Pub
Por: Dom Danillon

 

Dom Danillon1

Ainda que fosse todos os dias, estou decidido a denunciar todos os abusos perpetrados com Chã das Caldeiras e sua Gente, mesmo que não responda os comentários imbecil de parasitas que defendem a falta de respeito e abusos de poder só para defender "mamas".

Para a infelicidades dos pseudo-democratas continuarei a prolongar esta voz daqueles que não têm Voz e pretendem inibir com tretas que sou chato. Todos os disparates vou denunciar até que o Respeito pelas pessoas seja revisto, pois se a qualquer momento surgir algo indesejável sejam devidamente responsabilizados.

Ferro, como todos conhecem, Fernandinho di Quitu, aproxima da minha casa de Portela, era segunda vez que ia para minha casa, ele é coxo mas um homem incansável, tem muitos afazeres, mas é um primo amigo, pessoa generosa. Mas era muito cedo o que estranhei.

Estava ele muito triste, olhos vermelhos de quem chorou muito horas antes. Os seus olhos verdes brilhantes e a "boiar di água" .

Mesmo antes de me saudar rolavaram as lágrimas pela face sofrida.

- Então rapaz, o quê que se passa?- Perguntei um pouco preocupado.

Ferro me disse que o desculpasse e que não queria me meter em problemas mas que fosse com ele a Rombado ver o que aquelas pessoas (referindo a empresa construtora responsável para a construção da Via) o fizeram ao seu terreno batatas.

Havia poucos dias que Ferro vendera a uns trabalhadores da Elevo trezentos quilos de batata comum. Era o coração de todos os terrenos de Fernandinho. Desde pequeno que o pai lhe deu este pedaço de terra e ali trabalha com mais afinco adubando -o com o esterco dos animais. Nos ultimos tempos não saira do sítio para evitar predadores, amigos do alheio, pois o terreno fica ao pé da via e por isso redobrava a vigia. Mas já tinha feita a colheita e nestes dias não passou por lá.

Sem qualquer aviso, a terra dele foi invadida pelas máquinas que o reviram conforme podem ver na foto abaixo e retiram videiras com muitos anos, plantando e arrancaram de novo para por noutra parte sem a presença dele.

Desde ontem que ele está transtornado a beber e chorar.

Na verdade, fui lá ver, parece que ha uma pré disposição em atacar a nossa calma, os nossos bens, tudo porque não estar de acordo com a forma desrespeitosa que tratam os nossos problemas.

Todos devem lembrar porque foi notícia que o Presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina do Fogo disse que brevemente (era finais de Outubro salvo erro) propiciava uma reunião com os agricultores que reclamavam sobre o traçado da via em terrenos agrícolas.

Não aconteceu a dita reunião apesar de notarmos um novo traçado noutros sitios sobre as lavas. Acreditamos que teriam mudado o traçado, mas nesta parte parece que prevalece ainda confrontos neste sentido.

Não havia necessidade alguma que o traçado passasse nas terras do Fernandinho, pois é um ponto onde a via esta mais próxima da bordeira uma escarpa vertical de aproximadamente mil metros. Talvez mais longe do Pico pequeno o foco eruptivo de 2014. As pessoas estão perplexas e acham que há incentivos para provocarem as pessoas.

O RESPEITO pelas pessoas exige que os responsáveis falem com os proprietários antes de qualquer intervenção, pois os proprietários são surpreendidos ja que em muitos sítios (sensíveis) ainda não tem sinal por onde passa a via.

Já é hora de todos os cidadãos da Caldeira unir em defesa dos nossos interesses e ter a sua própria voz. Exigimos simplesmente o Respeito e transparência e isso só será possível com o Diálogo.

Fica aqui esta denúncia, para que depois não venham a dizer que não disse. Continuando com esta atitude abusiva por parte dos responsáveis, responsabiliza as autoridades e governantes que recusam o Diálogo em detrimento de provocações.

CHÃ DAS CALDEIRAS está com Fernandinho, porque ele é nosso irmão e um homem trabalhador e respeitável.

Se você meu amigo estiver de acordo comigo que as nossas exigências de DIÁLOGO, RESPEITO E A TRANSPARÊNCIA , são normais, partilha para que todos saibam desta afronta ao nosso povo.

Artigo publicado pelo autor no facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Fcardoso 20-01-2019 17:57
Acione a Justiça se efectivamente quer a Justiça nesneste particular. A Justiça deve funcionar. O Senhor agora fala, diz o que diz, por estares num estado de direito. Antes não era possível.
Responder