Pub
Por: José Maria Neves

 JMN1

Cada um, legitimamente, tem da política e dos políticos uma avaliação própria, que resulta dos seus sentimentos sobre as atitudes e os comportamentos dos principais atores políticos ou a efetividade das políticas públicas. Quando os políticos agridem uns aos outros, tentando destruir e eliminar os adversários, estão, quiçá inconscientemente, a destruir a si próprios e a comprometer, muitas vezes irremediavelmente, a imagem de toda a classe política.

A pedagogia política é, pois, fundamental. António Damásio escrevera que é importante “educar massivamente as pessoas para que aceitem os outros... se não houver educação massiva, os seres humanos vão matar-se uns aos outros”

Os partidos e os políticos têm profundas responsabilidades na educação para a cidadania, um dos grandes desafios da democracia . Bobbio escrevera que a educação para a cidadania é uma das promessas não cumpridas da democracia.

Educar para a cidadania na linha da defesa da liberdade, da democracia, da amizade e da tolerância. Aceitar os outros é reconhecer a diferença, é ser tolerante.

A democracia é o debate de ideias. Se nos estribarmos na desejável diferença de ideias, para os debates que são necessários, se aceitarmos que todos têm direito à palavra, se trabalharmos para que as políticas públicas contribuam para o bem comum e para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, a política resulta aos olhos dos cidadãos como atividade humana nobre.

O cansaço das instituições democráticas e o desprestígio da política e dos políticos têm muito a ver com a falta da educação e de preparação para o debate.

Tempo de, em Cabo Verde, pensarmos mais sobre a política, o papel dos partidos e dos políticos, a finalidade dos debates e a fundamental importância da liberdade de espírito e da tolerância para a consolidação da democracia.

A educação política precisa-se, hoje mais do que nunca. A educação para a cidadania é tão necessária quanto urgente. Se não corremos o risco de matar-nos uns aos outros.

Artigo original publicado pelo autor no facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Rui Alves 19-02-2019 16:06
Para ter credibilidade e idoneidade, terá que pedir desculpas aos “burros na ladeira”, à “ave de rapina”, aos “intriguistas”, aos “ratos”, aos “partidos que são financiados pelo dinheiro da droga”, etc, etc.
Responder
0 # A. Gonçalves 19-02-2019 15:20
Ótimo JMN, nada a fazer. O mal está e a dizimação é jauma realidade. Primeiro mata-se o carácter e depois o corpo. Repare nas reações: autêntico massacre de caráter. Logo, logo virá o homicídio físico.
Responder
0 # Carlosgomes 19-02-2019 12:45
Caro Galinha Fenhe,

Realmente voce e uma galinha. Apresente argumento contra a minha critica. Abraco.
Responder
0 # Cristiano Tavares 16-02-2019 17:58
Mais um político querendo fazer política. Quando ouço um político ou leio o que escreve,com o propósito de angariar apoio para poder ter aexclusividade do exercício de poder político, não deixo de ter em conta, com nojo, do que os outros políticos, José Ulisses Correia e Silva(actual PM de Cabo Verde ) e Olavo Correia(actual vice-PM de Cabo Verde) fizeram na qualidade de Presidente da CM da Praia e Administrador da Tecnicil Imobiliária, respectivamente, na materialização do Acordo de Compensação pela Área Ocupada, assinado entre CMp e a Tecnicil Imobiliária. Nesse Acordo, UCS aceitou comprar 21,8 ha de terreno rural por 765 553 600$00, a razão de 3 500$00/m2; quando a Tecnicil houvera comprado 40 ha do mesmo terreno por 6 000 000$00, a razão de 14$00/m2.
Que os políticos, nesta terra, me deixem em paz, por favor.
NB:Espero que alguém me desminta no que escrevi
.
Responder
0 # Carlos 16-02-2019 09:59
Caro Sr. articulista,

O seu artigo de opniao e uma nulidade. O articulista perdeu-se no meio das palavras e citacoes. Os paragrafos estao muito mal estruturados. Nao existe concordancia entre eles.Muito fraco.
Responder
0 # Galinha Fenhe 16-02-2019 14:51
O Sr. Carlos está FU, ainda mais com o Relatório do Banco Mundial que põe o Zé Maria Riba la, como CAMPEÃO no cambate à pobreza em África de 2001 a 2015. Dja nhos fica tudo cima galinha fenhe na frio
Responder
+1 # Daniel 16-02-2019 00:23
Pena que não tenha dado esses conselhos aquele rancoroso e esquisofrênico JMN que com má educação e prepotência disfarçadas, geriu o PAICV e o País durante quinze anos, aproveitando da lealdade, combatividade, solidariedade e notoriedade dos seus Camaradas para as sucessivas conquistas e, depois, partilhou os benefícios do Poder com os seus rapazes e raparigas, a quem, no fim, deixou o Partido prenhe de problemas dado a falsidade e corrupção dos processos internos. Com muita pena, só agora o articulista descobriu os ensinamentos de Mandela, os escritos de N. Bobbio, e as lições de Antonio Damásio. Tivesse ele assimilado essas referências da Real Polític, aqueles que tanto fizeram para o ajudar a mascarar as suas esquisitices e Reinar por tanto tempo, não estariam hoje na Borronceira do Partido que ajudaram a
construir, com suor, sangue e lágrimas !
Responder
+1 # JOJO 15-02-2019 23:50
Ainda nao vimos nada pois acredito que indo nesta direçao sem mudar de rumo primeiro perde-se confiança nos que estao a fazer da politico um meio bonificado de vida de relativa pompa. O pior vira mais tarde quando o crioulo perder a paciencia e nao tendo mais nada a perder comece um processo de assassinio selectivo do que estao a apoderar-se, malgastar e delapidar os parcos recursos do pais beneficiando personalidade estrangeiras (brancos europeus) individuais ou colectivas em detrimento do nacional. Melhor mudem ou entao preparem-se para enfrentar a vossa propria eliminaçao fisica.
Responder
0 # Firmino Bessa 16-02-2019 19:00
Gostei
Responder