Pub
Por: José Maria Neves

JMN1

1. Os partidos expressam as diferentes sensibilidades político-ideológicas presentes na sociedade. São associações de cidadãos que professam os mesmos ideais filosóficos e políticos quanto ao porvir da sociedade e voluntariamente se organizam para participarem na formação da vontade política nacional. Têm, por isso, importantes funções políticas, representativas, institucionais e pedagógicas.

2. Hodiernamente, as profundas mudanças provocadas pelas tecnologias informacionais fizeram dos partidos instituições porosas e abertas; já praticamente não há fronteiras entre o espaço interno e mais privado dos militantes e a arena pública. Tudo se passa instantaneamente e aos olhos dos cidadãos e da sociedade.

Os congressos são transmitidos em direto pelos órgãos de comunicação social e pelas redes sociais. Cada um pode, individualmente, com o seu smartphone, fazer sua própria transmissão. As estratégias são debatidas e escrutinadas, na praça pública, pelos cidadãos eleitores e pela sociedade civil. Simpatizantes e amigos são chamados a participar na escolha dos dirigentes e na formulação das principais decisões. São consideradas novas propostas de leis eleitorais para reforçar as liberdades dos eleitos e os seus vínculos com os respetivos constituintes.

De portas escancaradas torna-se bizantina a questão de se saber o que deve ser discutido dentro ou fora dos partidos. O “dentro”, nos partidos modernos, já não existe. Já não há um “dentro” e um “fora”. Há espaços de debate públicos, onde os dissensos se manifestam e os consensos se constroem à vista de todos.

Na verdade, essa fusão entre o “dentro” e o “fora” expõe sobremaneira os partidos e os políticos a um tremendo desgaste, tornando tudo mais volátil e mais vulnerável. Maior é o cansaço, já porque os equilíbrios são extraordinariamente precários. As responsabilidades dos atores, maxime dos dirigentes, são também muito maiores.

3. Por outro lado, os partidos são cada vez mais policêntricos. Vários centros do poder com legitimidades também diferenciadas.

Os grupos parlamentares, por exemplo, são órgãos partidários híbridos e especiais. São partes de um órgão de soberania. Os candidatos, qua até podem ser independentes, são propostos pelos partidos, mas os deputados são eleitos pelo povo.

Uma das questões fulcrais da ciência política refere-se à captura dos mandatos parlamentares pelos partidos. Na verdade, os candidatos, mesmo que independentes, ao integrarem as listas, aceitam implicitamente votar conforme as orientações partidárias nas questões essenciais para o funcionamento do sistema de governo, como são os casos das moções de confiança ou de censura, do orçamento do estado e das grandes opções do plano.

Os deputados são eleitos no quadro de orientações gerais e não de políticas concretas. No quadro do exercício governativo ou da oposição, as medidas concretas de política devem ser debatidas intensa e exaustivamente, num quadro de liberdade de dissenso e de ampla participação, podendo qualquer um apresentar razões fundamentadas para as não votar favoravelmente.

Quantas vezes, enquanto PM, não tive que deslocar-me ao Grupo Parlamentar para debater larga e aprofundadamente diplomas que não mereciam apoio da maioria suficiente dos Deputados do PAICV para serem aprovados?! No quadro da liberdade de dissenso e da participação de todos, não raras vezes, o Governo teve que alterar dispositivos das propostas para conformá-las de modo a poderem, assim, ser aprovadas pela maioria parlamentar.

4. A nossa Constituição é muito clara nesta matéria: os Deputados são representantes de todo o povo (Art.º 163) e não respondem civil, criminal ou disciplinarmente pelos votos e opiniões que emitirem no exercício das suas funções (n.1, Art.º 170).

Não são razoáveis, pois, nem os processos disciplinares, no quadro do PAICV, instaurados a vários Deputados, porque não votaram conforme a determinação dos órgãos superiores do Partido e do próprio Grupo Parlamentar, nem o insensato debate que vem tendo lugar nas redes sociais e nos jornais, com ataques vis a deputados e a dirigentes partidários.

