Pub
Por: Janira Hopffer Almada

Janira12 

Hoje, comemora-se, em todo o Mundo, o Dia Internacional do Voluntariado.

Cabo Verde, por ter uma população maioritariamente jovem e ser um país carente com muitas dificuldades, deveria estar na linha da frente das comemorações, e ser uma referência em boas práticas, no Continente e, quiçá, no mundo.

A Governação anterior entendeu a importância do Voluntariado em Cabo Verde!

Por essa razão, o Sistema das Nações Unidas apoiou o anterior Governo na implementação de um programa forte de voluntariado.

Foram criadas 6 Agências Regionais no País (Santo Antão, São Vicente, Fogo, São Nicolau, Santiago Sul e Norte)!

Foi criado o Corpo Nacional de Voluntários (CNV), em 2012, através do Decreto-lei nº 25/2012, de 31 de Agosto, com a instalação da Agência Nacional na Cidade da Praia.

Foi criado o Regime Jurídico Geral do Voluntariado (em 2010, através do Decreto-Lei nº 42/2010, de 27 de Setembro), com estabelecimento de direitos e deveres e também de incentivos à prática do voluntariado.

Foi criado o Passaporte do Voluntário.

A partir de 2016, depois das eleições legislativas, o novo Governo decidiu pelo desmantelamento desse Programa, lançando por terra todo o trabalho feito e o espírito de entrega e missão de milhares de jovens deste País!

Extinguiu o Corpo Nacional de Voluntários. Fechou as Agências Regionais. E engavetou todo o enquadramento jurídico desta questão no país.

Hoje, a pergunta que não se cala é a seguinte: O País ganhou? Claro que não.

Mas, mais do que o País ter perdido com esse desmantelamento - sem razão, nem motivação plausíveis - ficamos com um vazio, nessa matéria, pois, passados 3 anos, o Governo não conseguiu, ainda, oferecer absolutamente nada em alternativa ao Corpo Nacional de Voluntários. Absolutamente nada!

E o reconhecimento do papel do voluntário no desenvolvimento das comunidades, em especial, e do País, em geral, ficou comprometido.

Ficou, ainda, comprometido, com a actuação ou omissão deste Governo, toda a valorização das experiências anteriores do voluntariado juvenil e o estímulo à sua intervenção, nas áreas produtiva, social e cultural.

De facto, é preciso resgatar o País!

Artigo publicado pela presidente do PAICV, Janira Hopffer Almada, na sua página do facebook.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar