Pub
Por: Carlos Monteiro

Carlos Monteiro

É no mínimo estranho esta estratégia, quase que mórbida, dos contendores da arena política cabo-verdiana, em tentar surfar toda e qualquer onda do momento, que se julga poder trazer algum ganho político, por pequeno que seja, sem ter a mínima preocupação com os superiores interesses da Nação.

Isto a propósito de algumas reações à recente afirmação do PM de que a rota dos voos não é uma decisão administrativa ou política. Nalguns “pequenos sectores”, quase que cai o Carmo e a Trindade

No século XIX, um proeminente empresário brasileiro de nome Irineu Evangelista de Sousa, mais conhecido por Visconde de Mauá tinha uma frase célebre que dizia o seguinte:

“o melhor programa econômico de governo é não atrapalhar aqueles que produzem, investem, poupam, empregam, trabalham e consomem”

Os que agora estão “indignados” com a afirmação do PM, esquecem-se que, essencialmente, dois fatores contribuíram para colocar a Tacv em situação de falência, sem aviões e sem crédito junto de fornecedores:

(1)  viabilidade comercial de uma companhia com custos excessivos e mercado reduzido. O Gov do MpD reestruturou a empresa e assumiu corajosamente a operacionalização do hub no Sal para criar mercado através da distribuição de passageiros nas rotas Américas - Europa e posteriormente África. Mercado é uma das condições para a rentabilidade da empresa. Não é por acaso que durante 15 anos o Gov do Paicv não conseguiu privatizar a Tacv, apesar de JMN ter anunciado várias vezes. Sem aumento da dimensão e rendimento do mercado, não há parceiros estratégicos na privatização. Não é pelo mercado interno pequeno (500 mil hab.) e de baixo rendimento (3.800 dólares de rendimento per capita) que aparecem interessados credíveis na privatização;

(2) interferências políticas na gestão e nas opções de negócios da empresa. O Gov Paicv determinou rotas por razões políticas. Todos estão lembrados da “aventura africana” que resultou em mais de dois milhões de prejuízos. Por sinal, não aprenderam a lição e querem forçar o atual Gov a impor à empresa decisões de natureza política mesmo que à revelia do processo de recuperação da empresa e da viabilidade comercial das rotas. Não explicitam no entanto,  quem paga este tipo de decisões: (a) o país de uma forma geral, pois a situação em que deixaram a Tacv constitui um elevado risco fiscal com consequências no quadro macroeconômico do país e na sua credibilidade externa; (b) os contribuintes cabo-verdianos que arcam com as consequências da desestruturação da economia do país, quer através dos impostos, quer através do endividamento.

Finalizo deixando um outro pensamento, desta vez, do proeminente Estadista Britânico, Winston Churchill:

“A diferença entre um estadista e um demagogo é que este decide pensando nas próximas eleições, enquanto aquele decide pensando nas próximas gerações.”



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # zé de Praia 11-12-2018 10:32
TA PAPIA NADA CA TA SAI QUI BALI. PAMODI BU CA TA FICA CALADU ?
Responder
+1 # GovERNU 11-12-2018 07:58
O Sr tomou um bom merdon antes de escrever essa paranóia. Só viu blue. Precisa de uma consulta na no Hospital de Trindade.Pena que Manel Faustino tá de férias na Holanda. Ministro de Saude tá na comitiva na França pá compra da Natal......
Responder
+2 # Lucro 10-12-2018 17:41
Uma coisa é certa. ninguém votou no Binter, na Caboverde Airlines, ou qualquer outra companhia para governar Cabo Verde e assegurar bem os transportes aéreos. Portanto, o Ulisses tem que saber isto e parar com as suas respostas de barbaridades. Quer dizer, a TACV só vem a São Vicente se isto for rentável? em que mundo andamos? Então, o Estado agora só nos serve se nós formos lucrativos?
Responder
+4 # Any Silva 10-12-2018 16:21
Completamente desenquadrado. Sem norte, nem rumo nenhum. Bem dado pa maltas de São Vicente. Nhos torna vota na balelas.
Responder
+4 # Luiza Pineiro 10-12-2018 15:58
Tanta palhaçada. Nao venha impressionar citando frases de alguns pensadores para camuflar a irresponsabilidade do governo. O povo elegeu o MPD para governar trazendo melhorias de vida para todas as ilhas.O pior problema para os governos (PAICV e MPD) sao os militantes, alguns na mira de asseguar os seus lugares (lembes Botas) procuram defender todas as asneiras do governo. A Ilha de São Vicente tem o mesmo direito que todas as outras. Hoje, O Presidente de camara desta Ilha posicionou-se claramente contra a irresponsabilidde de Primeiro Ministro na sua afirmaçao. E agora vem esse carlos tentar impressionar alguem.
Responder