Pub
Por: Janira Hopffer Almada

 JHA11

O Governo abdica de 20 milhões com a isenção de vistos a turistas….

E transfere todos os custos para os passageiros, aproveitando para aumentar as receitas do Estado!

Faz sentido?

O Governo decidiu alterar a Lei 66/VIII/2014, de 17 de Julho, que define o regime jurídico de entrada, permanência, saída e a expulsão de estrangeiros, cuja finalidade foi acomodar a medida de isenção de vistos (também anunciada pelo Governo).

Todos apoiamos a adoção de medidas de facilitação do acesso ao território, de forma ponderada, segura e o mais consensual possível, uma vez que, geralmente, são tendencialmente medidas irreversíveis, que não podem andar ao sabor dos governos circunstanciais.

Isso, porque somos um país que precisa atrair fluxos externos para equilibrar a sua balança de pagamentos e dinamizar o desenvolvimento da sua economia (ainda frágil, de muito pequena escala e muito dependente do exterior), sem prejuízo de utilizarmos toda a nossa capacidade diplomática para alcançarmos acordos de mobilidade mais consentâneos com as características de Cabo Verde. Sobretudo tratando-se da UE, não podemos deixar de estranhar que não se esteja a discutir a questão de Acordo Multilateral de Céu Aberto, que é fundamental para viabilizar o aumento do turismo proveniente desse Espaço (a UE).

O Governo do PAICV realizou, sobre essa matéria, uma Conferência em 2012, com a presença da representante da Comissária Europeia para os transportes e mobilidade, em colaboração com a ASA e a AAC. Depois disso, elaborou um TdR que foi submetido à UE, em 2014. Na sequência, foi realizado um estudo sobre o impacto económico das liberdades aéreas para que pudéssemos suportar melhor o que seria um exigente diálogo diplomático e económico.

Durante a XXXVIII AG da ICAO, a então Ministra Sara Lopes esteve a debater o assunto, com vários Ministros e SE europeus, e colocou a questão, recebendo, de todos, uma reação muito favorável. Ou seja, a questão está posta e convém que seja continuada, pois o alcance de um Acordo Multilateral de Céu Aberto com a UE seria, de longe, superior aos envelopes financeiros atribuídos regularmente!

Esta questão foi, também, introduzida no diálogo político com o Luxemburgo e com a Holanda!

E como actua este Governo, liderado por Ulisses Correia e Silva?

Actua de forma desarticulada, impositiva, sem análise, sem avaliação dos impactos e sem modelos de implementação.

Portanto, ninguém pode ser favorável à forma como o Governo tem actuado nesta e noutras matérias.

Francamente!

A comunidade aeronáutica não deve silenciar-se. Não pode!

Nada pode justificar o nosso silêncio, pois temos o dever de ajudar o Governo, qualquer que ele seja, a decidir bem, a ponderar adequadamente as decisões e os seus impactos.

Não se pode “descobrir” um santo para “cobrir” outro, por mera teimosia, falta de visão e ausência de diálogo.

O Governo teria outras formas mil de resolver esta questão. Mil!

Mas, esta é a mais infeliz de todas!

Devemos, por isso, perguntar a implicação desta medida na Aviação Civil!

Parece que nem a ASA nem a AAC foram consultadas. Se calhar, nem mesmo os operadores aéreos!

Se assim é, estamos (também neste quesito) a regredir gravemente na forma de tomar decisões.

Como é possível o Governo estar a passar tantas responsabilidades de novas obras aeroportuárias à ASA, continuando a solicitar dividendos e financiamento de mil coisas, e, ao mesmo tempo, este mesmo Governo estar a dispor, sem qualquer concertação e articulação (sem fazer as contas de receitas da aviação civil e a sua distribuição para fazer funcionar o sector globalmente), para financiar opções de política que nada têm a ver com a Segurança da Aviação Civil?

É que não tem mesmo nada a ver com a segurança da aviação civil!

A Taxa de Segurança Aeroportuária existe para moderar os custos do sistema aeroportuário com a segurança da aviação civil, implicando a polícia nacional, também, lá onde é quem presta o serviço e suporta os custos, como é o caso do screening e de alguns serviços de fronteira que visam, claramente, a segurança do voo e a prevenção de atos ilícitos contra a indústria da aviação civil.

Sobre a Plataforma e o Modelo, importa que o Governo informe que plataforma pretende utilizar, com base em que estudo, análise de caraterísticas técnicas e o preço de aquisição do serviço, se foi por ajuste direto ou por concurso e quanto vai custar aos utentes dos Transportes Aéreos.

Ora, as TSA em todo o mundo são diferenciadas em Passageiro de um Voo Internacional e Passageiro Doméstico, precisamente porque a TAXA visa garantir a segurança do VOO.

A filosofia é muito diferente da que rege o VISTO de Entrada e Permanência!

Como diferenciar e ser aplicável agora a... e de forma diferenciada a ...passageiro de voo internacional, passageiro de voo doméstico, passageiro de voo internacional cidadão de países isentos de visto?

Como passar às companhias aéreas, de todo o mundo, que operam para CV, a responsabilidade de recolher esses dados e repassá-los à DEF, através da tal Plataforma?

Como garantir que as Companhias Aéreas internacionais vão apagar os dados pessoais recolhidos? Quem vai conferir?

E se não apagar? O que acontece?

Foi ouvida a Comissão Nacional dos Dados Pessoais sobre o assunto?

Como e em que momento será cobrada a TAXA? No acto da compra do Bilhete ou no acto de Inscrição na Plataforma? Se na inscrição na Plataforma, por que via?

O Governo tinha mil opções de criar o que entendesse: selo adquirido online ou à chegada, como em vários países; isentar à entrada e cobrar a taxa via taxa turística que o turista já tem que pagar e, neste caso, isentar o «turista» independentemente da origem, excepto os cidadãos dos chamados países "proscritos" ou que representam graves riscos de segurança.

Enfim...

O caminho escolhido é o menos lógico e abre um grave precedente: o Governo taxa a Indústria da Aviação Civil, para fazer face a custos que nada têm a ver com serviços prestados à aviação e aos passageiros!

Por que “carga de água” é o sector dos transportes aéreos (o passageiro aéreo) a pagar os custos dessa medida?

E o turista ou o viajante marítimo? Por que não esses também?

Norte precisa-se nesta Governação!

Antes que seja tarde demais!

Janira Hopffer Almada

*Título da responsabilidade da redacção



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # PEPETELA 23-08-2018 09:08
Para me fazer uma opinião sobre a reação da Dra. Janira Hoppfer Almada, queira ouvir vozes contraditórias e sobretudo a do Ministro que criou a tal taxa. Acabei de ler um artigo e deparei que o Ministro é doente, um doente mental, inapto para governar: “Ministro do Turismo garante que Taxa de Segurança Aeroportuária (TSA) vai reforçar a segurança nas fronteiras do país”. CREDOOOOO!!!!!!! Desde quando e aonde no mundo que o pagamento de uma taxa reforça a segurança. Nem consegue justificar uma medida aleatória, arbitrária, imponderada, insensata, imatura. Vê-se também que os Ministros não têm assessor@s que orientam, sustentam, norteiam as politicas dos Ministros: são deuses todos poderosos e o povo cabo-verdiano um pano. Tomam decisões e ciao, é para aplicar, que o povo sofre, grita, lamenta, morre, nem tó ai…
Responder
+1 # biadeluluxa 22-08-2018 13:12
Com os resultados péssimos desta governação do UCS e com os bons que continuam a fluir na camara municipal da Praia, fica comprovado que afinal quem Oscar Santos é que era o cérebro da autarquia capitalina. Estamos de mal pior com este zig zag de governo do mpd que nunca devia voltar ao poder. Cabo Verde perdeu completamente o rumo. Força Janira, continue com serenidade!
Responder
+1 # ABISMO 22-08-2018 10:43
O país está de TANGA, com este governo de Ulisses.De amadorismo à precipitação, vai se fingindo que se está a governar.

Já dizia Kant: o ACTO de GOVERNAR e o ACTO DE EDUCAR são as duas invenções mais mais complicadas do homem.

Portanto, Governar não é para qualquer um.
Responder