As questões políticas devem ser resolvidas politicamente e não através de expedientes administrativos e disciplinares. E os assuntos políticos do Grupo Parlamentar devem ser discutidos e resolvidos primordialmente no próprio Grupo.

A forma como os Deputados do PAICV votaram o Projeto de Lei da Regionalização do Governo - quatro posições diferentes – revela a necessidade de um amplo debate político interno sobre o exercício do mandato do Deputado, a formação da vontade no seio do Grupo, os eixos essenciais da Agenda da Oposição Democrática, e da construção paciente de consensos sobre questões políticas fraturantes na sociedade e no próprio Partido.

Os partidos, enquanto escolas de cidadania devem ser espelhos onde sociedade e os cidadãos devem mirrar. São, devem ser, pois, oficinas da liberdade de dissenso, da participação e da construção democrática de consensos. A deliberação democrática exige liberdade de espirito, espaços de contra-argumentação e possibilidades de pensamento divergente.

Estamos, pois, a tempo de arrepiar caminho, acabar com esses processos e discussões absurdas nas redes sociais, sob pena de fragilizarmos o Partido, condenando-o a divisões e cisões internas e, consequentemente, à marginalidade política.

O PAICV tem outras prioridades políticas. Não estando em causa a liderança – a atual Presidente tem mandato até 2020 -, deve o Partido concentrar-se no essencial e, a partir do dissenso, construir consensos tão necessários ao seu robustecimento enquanto Partido e à substanciação de propostas alternativas de governação.

A democracia precisa de um PAICV unido, coeso e forte.

Artigo publicado por José Maria Neves na sua página do facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Alfredo Monteiro 17-12-2018 17:34
Na altura de Candidata pa presidente da Republica militantes tá dá JMN resposta. Nunca é apoia Janira como presidente de partido. É cria so dificuldade a janira juntamente cu Filu e Julio Correia.
Responder
+1 # Biadiluluxa 17-12-2018 12:15
Temos claramente um JMN a tentar desestabilizar o paicv. Processos disciplinares sao práticas recorrentes nos partidos políticos. Aqueles de[censurado]dos nao seguiram uma orientação do seu partido a quem assumiram respeitar o seu estatuto. A proposta de regionalização nao serve ao país, vai criar apenas mais job for the boys e, como está vai criar fricção entre o governo central e os municípios. Nao está clara a competência de cada um. É preciso, sim, mudanças mais profundas na legislação. JMN fez um bom trabalho para o país, enquanto PM, mas agora está a prestar um péssimo trabalho ao PAICV. Repense doutor.
Responder
+1 # Pedra Barro 16-12-2018 15:53
Poucas vezes, discordei-me de si, mas desta, tenho de lhe dizer que discordo redondamente e está a prestar um péssimo serviço ao PAICV e ao país. Esses de[censurado]dos estão revelar-se NOCIVOS ao PAICV. Deixaram de ser adversários da Janira para passarem a ser Adversários do PAICV. É disso que se trata, pelo que devem ser CONDENADOS e CASTIGADOS, se possível. Tenho dito
Responder
0 # João Mário 16-12-2018 10:02
Quem te viu, quem te vê! Quando um grupo de cidadãos apoiaram a candidatura do Aristides Lima, nessa altura nada disso fazia sentido. Como fez bem ao JMN e só PAICV a derrota eleitoral?
Responder
0 # Atlovir 16-12-2018 08:57
Sr. JMN, sempre teve uma enorme admiraçäo para o sr. JMN, mas referindo o seu artigo e principalmente pela forma como o sr reflecte usando os Art. 163 e 170. Desacordo totalmente com sr. JMN porque perante ao povo eles numca poderiam ter agido como fizeram. Por isso mesmo que deveruam ser e-x-p-u-l-s-a-d-o-s e maïs breve possivel quer do parlamento oh do nosso PAICV. Fora com esses gajos!
Ps neste momentos temos no PAICV muitos cerebros novos, capazes, visäo holistica e cheia de energias.

Atlovir
Responder