Pub
Por: António Neves

António Neves

O ministro de Estado já nos habituou com mensagens salvíficas nas suas intervenções no Parlamento, mas tem desacertado quase sempre. Ontem voltou à carga, dizendo que a regionalização é uma reforma fundamental e que os deputados tinham uma soberana oportunidade de fazer um grande trabalho por Cabo Verde, dotando-o daquilo que lhe falta para dar o salto - a regionalização. um discurso, verdade seja dita, nada original. Os políticos cabo-verdianos já nos habituaram com tiradas do tipo. Lembram-se, por exemplo, de quando o compacto do MCA foi considerado a 2ª Independência Nacional?

O argumento mais prazeroso e charmoso do Governo para teimar com a "sua" regionalização é o de que ela (a regionalização) é um poderoso instrumento de promoção do crescimento e desenvolvimento. Ao defender isso, o governo não se cuida de fazer estudos comparados ou de realizar estudos empíricos para comprovar e validar a sua tese: limita-se a enuncia-la e a repeti-la até à exaustão na expectativa de que ela acabará por ser subscrita e assumida mesmo pelos mais renitentes e críticos.

Não me parece que seja esta a melhor estratégia e a forma mais eficaz de governar. Creio que, qualquer que seja o governo, ele deve ser responsável perante os seus mandantes. a ética de responsabilidade devia levar o governo a um compromisso com a verdade na promoção e defesa do Bem Comum.

Então, onde é que entra aqui a regionalização actualmente em debate no Parlamento? É que o governo, ao sustentar que a regionalização vai promover o desenvolvimento do país, está a tomar uma decisão baseada num pressuposto falso e a ludibriar os cabo-verdianos. É falso que a regionalização em algum tempo ou lugar tenha sido utilizada como um tal instrumento. A tese do governo também não colhe por não resistir a um teste facílimo de se fazer: o Presidente da UCID acabou de elencar no Parlamento um conjunto de situações que, no seu entender, têm atrasado ou dificultado o take-off da sua ilha. Pergunta-se: em que medida a regionalização vai resolver ou remover os "pedregulhos" apontados por aquele responsável? Se eles já estão identificados por que esperar pela regionalização?

Objectivamente falando: como é que a regionalização vai viabilizar o projecto de águas profundas do Mindelo? Como é que a regionalização vai viabilizar os voos da TACV de/para S. Vicente? como é que a regionalização vai resolver a conectividade entre as ilhas? E por aí podem ir mais umas tantas outras perguntas ...

O desenvolvimento é uma matéria complexa, integrada e multissectorial. Não é uma questão administrativa. è a regionalização que vai fazer "pipocar" oportunidades de desenvolvimento pelas ilhas? Ou é ela que fazer jorrar poços de petróleo no país? É a regionalização que vai resolver o problema da disponibilidade e custo de factores, como água e energia? É a regionalização que vai tornar os gestores e quadros em geral mais capazes, competentes e produtivos? É a regionalização que vai unificar e alargar o mercado disponível às empresas?

Precisamos, sim, de reformas: da justiça, do ambiente de negócios, da redução do peso do Estado na sociedade e na economia, do sistema de governo, do sistema de representação, do sistema de partidos políticos. uma reforma ampla. integrada e compreensiva. Para, de facto, a democracia e o estado de Direito democrático serem colocados como instrumentos eficazes e efectivos de realização do Bem-estar e da felicidade dos cabo-verdianos. A regionalização por consumir recursos escassos (sem dar nada em troca) que fazem falta em outros sectores como a saúde ou a educação - esses, sim, verdadeiros promotores do crescimento - só vem comprometer e atrasar o desenvolvimento do país.

Artigo Publicado pelo autor, António Neves, no facebook

*Título da responsabilidade da redacção



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Adriano Toni Freire 30-03-2019 13:27
Regionalizacao e a melhor saida para o desenvolvimento e progresso de Cabo-Verde...Cabe a cada ilha defender os intereses da propria ilha, no sentido economico, industrializacao, Turismo, etc...de acordo com a potencialidade de cada ilha em prol do desenvolvimento nacional...USA, por exemplo cabe a cada State defender os intereses do proprio estado e existe issues que a administracao deixa nos criteritos e a cargo de cada governador do estado para decidir...Regionalizacao nao quer dizer que nao existe ou havera um controlo CENTRAL...
Gostaria de ouvir alguen explicar quais sao as desvantagens da regionalizacao e o que que se deve ser feito ou invez da regionalizacao...por origem Cabo Verde ja e REGIONALIZADA em 10 regioes ...aponte um filho da terra competente para visionar o desenvolvimento da ilha, nao importa se for com visoes politicas deferente, PAICV, MPD, UCID, desde que tem cabemento para o desenvolvimento NACIONAL....

ps
meu ponto de vista e desculpem se o meu portugues esta desatualizada :)
Um Badiu em algures de USA
Responder
0 # Djack 29-03-2019 15:53
Lebre para Santiago, como sempre, e gato para as demais ilhas!
Responder
0 # Augusto Borges 29-03-2019 19:13
É conveniente consultar o relatório do Banco Mundial que apresenta os indicadores do desenvolvimento a nível nacional antes de continuar a fazer afirmações gratuitas.

O problema de Cabo Verde é conseguir ter governantes sérios, responsáveis e com carácter. O parlamento parece ser um espaço reservado para teatro. Classificam os caboverdianos de atrasados mentais.
Responder