Pub
Por: Carlos Monteiro

 Carlos Monteiro

Paulino Dias escreve de cátedra, com alguma dose de arrogância para concluir com o que ele designa de factos, que o Governo não tem uma estratégia de apoio à exportação. Subtilmente faz uma ponte de 18 anos para mostrar que os governos são todos iguais. 

Devia ter o cuidado de primeiro entrar na realidade empresarial, contactar as empresas exportadoras e assim se pronunciar com mais conhecimento da realidade recente. 

O que parece cansativo é continuar a bater na mesma tecla do Fundo de Apoio à Internacionalização das Empresas que foi criado pelo governo anterior e nunca funcionou, em participações em feiras e apoios a empresários para viagens ao exterior, em promoções de exportações através das embaixadas. Tudo na base de uma ideia assistencialista do Estado.

Ignora o Paulino Dias que para haver exportações tem que existir empresas exportadoras, que se empenham na procura de mercados para os seus produtos e promovem e vendem os seus produtos nesses mercados. Não ficam à espera do Estado para fazerem viagens de negócios, participarem em feiras, promoverem os seus produtos. Essas empresas existem em Cabo Verde. E exportam e criam empregos. Muitas dessas empresas estão com projetos de expansão de atividade e de criação de empregos. Se quiser uma amostra desta realidade, contacte as empresas exportadoras em S. Vicente, de capital nacional e estrangeiro.

A estratégia para a exportação passa em primeiro lugar pela criação de um ambiente de negócios favorável em Cabo Verde para que as atuais empresas se desenvolvam e outras se instalem e exportem. É o que o Governo atual tem feito a nível da fiscalidade, do ecossistema de financiamento, da operacionalização do CIN e de um conjunto de medidas em curso para melhorar a burocracia, a eficiência energética e os transportes. 

Se Cabo Verde não for atrativo e competitivo para a atração e desenvolvimento de empresas, nacionais e estrangeiras, não há exportação. Esta é a base e é sobre ela que incide o maior esforço do Governo. 

Os bons empresários e investidores sabem mais do que o Governo como produzir e exportar. Precisam de condições favoráveis e de um governo parceiro. O esforço tem que ser conjugado principalmente por parte das associações empresariais e das câmaras de comércio. Introduzir motivações outras nessas relações pouco valor acrescenta aos verdadeiros atores do crescimento econômico, que são as empresas. Aliás, tende a criar valores negativos.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+3 # apartidário 19-09-2018 10:33
É incrível ver esses "rapazinhus" ventoínha armados em neoliberais falar e criticar o assistencialismo do Estado, quando como de[censurado]dos nacionais, não fazem nada senão defender interesses pessoais, familiares e partidários (usando o Estado para tal), sem se preocupar minimamente com a razão para o qual foram eleitos - representar e defender os interesses do povo, com o fim de promover o desenvolvimento e bem-estar social, sendo certo que são bem pagos para isso, sem no entanto produzirem resultados práticos (riqueza para todos).
Ele, de[censurado]do nacional é aquele que vive verdadeiramente do assistencialismo cómodo do Estado, sem fazer praticamente nada para alterar o estado do Estado.

Tenho dito!
Responder
+5 # Vergonha 18-09-2018 10:59
Ho carlos, pelo amor de Deus, você acha que os Caboverdianos ainda estão todos tapados.
As eleições estão próximo...
Responder
+9 # Gregorio Gonçalves 18-09-2018 08:27
Caro Monteiro, fez bem em responder o obvio. Mas esqueceu-se: (1) Não Governo anterior ou posterior para a administração do Estado; (2) O Estado, o Governo existe para para promover a economia, o social; (3) As Embaixadas existem para assistir a economia, o social; (4) Não vale qualquer visita de Governo algum sem empresário; (5) É da exclusiva responsabilidade do Governo criar o ambiente económico, social suscetível de gerar a economia e o bem estar. E se parassem de fazer politiquice e atacar o que é obvio Cabo Verde estava a mil léguas. E, como conselho, não dê manteiga ao Governo para algum tacho porque ainda não se fez nada para criar o ambiente de negócio tão prometido para promover a economia, o bem estar
Responder
+9 # Bibi 18-09-2018 08:19
Esse governo tem políticas para os manos do partido o objectivo è enriquecer os dirigentes do partido para que na época das eleições tenham rios de dinheiro para compra de votos
Responder
+10 # Joana Correia Mendes 18-09-2018 03:05
Este veio publicar um texto que alguém lhe deu ordens para tal. Afinal, foi por isso que lhe foi dado o lugar de de[censurado]do. Não consegue apontar uma única medida concreta. Assim, deu mesmo razão ao Paulino Dias.
Responder
+10 # Djosa 18-09-2018 00:41
Uns defendem tentam defender o bem comum, nneste caso, uma política de exportação mais cconcertada, que favoreça o desenvolvimento ddeste setor. Parabéns Paulino Dias. Outros, de uma forma muito desconcertada afirmam que esta política já está sendo efectivada e a beneficiar em pleno os empresários que operam no sector. Caramba pa. Senhor de[censurado]do Carlos Monteiro, defenda a sua tribo sim, mas não trate os criousos de parvos.
Responder