Pub
Por: Felisberto Vieira

Filú Felisberto Vieira 

1. Um Ano ainda novo, recém-chegado, para o qual desejo a todos muita saúde, paz e realização. Os meus votos são generosos e não discriminam ninguém, porquanto somos todos humildes servos de Deus, iguais em tudo aos olhos Dele, a derramarem a infinita Bondade. 

2. Que Cabo Verde atinja neste 2019 novos e melhores patamares na luta contra a pobreza, o desemprego, a vulnerabilidade, a exclusão social e a criminalidade. Precisamos de uma Nação que seja mais inclusiva e de um País que produza mais, gerando riqueza e bem-estar para a equidade da distribuição social. Que o nosso povo seja cada vez mais cidadão e consciente de que é impossível adiar a soberania, a democracia e o desenvolvimento.

3. Que o nosso PAICV reentre em normalidade política, saindo do registo do dirigismo e do centralismo, verdadeiro anacronismo em pleno século XXI, em que o primado é da pluralidade, da diversidade e da complexidade. Defendo, em toda a coerência (e para tanto admito que haja o direito à tendência e a liberdade de reflexão alternativa), a necessidade de recentrarmos o Partido, sugerindo a atual liderança (detentora do mandato até 2020) a convocação urgente dos “estados gerais inclusivo” com vista a uma verdadeira e real “reunificação”, maior diálogo com todas as estruturas e organizações do Partido. É preciso construir pontes e não muros. O histórico do nosso sucesso tem-se baseado na cultura do diálogo fecundo e estruturado e na aceitação da diversidade como riqueza, na perspetiva da construção de uma UNIDADE sólida que não é uniformidade, mas unidade na diversidade.

4. Que a perigosa tentativa de purga e de expulsão dos militantes, por via de expedientes administrativos e outros de duvidosa legalidade, seja descontinuada. As questões em causa, sendo políticas, devem merecer tratamento político, prevalecendo sempre o bom-senso e o sentido dos interesses, valores e princípios do nosso Partido que é histórico não apenas pelo seu glorioso passado, mas também pelo seu potencial de propiciar um melhor futuro para todos os cabo-verdianos. Os deputados (que tomam posições de consciência e em respaldo constitucional) não podem ser perseguidos sob máscaras de processos disciplinares para que a emenda não seja pior que o soneto e para que mais uma vez (tal como nas últimas eleições presidenciais) não se combata o incêndio com gasolina. 
Temos que ser capazes de escrever e fazer História positiva, reinventando um novo Humanismo politico.

5. Que o Governo da República, mormente suportado pelo MPD, mas de todos os cabo-verdianos, retome as promessas legislativas e o instituído no Programa do Governo, sob pena de defraudar o eleitorado. Continuo a aguardar os níveis de emprego e de crescimento assumidos como compromissos a serem honrados e a materialização da despartidarização do Estado, baseada na ideia de “Nha Partido é Cabo Verde”. Que este nosso Governo vigie melhor as nomeações e as distribuições dos quadros por critérios de competência e do mérito, bem como aqueles de contributo ao país. São estas e outras as minhas resoluções para 2019.

Artigo originalmente publicado no Facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Migué 07-01-2019 21:33
Ai FILU... quem te viu e quem te vê...... mesmo dentro do partido deve haver democracia...... vá a votos..... aceita a derrota............
Responder
-1 # Jose Santos 07-01-2019 00:50
Haja saco pra tanta hipocrisia. Caramba. Conberso sabi eh ladron di tempo. Depois nao digam que nao vos avisaaamos. Encontrar-nos-emos na proxima eleison.
Responder
0 # Atlovir 05-01-2019 23:48
Kamarada Filu abo e Julio Correia kel ki unhos tinha dado PAICV dja sta. Nes momento nhos sta so ta trapadja e ta poi PAICV na vergonha. Ku nhos na PAICV nhos sta poi militantis en prigo. Nhos dimiti pamodi dja nu ka kré bzot mas na PAICV e assi ta ben da mas jovens intelektual lugar pa torna ben poi PAICV ribal la!
Responder
0 # Lurdes Mendes 04-01-2019 20:50
Que grande capital humano? Quando era líder parlamentar do partido perdeu todas as negociaçoes de órgãos externos de parlamento. Perante o jovem Elísio Freire de o resultado foi sempre a favor de MPD. Até elegeram José Antônio dos Reis que pouco tempo dispensou o cargo por ter envolvido em actos vergonhosos. Então que contribuição este homem da ao partido que fez homem.
Responder
0 # Febrony Barbosa 04-01-2019 18:45
Lendo artigo, nfica ta pergunta pa mim mesmo: ki resolução é keli pa PAICV ?
Modi ki um alto dirigenti di PAICV, eleito de[censurado]do di Nação na lista di PAICV, obviamente ku responsabilidade política nes terra, ta deseja reunificação di PAICV, si patido, pa além di ser na praça pública, ku expressões do tipo dirigidas pa ken ki sta dirigi PAICV si tem órgãos próprios pa trata kes questões li ?

Portanto, modi ki um artigo di keli ta contribui pa um reunificaçon tão falada e desejada?
Uhnm ! ta contribui sim, ta contribui pa más atritos e concerteza pa cria más desunion aliás, fica claro ki principal objectivo é exatamente keli.
Pa bu oto lado nta entendeba ma si era flado pa um militante ou ou simpatizante comun, era compreensível e aceitavel e aí sim, aí era um contributo valioso pa um verdadero reunificaçon ki, em verdade precisa-se...!
Ki 2019 começa mal pa PAICV começa!!!
Responder
0 # Daniel 04-01-2019 18:04
O comentário de Antonio Miranda parece igualzinho ao de Estrela Melo ou Moedas! A direção do Partido e o Santiago Magazine ficam muito mal na fotografia . Afinal o texto de Felisberto Vieira vem carregado de pedagogia e bom senso que só por maldade poderia merecer esses comentários encomendados. Ah PAICV, quem te viu e quem te vê !...
Responder
0 # Alexandre Vicente 04-01-2019 17:09
O Sr. Filu devia pedir desculpas aos militantes de Partido pelos garandes males causados ao PAICV. Nao aceitou os resultados das eleiçoes pela liderança,conseguiu colocar ao seu lado um grupinho para fazer vida negra a grande Lider. Um de[censurado]do que, na sessao parlamentar quando o partido condena o governo pelas más politicas praticadas que prejudicam o pais, o homem aproveita logo cedo no facebook para felicitar o governo, Caramba que militante é este!? No entanto, os militantes estao atentos esperando pela nove eleiçao. Estamos todos aqui.
Responder
0 # Antonio Miranda 04-01-2019 15:18
Este militante constitui o maior problemas de PAICV. Desde 2011, quando desobdeceu orientaçao do partido tirou sempre as farpas ao partido que culminou com a sua derrota em 2014 na liderança do partido. Fugiu sempre o dialogo no lugar proprio, utilizando face para discutir assuntos do partido ou o Jornal de MPD ( O Pais).
Responder