Pub
Por: Paulo Ferreira Veríssimo

Paulo Veríssimo

Aquilo que nos devia unir não nos une com a força necessária capaz de dar solidez a essa união. Refiro-me, concretamente, às duas datas maiores da nossa história recente, o 5 de Julho (dia da independência nacional) e o 13 de Janeiro (dia da liberdade), ou melhor, à forma como são apropriadas pelo PAICV e pelo MPD, um chamando para si a paternidade do 5 de Julho e outro a do 13 de Janeiro, respectivamente.

Não estão aqui em causa os factos nem os protagonistas, até porque “factos são factos”; o que muda é a forma como nós os apreendemos, construímo-los discursivamente e procuramos passar a nossa narrativa. O que está aqui em discussão é o pressuposto, ou melhor, a perspectiva da história que está na base da narrativa que esses partidos construíram e procuram perpetuar à volta dessas datas. Trata-se, em parte, de uma perspectiva já hoje ultrapassada: a história é a dos grandes heróis ou dos grandes feitos, ou, se se quiser, a história é, como diria o historiador inglês Thompson, “ a história dos vencedores”. Ficam sempre por contar as outras histórias ou narrativas: a dos não heróis, dos “derrotados”, e de outros feitos.

A forma como essas datas são apropriadas pelo PAICV e pelo MPD legitima a narrativa desses partidos, deslegitimando outras, estabelecendo também quem pode e deve contar o quê; no limite, quem, legitimamente, pode ou não festejar o quê. No fundo, essa perspectiva não permite uma apreensão inclusiva e global da história, o que numa sociedade como a nossa, marcada por um sufocante bipartidarismo, não tem permitido a necessária convergência em torno dessas datas ou a emergência (de forma visível) de outras narrativas sobre elas.

Entretanto, nota-se da parte do PAICV, particularmente nos últimos anos, uma maior aproximação ao 13 de Janeiro, tendo passado a comemorar esta data e procurando dar visibilidade nos media às suas actividades neste sentido. Genuína ou não, pode tratar-se de uma estratégia (?) que pode vir a “desmistificar” a narrativa prevalecente ou dar visibilidade a uma outra narrativa sobre o 13 de Janeiro.

Alheia a esta situação de apropriação dessas duas datas pelos partidos políticos já referidos está a geração swag ou play, nascida nos anos noventa, com uma ligação um tanto quanto ténue em relação a esses marcos, o que parece não preocupar nem perturbar ninguém.

Finalmente, uma questão que é importante colocarmos sobre a mesa: porquê essa “mania” cabo-verdiana de reconhecer ou assumir a paternidade, silenciando ou diluindo a maternidade?

Paulo Ferreira Veríssimo

Sociólogo

(publicado pela vez primeira em 2016, no então jornal A VOZ)



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar