educação não devem pagar qualquer despesa relativamente aos estudos dos seus educandos. Aliás, o ensino básico gratuito já é implementado em muitos países, principalmente na Europa, onde o salário de uma empregada doméstica é superior ao de um professor com formação superior e no topo da carreira.

Por exemplo, na Finlândia, para além da educação ser totalmente gratuita, os alunos têm também acesso grátis a refeições, visitas de estudo, atividades desportivas, transporte escolar, todos os materiais escolares, incluindo livros didáticos, uniformes, computadores individuais e tablets. Nesse país é proibido cobrar qualquer taxa aos pais.

Por outro lado, é de se realçar que a Finlândia é o país, em que os impostos mais caros da Europa. A carga fiscal é bastante alta, atingindo 51,6% do seu Produto Interno Bruto (PIB).

Assim, na ótica de Margarete Thatcher (antiga Primeira Ministra da Grã-Bretanha), podemos concluir que o ensino na Finlândia, na verdade, acaba por não ser gratuito. Ademais, ainda segundo ela, “não existe dinheiro público. Existe apenas dinheiro do pagador de impostos.” Portanto, neste caso, são os finlandeses que pagam a Educação dos seus filhos.

Em relação ao nosso país, é possível o Estado garantir o ensino gratuito a todos os alunos?

Podemos considerar que o ensino básico é gratuito só pelo facto de os alunos não pagarem as propinas, taxas e os emolumentos?

Contudo, essas despesas ‘suportadas pelo estado’ correspondem a apenas uma pequena percentagem dos gastos dos pais. Pois, eles continuam a suportar a aquisição de todos os materiais escolares, os custos com o transporte, fotocópias, lanche, uniformes, vestuário, assistência médica e medicamentosa…

Sendo assim, não podemos afirmar que o ensino em Cabo Verde é gratuito e mesmo que fosse, não seria o Estado a suportá-lo, mas sim o povo que paga os impostos e que acabam por cobrir essa suposta gratuitidade.  

Saudações Pedagógicas.

Assomada, 3 de junho de 2019.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 30-06-2019 11:29
Na Escola do EBO do Lavadouro, na Cidade da Praia, o Gestor/Responsável anda a cobrar 1200 escudos pela matrícula, fazendo vista grossa à lei. A Inspeção Geral da Educação deveria lá ir para ver in loco o que se está a passar e agir em consequência.
Responder
0 # Arena crítica 09-06-2019 20:11
De facto tens razão. Mas o texto tem alguns déficit de de argumentação.
Responder
+1 # Andrade Natalino 04-06-2019 10:00
Ponto de Vista retratado de forma simples e clara. "Simplicidade é o último grau de sofisticação". Cptos Adalberto.
Responder