Pub
Por: João Matos

João Matos

Estive a fazer uma ronda pelo mundo das redes crioulas para ver a quantas andam os submundos da Loucura e das Artes. Deparei-me aqui e ali com muita ignorância de ambos os lados. Essa ignorância política, filosófica, social, literária ou artística que reina no Arquipélago da Nulidade.

Todos têm uma opinião, todos pensam saber muito daquilo que apenas dizem umas asneiras. Li conceitos sobre as Artes, sobre Estéticas, sobre isto e aquilo, mas lançados assim no ar sem qualquer sustentação cognoscível.

Textos de gente que nunca abriu um manual de História da Arte e de Filosofia da Arte ou que tenha lançada um olhar sequer sobre um texto dramático de Sófocles e Shakespeare ou de Estética de Aristóteles, Kant ou Baumgarten.

Espanto ou Aflição?! Como é evidente é o aflitivo que sai a ganhar esta batalha do conhecimento, a que me refiro em quase tudo o que escrevo. Uma bagagem cultural que não faz parte do modus vivendi das elites crioulas. Tanta gente formada, digamos, que passou pelas Universidades e Escolas Superiores, mas, com cabeças vazias, que mete medo!

Gentes que fazem Política, que fazem Cultura, etc, mas incapazes de trabalhar com ideias abstractas, com conceitos políticos, filosóficos, geométricos ou artísticos.

Fala-se muito de Arte estes dias nas Ilhas, por causa de dois quadros do artista Tchale Figueira, obras censuradas por deputados ignaros do Parlamento, lugar de debate por excelência. Debate?! Como, se acabo de escrever que não há valor acrescentado, na cabeça de tanta gente formada, em Universidades, onde se aprendeu mais de Ideologias marxistas do que Ciência, Artes e Humanística.

Claro que, em Ideologias, estão inclusos conceitos. Mas conceitos artísticos da Arte marxista, da Arte do proletário, do realismo socialista, cubano, como na foto do Che tão venerado naquelas Ilhas, de Brecht, tão divulgado entre as massas revolucionárias, mas nada sobre o que chamam Arte burguesa e seus artistas e filósofos.

Porquê estes tiques culturais na terra? Pelas razões que venho dizendo e escrevendo: a situação do crioulo é trágica, porque saiu do fascismo e entrou nos comunismos, cubano, soviético, marxista-leninista, de maneira avassaladora.

Sou céptico quanto ao futuro do Arquipélago, porque, os jovens hodiernos, continuam a ouvir os discursos ideológicos dos pais e avôs, que tomam conta da terra desde 1975.

É urgente que se faça um verdadeiro debate com gente bem preparada em todas as áreas do Saber e do Conhecimento, com destaque para as Artes, nos seus diferentes vectores e disciplinas da Mente: Neurociências, Filosofia do Espírito, Humanística... E já agora, porque estamos a mudar de paradigma, com uma Cultura digital e Biotecnológica!

Se este debate não for feito, urgentemente, vamos continuar a ter mentes ocas, perversas (eu escrevia aqui há dias que queria escrever sobre Mentes perversas de Políticos) e condicionadas por políticos, educadores e profissionais diversos que praticaram e praticam sistemas de pensamento filosófico inadequados para a formação de mentes sãs.

Porque não li por aí estas palavras, vou escrevê-las, a propósito desta palhaçada sobre a censura da pintura do Tchalé: foi uma acção que nos faz pensar nos nazis e soviéticos condenando artistas da chamada Arte degenerada. Posturas ideológicas do nacional-socialismo e sua propaganda artística ou do jdanovismo artístico-cultural soviético, irmãos gémeos do Mal Absoluto ! Onde estão os Neuro-pensadores das Ilhas?!!

Texto publicado pelo autor no facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Migué 20-01-2019 17:58
Oi rapaz, tens uma salada de confusão na tua mente que nem imaginas. O melhor é nao leres mais. Se pirares de vez, podes deparar com um neurocientista russo ( dos melbores do mundo) a tua frente para te dar a mao...... . Informa_te melhor e nao vomita mais asneiras. Porrrrrrra
Responder
0 # waldemar pinto 18-01-2019 09:12
Olha quem ele é!!!!Foi preciso mudar o governo para ele dar a cara..se calhar gosta mais de malhar no MPD...bem vindo a era da transparência, Al Binda!
Responder
0 # Tico Oliveira 17-01-2019 15:30
Há quem leu muitos livros e ficou convencido que é o único homem culto. Esse tipo de cultura que se resume à mera capacidade de memorizar nomes de autores, titulos de obras e ódios primários.
Este fulano pensa que só a ideologia marxista que é ideologia. Fecha um olho e não vêo capitalismo selvagem que está a destruir o mundo.
A sua arroagância é o maior sinal da sua fraqueza. Tenta espantar os outros para se afirmar. Um fraco, portanto. Crítica vazia e hedonista, como se ler um livro, sem interiorizar nada, fosse um ato de cultura. Não é. É um ato animalesco, como um animal que palha, sem raciocinar sobre nada.
Responder
0 # Rogério Spencer 17-01-2019 12:02
Aí está um Crioulo, sim com "C". É dos poucos que prende a minha atenção nos "media", J. Mattos. Assertivo o quanto basta e como poucos, sabe do que fala. Mais, não gagueja na hora de bater na ignorância. Caro Mattos, ainda não li o texto, coisa que conto fazer logo mais, porém só vim cumprimentar-te. Aquele abraço, Mattos.
Responder
0 # Neves 17-01-2019 11:51
Um tanto quanto exagerado este artigo. Querem fazer o caso do Tchale uma tempestade em copo de água?!! Qual censura, se o quadro foi retirado de um local apenas, sabendo que o artista é livre de expor o referido quadro em outros locais, para quem interessar?
Responder