Pub
Por: Samora Moreira

Samora Moreira

É notório que o poder local, aqui em Tarrafal de Santiago, está desorientado e precisa de foco. Até dá sensação que não possuí um programa de governação local, no quadro dos compromissos feitos nas últimas eleições autárquicas de 2016. Em consequência, não existem resultados e o concelho está numa situação de degradação. Nesses últimos meses, famílias desesperadas e jovens desamparados têm manifestado de forma destemida os seus desagrados face a ineficácia e ineficiência da gestão local.

Não se conhece as políticas e as prioridades de investimentos, e estes quando surgem não têm produzido efeitos práticos na melhoria das condições de vida dos tarrafalenses. Não é por acaso que Tarrafal apresenta um dos piores indicadores de desenvolvimento.

É preciso uma intervenção de fundo na redefinição das prioridades de investimento e um alinhamento das políticas locais com as perspetivas nacionais. Tarrafal é, sem dúvidas, um concelho com enormes potenciais de desenvolvimento, mas só isso não basta. Temos estado a desperdiçar aquilo que poderia gerar riquezas e melhorar as condições de vida dos tarrafalenses, concretamente nos setores da Pesca e do Turismo e suas vertentes conexas.

A título de exemplo e sugestão, porque não recuperar a antiga fabrica de “transformação” do pescado, dotar os pescadores de meios modernos e pensar na industrialização deste setor. Fantasiados pelas belezas naturais das nossas paisagens, alimentou-se a “sina” e expetativas fracassadas de que o desenvolvimento se podia fazer prioritariamente pela valorização do turismo. É preciso uma mudança de paradigma, e adaptar aos novos tempos, considerando que o país se desenvolveu muito neste e com este setor e Tarrafal regrediu.

Tarrafal precisa de um poder local ousado, aberto aos seus ativos, e sobretudo, realista”.

Deve o presidente, que diz presidir uma Câmara com rosto humano, negligenciar a pobreza, o desemprego, a miséria e entre outras frustrações da juventude Tarrafalense instaladas pelo sistema do MPD Tarrafal, e ainda mostrar-se satisfeito com o atual estado de coisas?

Mera ilusão política e partidária, quando em jeito de balanço, vem o José Pedro Nunes Soares afirmar que a sua equipa está a cumprir com aquilo que são os últimos compromissos autárquicos.

Assim, convém refrescar quais foram os principais compromissos da sua campanha:

1. Estudo de localização de uma marinha turística;

2. Estudo de viabilidade de um porto comercial;

3. Criação de um centro para desportos náuticos;

4. Estudo de localização de um aeródromo;

5. Concelho Municipal para o turismo;

6. Projeto operacional do turismo;

7. Plano de marketing do turismo do município do Tarrafal; mais postos de informações;

8. Investimento e devidos esclarecimentos, caso dos terrenos vendido “Rabu-koku”;

9. Valorização da "Tabanka di Txon Bon";

10. Conclusão do pavilhão desportivo, antes da pré-campanha autárquica de 2020;

11. Construção de estádios relvados alternativos em Achada Tenda e Ribeira das Pratas;

12. Projeção de mais zonas irrigadas: Belém e Achada Grande;

13. Intrdução de pequenas indústrias - colonato Chão Bom;

14. Incentivo ao hidroponia;

15. Estrutura organizativa para comercialização de produtos agropecuários;

16. Incentivos à produção de queijo de cabra em Lagoa e Achada Lagoa, incentivo a criação de gado estabulado;

17. Projeto de criação de um porto de pesca, inclusive faz parte do PDM Tarrafal;

18. Abertura de uma linha de crédito especial, junto dos bancos, para aquisição de embarcações de pesca com maior segurança;

Gostaria muito de acreditar e ver cumpridas, nesses restantes dois anos de governação, aquilo que foi projetado para quatro anos.

Frente disso, a avaliação é negativa, e não se deve, de forma alguma, dizer que se está a cumprir, ou que estão no caminho de o fazer, uma vez que estão completamente desalinhados com aquilo que foram as promessas.

Pelo que se desafia o Senhor Presidente, José Pedro Nunes Soares a ter coragem politica de restruturar a sua equipa, que já deu provas de fragilidades e incompetências, seja pelas vias da “desprofissionalização" dos vereadores, seja pelo reforço das suas estruturas.

Portanto, mais do que discursos, Tarrafal quer sentir que agora é diferente.

 

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Josefa Martins 10-10-2018 22:16
Excelente, Samora Moreira! Parabéns!
Responder
0 # Djan Djóbi 10-10-2018 19:36
Caramba! Então por que não se muda a equipa? Se o povo do Tarrafal sofre, tal como diz o articulista, por que se mantém agarrado à mesma conversa fiada de há mais de 25 anos? O que se passa, a final?
Responder