Pub
Por: Paulo Dias

Paulino Dias 

Diz-nos o Sr. Primeiro Ministro Ulisses Correia E Silva que o Governo atribui "particular importância" às empresas que operam no sector exportador, por se tratar de uma área “essencial” para Cabo Verde, também geradora de empregos e rendimentos. Really? Vamos ao ´fact check´?

1. Nos últimos 18 anos pelo menos (15 sob o Governo do PAICV e já quase 03 do do MPD), não houve DE FACTO uma estratégia consistente e articulada de promoção das exportações. Exceptuando-se uma ou outra missão de Governantes ao exterior acompanhada de pequenos grupos de empresários (escolhidos sem critérios racionais escorados numa estratégia clara), uma ou outra participação em feiras, inconsequentes e sem resultados por aí além, uma ou outra iniciativa legal tímida mas sem qualquer impacto (destacando-se a criação de um tal Fundo de Apoio à Internacionalização das Empresas, em 2011, que até à data nunca viu um tostão furado...), uma ou outra iniciativa esporádica e tímida de divulgação do AGOA - este território tem sido quase que completamente árido, em termos de políticas públicas.

2. Apesar dos recorrentes (e já cansativos!) discursos chiques à volta da tal diplomacia económica, não se conhecem instrumentos efetivos nesta frente, de apoio institucional da nossa rede diplomática às empresas exportadoras ou com potencial de exportação de bens e serviços. Não há um sistema de colecta, sistematização de informações sobre/em mercados estratégicos e sua disseminação interna. Não há (ou não se conhecem) mecanismos de apoio institucional a empresas/empresários caboverdeanos quando em viagem de negócio ao exterior. Mesmo quando, por iniciativa própria, uma empresa procura apoio institucional de alguma Embaixada nossa, terá que contar com muita "amizade" pelo meio, para ter o devido apoio.

3. Exceptuando-se o turismo, a exportação de serviços (por exemplo, nas áreas das TIC´s, BPO, consultoria e relacionados) - onde Cabo Verde poderia explorar oportunidades interessantes na sub-região, tem merecido pouquíssima atenção por parte dos Governos (não, não falo dos discursos ocos e xintadas engravatadas sem impacto algum, falo de INSTRUMENTOS DE POLÍTICA!). As exportações neste sub-sector dignas de alguma nota foram as do NOSi, mas que é um caso sui generis - empresa pública que, por isso, pôde beneficiar de escoras institucionais do Estado, seu acionista.

4. O leque de países com quem Cabo Verde tem assinado acordos de isenção de dupla-tributação (que facilitam exportações), é francamente dececionante, volvidos 43 anos depois da independência.

5. A solução adotada recentemente no setor de transporte aéreo vem tendo um impacto manifestamente negativo sobre o setor exportador (particularmente na ilha de São Vicente), como nos revelou numa entrevista recente o Sr .Presidente da Câmara de Comércio de Barlavento, Belarmino Lucas.

Em suma, não tem havido uma estratégia clara, com a identificação de setores/empresas com elevado potencial de exportação, não tem havido instrumentos de política eficazes para apoiar/promover as exportações de serviços e produtos made in Cabo Verde, não tem havido um alinhamento DE FACTO da nossa diplomacia para a promoção das exportações, não tem havido instrumentos financeiros adequados a este desiderato, enfim, não tem havido ...nada!

Dito isto, Sr. PM, qual é mesmo a importância que o Governo tem dado ao setor exportador?

Paulino Dias



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Carlos Fortes Lopes 19-09-2018 14:46
Caro Paulino, retiro o meu chapéu para te salutar pela coerência e pbjectivodade deste seu artigo. As verdades têm que ser ditas, doa a quem doer. Em Cabo Verde quase tudo continua a funcionar à base de amizades e camaradagens. Quanto ao aproveitamento do AGOA, continua sendo uma vergonha ver a inaptidão do Governo em fornecer dados consistentes e o apoio institucional para promover o produto nacional. Cabo Verde continua sendo um país de amigos e colegas de partido. Deus haja e dé muita saúde mental e física para que vocês os poucos empresários de sucesso continuem sobrevivendo nessa sociedade politicamente doente e corrupta.
Responder
+1 # Osvaldo Lopes 18-09-2018 15:11
É o caso da armadora do navio cabo-verdiano Nª Sra da Graça que, embora insistindo junto dos ministros do mar e das finanças não recebe apoio pela operação na costa ocidental africana, correndo o risco de, por causa de instabilidade na região, estar a perder esse navio; ela quer trazer o navio e operar a partir da Praia para a região mas não consegue o apoio de forma nenhuma não obstante discurso dos governantes da região acerca da necessidade de apoios do género!
Responder
+1 # apartidário 18-09-2018 08:56
Nenhuma importância pelos vistos!
Responder
+3 # Mário Silvério 18-09-2018 03:06
Parabéns, Paulino Dias. A partir de hoje, ganhaste o meu respeito. Agora, sim, digo que tu és uma pessoa crítica e atenta. Deves ser respeitado por isto.
Responder