Pub
Por: José Maria Neves

JMN1 

Sua Excelência Senhor Primeiro Ministro de Cabo Verde acaba de regressar de Lisboa onde discutiu com o PM António Costa vários acordos de cooperação, no quadro da Cimeira ao mais alto nível entre os dois países.

As nossas relações, desde a independência, sempre foram excelentes.

Em 2010, a meu pedido, elevamos o nível do diálogo intergovernamental e institucionalizamos as Cimeiras entre os dois Chefes de Governo, de dois em dois anos.

Trabalhei enquanto Chefe do Governo com seis Primeiros Ministros de Portugal: Guterres (PS), Durão Barroso (PSD), Santana Lopes (PSD), José Sócrates (PS), Passos Coelho (PSD) e António Costa (PS). Todos eles agiram em relação a Cabo Verde com grande amizade e elevado sentido de Estado.

Com todos eles discutimos linhas de crédito - aliás, algumas das linhas de credito foram herdadas de programas de cooperação negociados entre os Governos de Carlos Veiga e de António Guterres -, financiadas por bancos portugueses e com juros bonificados pelo Tesouro daquele país, de modo a garantir os níveis exigidos de concessionalidade.

As linhas de crédito, tendo em atenção os montantes e as exigências bancárias, não seria razoável fazer de outra forma, foram sempre criadas com base em estudos fundamentados e aturadas negociações entre os Ministérios das Finanças dos dois países e os bancos envolvidos.

Dizer, como fez hoje o Senhor Primeiro Ministro de Cabo Verde no Parlamento, que o financiamento do Programa Casa Para Todos foi um negócio entre dois Primeiros Ministros socialistas não passa de uma brincadeira de mau gosto.

Também não adequadas foram as declarações do PM de Cabo Verde em como os Governos de Portugal foram enganados nesse processo. Mais respeito e contenção é o que se exige dos mais altos dignitários do nosso país.

As relações entre os dois países nunca foram partidarizadas, são relações entre estados e têm sido conduzidas com elegância, responsabilidade e defesa dos interesses nacionais.

Nas relações externas, por razões da necropolítica interna, por manifesta intolerância mútua entre os partidos ou por motivos meramente eleitoralistas, não podemos perder a compostura e o sentido de Estado.

Estamos a tempo de arrepiar caminho e relativizar o exercício do poder - em democracia os governos são transitórios e limitados: não podem tudo, não sabem tudo e não são eternos.

Artigo publicado pelo autor, José Maria Neves, no facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # roxana aguilera 26-04-2019 00:27
Sr Neves em seu mandato ,Pt corto a linhas de créditos do Programa Casa para Todos ,corto com "elegância ,responsabilidade e defesa dos interesses nacionais ,o não ?
Responder
+1 # Luther Nelson 25-04-2019 15:49
Excelente. Aliás não se podia esperar outra compostura que não essa do ZEMA.
Força!
Responder
+1 # Piras 25-04-2019 14:24
Uma grande verdade.
O que o Ulisses Correia é Silva fez e disse no parlamento é de lamentar. Dessa forma fica difícil relacionar com outros países.
Responder